• Home
  • Atriz e apresentadora podem responder por furto em caso de cães resgatados

Atriz e apresentadora podem responder por furto em caso de cães resgatados

2 comments

A apresentadora Luisa Mell e a atriz Nicole Puzzi poderão ser indiciadas por furto qualificado. As duas são protetoras de animais e estavam presentes quando ativistas invadiram o Instituto Royal e retiraram de lá 178 cães da raça Beagle, na noite da última quinta-feira (17), em São Roque, no interior de SP. O delegado Marcelo Sampaio Pontes pretende ouvi-las nos próximos dias. “O nome delas foi aventado porque elas são conhecidas. Então, serão chamadas e podem, sim, responder por furto qualificado, se for o caso” completa o delegado.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Luisa Mell se defende afirmando que não ficou com nenhum beagle. “Eu não invadi o canil. Eu realmente entrei junto com a polícia. As pessoas começaram a passar os cachorros, eu realmente peguei, pegaria de novo. […] Faria mil vezes, só de ver a transformação desses animais, só de ver o que representou para a proteção animal, para a sociedade como um todo.”

Nicole Puzzi também se defende e diz que não ficou com qualquer cão retirado do instituto. “Se for pelos cães, eu respondo pelo que ele [delegado] quiser, mas ele tem que indiciar todo mundo que estava lá. […] Se eu tiver que ir para a cadeia por furto qualificado, eu irei feliz, porque valeu a pena pelos beagles.”

Assim como Luisa Mell, a atriz diz que não participou da invasão, apenas da remoção dos animais. “Eu não tenho força para abrir um portão na porrada, para quebrar portas e janelas. Mas eu tive força para carregar os beagles sim. Eu passei de mão em mão.”

O delegado analisa as redes sociais e imagens registradas pela imprensa durante a retirada dos cães para identificar os ativistas que participaram da ação e chamá-los para prestar depoimento. Ele também quer ouvir o que eles sabem sobre os supostos maus-tratos sofridos pelos animais.

O motivo da invasão do Instituto Royal foi, segundo os ativistas, a ausência de explicações da empresa sobre testes farmacêuticos que eram realizados nos cães. A polícia ainda aguarda a lista de clientes do laboratório para saber se pesquisas de cosméticos também eram feitas.

A Polícia Civil investiga o furto dos animais e também as denúncias de ativistas de que eles eram submetidos a maus-tratos dentro do laboratório. O Instituto Royal nega as acusações e afirma que todos os estudos eram feitos amparados na legislação vigente.

Fonte: Correio do Estado 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. O Instituto Royal fala isso, mas tem informaçao que saiu um caminhao escondido de la cheio de beagles mutilados levados para tal de fazenda angolana, isso eles nao falam e nao mostram, a policia precisa investigar isso !!!!!

  2. O que eles falam não nos importa as imagens falam mais do que mil parlavras, vimos coisas aterrorizantes, dentes arrancados, cães sem os olhos, pelo raspado então pra que ficar mentindo não existem provas mais contundentes do que tudo que está na mídia.
    Me preocupa os muitos animais que lá continuaram Macaquinhos, coelhos, camundongos, porquinhos da india precisamos salvá-los também esse instituto precisa ser fechado e essa Ortiz devia ser presa.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>