• Home
  • Animais não humanos sentem a perda e cumprem luto?

Animais não humanos sentem a perda e cumprem luto?

0 comments

Por Patricia Tai (da Redação)

Para os humanos que questionam se os animais não humanos entendem o que aconteceu e se ficam tristes quando outro animal morre, fotos como esta dispensam argumentos.

O gato Kooky e o cão Gracie nunca haviam dormido juntos antes, mas o fizeram quando sua companheira, a cachorra Mauja, teve de ser eutanasiada.

Kanadka, usuário do Reddit, postou a foto dos dois animais aparentemente passando pelo luto juntos. As informações são do Daily Mail.

Kooky e Gracie: Animais entram em luto quando outros morrem? Esta imagem diz tudo. (Foto: Reddit)
Kooky e Gracie: Animais entram em luto quando outros morrem? Esta imagem diz tudo. (Foto: Reddit)
A cachorra Mauja: Sua perda foi mais sentida que seus tutores poderiam supor. (Foto: Reddit)
A cachorra Mauja: Sua perda foi mais sentida que seus tutores poderiam supor. (Foto: Reddit)

O post dizia: “Eu tive que eutanasiar Mauja no último sábado. Não pensei que os outros animais sentiriam a sua falta, e então isso aconteceu. Kooky e Gracie nunca haviam dormido juntos, mas lá estavam na última noite, dormindo na cama de Mauja”. A foto foi visualizada mais de 75 mil vezes.

O usuário seeshatyadidthere comentou: “Meu cão e meu gato cresceram juntos e recentemente o cão morreu. O gato, que estava perfeitamente saudável, morreu duas semanas depois. Animais criam elos mais fortes do que as pessoas possam imaginar”.

Há muitas histórias de animais domésticos leais que entraram em luto por entes queridos humanos e não humanos, ou que se recusavam a deixar o túmulo de seus tutores.

Algumas pessoas perguntam se há realmente tristeza nos animais ou se nós estamos apenas impondo emoções humanas a eles.

Julgando por esta foto e também por uma infinidade de casos famosos nos quais os animais permaneceram fiéis aos tutores ou companheiros por muito tempo após a perda física, percebe-se que o luto dos animais é real.

Recentemente, a Anda publicou a história e o tocante vídeo da cachorra Bella, que se recusava a sair de perto do castor Beavis após o seu falecimento. Ela choramingava, enquanto custava a compreender que seu amigo havia morrido.

A cachorra Bella, que ficou ao lado do corpo de seu amigo, o castor Beavis, por muito tempo após ele ter falecido. (Foto: Reprodução/ YouTube)
A cachorra Bella, que ficou ao lado do corpo de seu amigo, o castor Beavis, por muito tempo após ele ter falecido. (Foto: Reprodução/ YouTube)

Houve também o caso do cão Husky Siberiano Wiley, que era tão ligado à sua tutora que apareceu chorando sobre seu túmulo, e notadamente com expressão muito triste.

O adorável cão deitou sobre a lápide e demonstrava estar perturbado com a perda, tremendo e soluçando. A família estava sensibilizada, ao seu redor.

Devastado: o cão Wiley ficou inconsolável e não conseguia sair da lápide da tutora. (Foto: YouTube)
Devastado: o cão Wiley ficou inconsolável e não conseguia sair da lápide da tutora. (Foto: YouTube)

Em 2011, um cão chinês ficou famoso por permanecer junto ao local onde havia sido sepultado o seu tutor, mesmo sem alimento por mais de uma semana.

O leal cão simplesmente parecia não poder suportar ficar longe de seu tutor e amigo.

O tutor vivia sozinho em uma pequena casa na vila de Panjiatun, na China, e tinha apenas o cão como companhia.

A história foi citada em matéria da Anda em 2012, onde um vídeo da BBC Brasil comenta o caso.

Amigo leal: este cão chinês ficou uma semana sem se alimentar e ao lado da sepultura de seu tutor. (Foto: YouTube)
Amigo leal: este cão chinês ficou uma semana sem se alimentar e ao lado da sepultura de seu tutor. (Foto: YouTube)

Animais não humanos realmente sentem a perda e cumprem luto?

Quando um cão morre, tutores frequentemente notam algumas mudanças nos outros animais domésticos que conviviam com ele.

Eles podem se tornar apáticos ou letárgicos. Alguns param de comer ou passam a pedir mais afeto dos tutores.

Baseando-se nestes sinais, parece que eles realmente sofrem quando um companheiro morre.

Os animais domésticos não podem se expressar na linguagem humana, e nós realmente nunca sabemos o que se passa com eles, seus pensamentos ou sentimentos.

Para comprovar essas impressões, a Sociedade Americana para Prevenção da Crueldade aos Animais (SPCA) conduziu uma pesquisa a respeito, em 1996, chamada Companion Animal Mourning Project (Projeto de Estudo do Luto em Animais de Companhia).

O estudo, que foi realizado com cães, descobriu que 36% dos animais comiam menos que o habitual após a morte de um animal companheiro.

Aproximadamente 11% pararam completamente de se alimentar.

Outros 63% vocalizaram mais que o normal, ou se tornaram mais quietos.

Respondentes do estudo indicaram que os cães que sobreviviam à perda de outros mudavam a quantidade de horas de sono e o local onde dormiam.

Mais da metade desses animais tornaram-se mais afetuosos e apegados aos seus tutores.

De maneira geral, o estudo revelou que 66% dos cães demonstraram no mínimo quatro mudanças comportamentais após perderem um animal de companhia.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Q HISTORIAS MAIS TRISTES…LEMBREI DO MEU GATINHO SIAMES,NICKY,Q FOI MEU AMIGO FIEL POR 13ANOS,E O QUANTO EU SOFRI,E CHOREI POR ELE,MUITAS VEZES ESCONDIDA,POIS NINGUEM COMPREENDIA O FATO DE EU CONTINUAR CHORANDO POR UM GATO.MAS SO EU Q SEI O QUANTO Q ME DOEU.ELE SE FOI EM JANEIRO DE 2006,E ATE HOJE,NAO ME ESQUECI DELE.

  2. Quando meu cãozinho mais velhinho morreu meus dois outros (sempre alegres e barulhentos, principalmente ao chegar visitas), não saíram de suas caminhas por 2 dias nem mesmo para comer ou fazer suas necessidades. Mesmo antes, durante seu tratamento eles já demonstravam tristeza e apatia. Foi uma perda inconsolável para todos nós!

  3. Eu tinha duas cockers mãe e filha, qnd a mãe wendy ficou mto doente(câncer), e faleceu em agosto 2013, a Julie filha , foi ficando diferente, ela ficou triste n
    ao queria comer muito,vivia esperando a wendy voltar, qnd foi em outubro levei julie no vet e ela tinha ficado doente, lutei por ela até agora 17/01/2014 onde ela tbm faleceu, ela preferiu ir com a mãezinha dela, agora eu e minha familia estamos mto tristes com a falta das 2…

  4. Tinha um casal de cachoros , Pituxa com 15anos faleceu dia 01 de dezembro 2013 , o bingo seu compaheiro começou a comer as paredes a rasgar as coisas e acabou falecendo exaramente 60 dias despois dia 31 janeiro de 2014 . Os dois foram compaheiros por 12 anos , do Bingo não sei a idade exata pois foi recolhido da rua e o veterinario na epoca estimou entre 02 ou 03 anos . Muito obrigado.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>