• Home
  • Câmara deve pedir intervenção da Polícia Federal no caso dos beagles

Câmara deve pedir intervenção da Polícia Federal no caso dos beagles

4 comments

A Câmara dos Deputados instala nesta terça-feira (22) uma comissão externa para apurar as denúncias de maus-tratos contra animais no Instituto Royal em São Roque, no interior de São Paulo. Segundo o deputado federal Delegado Protógenes (PCdoB-SP), que foi designado para acompanhar o caso e visitou o instituto no domingo, se houver recurso federal envolvido nas pesquisas, a comissão vai solicitar intervenção da Polícia Federal e do Ministério Público no caso.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

“Já mandei levantar a quantidade de recursos federais repassados à instituição, porque há uma placa da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) lá. Isso é grave. Deveria haver uma fiscalização maior do próprio órgão. Eu passei mal. Aquilo é um centro de tortura de cães. Me chocou pela cena e pela falta de assepsia. É um lugar insalubre, com cheiro de fezes e urina, vasilhas de alimentação com água verde”.

O advogado Daniel Antônio de Souza Silva, que defende o Instituto Royal, negou as acusações de possíveis atividades de crueldade com animais em testes de produtos farmacêuticos realizados pela empresa. Protógenes, que esteve no Instituto Royal no domingo de manhã, designado pelo presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), teve uma impressão distinta. Segundo o deputado, “aquilo dali tem de fechar”.

” O Henrique Alves ficou muito impressionado com meu relato e determinou de imediato a instalação de uma comissão externa. Vamos solicitar a interdição do local até que eles prestem contas. Há quanto tempo ele está funcionando? Quais remédios foram produzidos? Quais foram testados e aprovados para serem consumidos por seres humanos? Qual a quantidade de cães mortos? Quais as lesões que eles tiveram? Também é importante saber se essa é a única técnica de fazer testes de remédios”.

Protógenes diz que a primeira meta da comissão é esclarecer a situação do Instituto Royal, mas não descarta que surjam outros casos a partir da repercussão das denúncias sobre maus-tratos em São Roque. Segundo ele, quando finalizar os trabalhos, a comissão deve propor um marco regulatório para pesquisas com animais no País.

Fonte: O Documento

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. É inacreditavel que mesmo com todo avanço tecnologico, eles ainda precisem usar ANIMAIS como cobaias para fabricação de cosméticos e na questão famacêutica! Nos dias de hoje não podemos mais aceitar esse tipo de desculpa para justificar matança de animais! O Instituto Royal que faça experiências de outra forma, ou não tem capacidade para isso??

  2. ORA DATA MAXIMA VÊNIA, la não tinha higiene, como fica o Decreto n. 24.645/34, em seu art. 3º é letra morta ? se os animais tem direitos o que se espera, é CUMPRIR !!!

  3. Várias diretrizes na Europa foram firmadas com o propósito de abolir os testes com animais. Trata-se, portanto, de uma tendência mundial, onde a preocupação com o bem-estar dos animais de laboratório tem sido constante no meio acadêmico e científico. Na Europa muitas faculdades não utilizam mais animais, nem mesmo nas matérias práticas como técnica cirúrgica e cirurgia, oferecendo substitutivos em todos os setores.
    Já passou da hora de acabar com isso no Brasil.
    Pelo fim do Instituto Royal!
    Pelo fim da crueldade contra os animais no Brasil!

  4. Testar o que quer que seja em animais é o mesmo que contar uma piada para um cachorro e esperar que ele tenha a mesma reação que nós teriamos. Se o produto se destina a humanos deve ser testado em humanos desde o principio e não só na fase final.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>