• Home
  • Tutor processa companhia aérea após morte de cachorro durante voo

Tutor processa companhia aérea após morte de cachorro durante voo

3 comments

Foto: Divulgação Internet
Foto: Divulgação Internet

O Tribunal Comercial 2 em Palma, na Espanha, acolherá nesta terça-feira (15), um julgamento contra a Air Berlin, após a morte de um cachorro, que morreu de insolação, após operadores de voo terem deixado o animal na plataforma de estacionamento das aeronaves, no sol, por uma hora, no mês de julho.

O tutor, através da empresa Reclamador.es, observa que, chegando de Palma desde Sevilla, a companhia aérea escondeu o corpo morto do animal, até que os outros passageiros se foram, e depois  ofereceram a ele uma compensação bônus de 100 euros, para voar com a companhia aérea novamente.

A Reclamador.es, pede uma indemnização de 2.635 euros para o tutor do cachorro, um buldogue Inglês. Como se observa a partir desta entidade, a ansiedade dos passageiros começou no aeroporto uma hora antes do embarque, quando o operador que recolheu o animal se recusou a colocar uma bacia de água no interior do transporte, apesar das altas temperaturas, uma vez que, de acordo com o oficial, as regras proíbem.

No entanto, o viajante solicitou que a água fosse oferecida ao animal. “Das janelas dos portões de embarque olhei para outro avião que transportava animais, que estavam nos carros com um teto de lona para não ficarem no sol, e não levou mais de dez minutos para embarcá-los”, disse Francisco Javier Ramos, o tutor do cachorro, em comunicado.

Segundo recorda, em pouco tempo podia ver que seu cachorro, em comparação com os primeiros tinha sido colocado numa espécie de elevador com cabine de vidro para o operador e uma plataforma em que a transportadora estava em pleno sol, sem sombra, sem nada para lhe proteger.

Já em Palma, diz a nota, o passageiro esperou na fita transportadora sem que seu cachorro aparecesse. Foi depois de 15 minutos de espera, e sem nenhuma explicação sobre o que aconteceu, que ele foi levado para outro local mais distante do aeroporto, onde, depois de exigir repetidamente para ver seu cachorro, eles responderam que “era possível que seu cachorro precisasse de cuidados veterinários, porque estava deitado dentro da transportadora e não se movia”.

“Finalmente depois de pedir desesperado para trazê-lo, o mais rápido possível, para proporcionar urgente os cuidados veterinários, apresentaram-me o cadáver de Nano”, diz.

 A empresa responsável por representar o tutor do cachorro no tribunal afirma que a responsabilidade das companhias aéreas por danos aos animais hoje é o mesmo que os pressupostos de transporte normal de bagagem, ou seja, 1.300 €. Neste caso, a empresa que defende os direitos dos passageiros de companhias aéreas exige um montante superior ao limite legal, pois a perda de um animal não pode ser comparada ao extravio de uma bagagem, por exemplo.

“Consideramos que as companhias aéreas devem garantir condições favoráveis para o transporte de animais”, diz Pablo Rabanal, CEO de Reclamador.es, referindo-se a declarações de Francisco Javier. “O cachorro foi tratado como um objeto,  um saco, ao invés do um ser vivo que era”, disse.

Fonte: El Mundo

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. não confio em empresas aéreas, pois ja vi e li, que muitas não são confiaveis, e deixam o bichinho a própria sorte, é preferível comprar uma passagem a mais e o animalzinho ir do nosso lado; eles merecem mesmo este processo para aprenderem a respeitar os animais e seus donos….

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>