• Home
  • Grupo de direitos animais diz que prêmio Nobel de medicina é “triste”

Grupo de direitos animais diz que prêmio Nobel de medicina é “triste”

0 comments

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Um grupo norueguês de direitos animais disse que é triste que o Prêmio Nobel de Medicina tenha ido para pesquisa envolvendo experimentos “muito invasivos” com cérebros de ratos.

“Achamos triste que o prêmio Nobel vá para pesquisas como esta, porque a história mostra vários exemplos de pesquisas úteis, sem dúvida, e entretanto consideradas antiéticas pela história”, disse o assessor jurídico da Norwegian Animal Protection Alliance’s à Agence France-Presse.

“Acreditamos que seja o caso desta pesquisa também, infelizmente.”

O Prêmio Nobel de Medicina de 2014 foi para um casal norueguês, May-Britt e Edvard Moser, e seu mentor anglo-americano John O’Keefe, por descobrirem um “GPS interno”, que ajuda a navegar o cérebro.

De acordo com Kleveland, as experiências premiadas consistiram em – entre outras coisas – implantes de instrumentos nas cabeças de animais, medo e estresse psicológico, com experimentos envolvendo afogamento, e destruição de partes dos cérebros dos animais.

O grupo de direitos animais disse que vinha acompanhando esta pesquisa há anos e que, sem sucesso, tentaram impedi-la legalmente.

“Nós não conseguimos parar esta, mas acreditamos que no futuro experimentações como esta em animais não serão aceitas”, disse Kleveland.

Em outubro de 2011, May-Britt Moser disse ao jornal norueguês Technical Weekly Magazine que ela sentia um grande respeito pelos animais e tinha sido membro de um grupo de direitos animais em sua juventude.

“Eu trabalho muito intensamente para ter certeza de que a situação dos animais é tão boa quanto possível, e estou sempre pensando em coisas que possamos fazer por eles”, disse ela.

“Entre outras coisas, nossas gaiolas são maiores do que o necessário, eles vivem juntos e tem um monte de brinquedos.”

Ela explicou que isso também fez parte da pesquisa, pois “tratá-los bem garante dados cada vez melhores nos experimentos”.

Fonte: Veggi & Tal

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. ME PERGUNTO SE ISSO SERVE PARA JUSTIFICAR O SOFRIMENTO A QUE TANTOS ANIMAIS SÃO SUBMETIDOS (ATÉ A MORTE)……AFINAL DE CONTAS ELES NÃO TIVERAM A OPÇÃO DE ESCOLHER SE QUERIAM SERVIR DE COBAIAS. A CIÊNCIA QUE ACOMPANHE A EVOLUÇÃO E PARE DE USAR ANIMAIS EM SEUS EXPERIMENTOS. PERGUNTEM AOS HUMANOS SE ELES QUEREM SERVIR DE COBAIAS!!

  2. Se é assim, vida saudavel, porque ela não experimentou em um familiar.Dava boa casa,comida, alguns brinquedos e depois abria a cabeça e introduzia alguns eletrodos.

  3. “Eu trabalho muito intensamente para ter certeza de que a situação dos animais é tão boa quanto POSSÍVEL e estou sempre pensando em coisas que possamos fazer por eles”, disse ela. Preciso dizer mais alguma coisa? Acho que ela já disse!

    1. Deve ser muito bom ter pedaços do cerebro destruido e implantes colocados na cabeça, e sofrer afogamento…que bom que ela não decide o que é tão bom quanto possível pra você, né? Mas há quem decida que decapitar ocidentais é bom para a revolução islâmica…

  4. Muito contraditório, pois a pesquisa certamente não tinha como finalidade descobrir algo sobre o cérebro dos ratos, mas certamente de transportar este conhecimento para o cérebro humano. Em outras palavras, admite-se que somos tão próximos biologicamente a ponto de permitir este tipo de comparação mas prefere-se negar a necessidade de uma consideração moral mínima. Sobre o comentário da pesquisadora, fica provado como é impossível garantir qualquer direito aos animais com esta conversa mole de bem-estarismo, a imagem fala por si só.

  5. Ela não parece inteligente. Ou então é mesmo sem noção quanto à ética. Jaulas maiores que o necessário, disse ela, quando se tivesse um pouco de sentimento, saberia nenhum animal pode ser feliz enjaulado. Mesmo que sejam maiores. E brinquedos,…para se divertirem depois de serem torturados!

  6. Ridículo fazer isso com os animais e, para tentar se justificar, dizer que já foi de grupos de defesa dos animais. Se tivesse sido mesmo, não teria coragem de fazer isso. Desculpa esfarrapada. E outra: todos os cientistas que são entrevistados dizem que tratam os animais com todo cuidado e amor. Iriam dizer o contrário, que estão pouco se lixando para eles? Vídeos gravados nos laboratórios mostram como os testes são crueis e muitas vezes os animais são tratados com indiferença e até violência, vi um macaco sendo espancado por um pesquisador porque tentou desesperadamente escapar.

  7. Há pesquisas que não tem sentido e nem trazem benefícios. Esta, por exemplo, qual é a importância? Pelo que todos imaginam (ou sabem), os seres vivos têm senso de direção. Então, alguém pode me explicar em que a “descoberta” deste “gps” em ratos vai ajudar?

  8. Se essa pesquisadora acha que dava um bom tratamento aos animais, o que ela acharia se fizessem com ela tudo o que ela fez aos pobres animais?

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>