• Home
  • Campanha online busca remédio para cães

Campanha online busca remédio para cães

0 comments

Tutora de seis cães, Emily Abubakir busca em Salvador ajuda para a cadelinha doente
Tutora de seis cães, Emily Abubakir busca em Salvador ajuda para a cadelinha doente

Responsável por estreitar relações e fronteiras, a internet é cada vez mais usada como ferramenta de buscas por remédios também para tratamento da saúde dos animais. Inclusive quando o remédio procurado não é mais fabricado em determinado país.

Este problema é vivido pela policial paulista Maria Eunice Amorim de Oliveira, 51, em campanha no Facebook para encontrar um quimioterápico para tratamento da cadela Camilinha. O laboratório Bristol-Myers, responsável pela fabricação do citostal no Brasil, parou a produção por conta da mudança do fornecedor de matéria-prima.

A previsão é que o remédio volte a ser produzido em dezembro, prazo máximo que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem para fazer a aprovação do fornecedor. A basset-hound de 9 anos teve o diagnóstico de linfoma cutâneo (câncer que pode acontecer em diversos tecidos ou no sistema linfático) há um mês. Em tratamento para tentar impedir a evolução do tumor, o animal precisa do remédio para uma melhor qualidade de vida.

Em Salvador, a bióloga aposentada e protetora dos animais, Emily Abubakir, ficou sensibilizada com a história de Camilinha e está tentando encontrar o quimioterápico através dos quatro mil amigos do Facebook. “Este remédio pode prolongar e melhorar a vida de Camilinha”, disse. A protetora contou que tem alguns amigos que já fizeram buscas na Itália e na Argentina mas não tiveram sucesso.

Protetora

Tutora de seis cães, sendo quatro resgatados das ruas, Emily se nomeia protetora dos animais. “Já acordei um veterinário às 6h de uma terça de Carnaval para medicar um cão de rua”, contou rindo. No apartamento em que vive, a bióloga cuida das cadelas desamparadas.

“Encontrei a Bisteca (uma vira-lata) com três meses de vida. Ela estava atropelada e sangrava muito”, contou. Outros animais que vivem no apartamento também passaram por situações difíceis.

A cadela da raça labrador, Matilda, 9 anos, já teve câncer e passou por nove cirurgias. A vira-lata Zelda, de 8 meses, tem displasia coxofemural (doença ortopédica hereditária mais comum nos cães) e, após ser adotada, foi devolvida pela ex-tutora.

Mário D’Assis, 43, especialista em oncologia veterinária, já atendeu mais de 10 animais com o quadro igual ao de Camilinha. “O câncer têm uma frequência considerável e é muito agressivo”. Sobre o tratamento, disse não ter evolução positiva: “O animal reage mal ao tratamento e este só ameniza a dor”.

Fonte: Portal A Tarde

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>