• Home
  • Erros veterinários evidenciam a importância de uma segunda opinião

Erros veterinários evidenciam a importância de uma segunda opinião

0 comments

Quando o animal doméstico fica doente já é uma aflição grande. Quando a doença aparece de forma repentina, então, o desespero dobra. A pressa em socorrer o animal faz com que muitos tutores de cães e gatos acabem agindo no impulso, gastando mais dinheiro do que o necessário e deixando o animal vulnerável. É preciso ter cautela na hora de agir nos casos de um diagnóstico mais grave.

O shih tzu Bento recebeu indicação para cirurgia nos olhos. Em busca de uma segunda opinião, o médico Paulo Galvão, dono do cãozinho, descobriu que a operação era desnecessária. (Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press)
 (Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press)

O veterinário Eduardo Rosas conta que atende em torno de 10% de tutores de cachorros que foram encaminhados de outras clínicas. “A conduta é a mesma da medicina humana, sempre manter a calma e procurar uma segunda opinião”, aconselha. É necessário averiguar cada caso: existem graus de acidentes motores que o procedimento de urgência é cirúrgico e rodar por clínicas atrás de um outro diagnóstico só atrasaria o tratamento.

Em outras situações, como no caso do câncer, quanto mais precoce for o diagnóstico maior a chance de cura. “Em toda profissão existem os bons e os maus profissionais, se o tutor do animal constatar que houve algum tipo de erro médico é preciso procurar o Conselho Regional de Medicina Veterinária e formalizar a denúncia”, explica o veterinário.

O médico Paulo Galvão tutor de Bento, um shih tzu de quatro anos, conta que no ano passado o cachorrinho teve uma inflamação no olho e, por indicação de um amigo, ele procurou um especialista em oftalmologia canina que indicou um colírio e falou da necessidade de uma cirurgia. “Na época o custo da cirurgia ia ser de R$ 2 mil, cheguei a fazer também os exames pré – operatórios”, conta Paulo.

Em busca de uma segunda opinião, o médico procurou outro especialista, dessa vez na Universidade Federal Rural de Pernambuco onde a consulta foi gratuita e o outro veterinário afirmou que não havia necessidade de cirurgia. “Ele passou dois colírios e pediu para Bento ficar em observação. O tratamento durou cerca de três semanas e hoje em dia ele não apresenta mais nenhum problema”, comemora. Da inflamação restou apenas uma pequena manchinha no olho. “Nunca mais procurei o outro veterinário”, disse.

A falta de informação é um fator importante nos casos de erro médico. Antigamente tratamentos a base de diclofenaco com ação antiinflamatória eram receitados para os cachorros e muitos chegavam aos consultórios já intoxicados. “O fato das pessoas serem leigas em vários assuntos dão margem a casos desse tipo, além de que para procurar uma segunda opinião muitos tutores não querem pagar outra consulta”, disse a profissional de medicina veterinária Rejane Lopes. “A questão da negligência ou apontar o erro de um colega é muito delicada, existe toda uma ética profissional”, explica a veterinária.

Questão judicial

Do ponto de vista legal, o veterinário tem responsabilidade civil em relação ao animal tratado. Além do prejuízo financeiro quando ocorrem casos desse tipo, também existe o transtorno mental pela perda do bichinho. O tutor do animal que foi vítima do descaso pode ter o direito a indenização na justiça e deve produzir alguma prova que seja suficiente para comprovar a culpa do veterinário, seja num caso de negligência ou imprudência na conduta do profissional.

Fonte: Diário de Pernambuco

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta para giovana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Assumir o tratamento prescrito por um segundo profissional não torna a primeira opinião um erro médico, existe uma série de patologias com tratamentos diferentes e mesmos resultados… na prática o rapaz ficou com o tratamento mais barato e não necessariamente o único correto! Incorreto é julgar o tratamento certo ou errado pelo preço ou o profissional melhor ou pior pq cobrou menos. Estou levando em consideração a informação passada na matéria, onde não há detalhes do caso clínico.

  2. Principalmente em casos mais graves, imprescindível uma segunda, terceira e quarta opiniões, mesmo que o primeiro veterinário consultado seja de confiança e tenha acertado diagnósticos anteriores. Ninguém é perfeito.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>