• Home
  • Transporte aéreo coloca animais em risco

Transporte aéreo coloca animais em risco

0 comments

Por Renata Takahashi (da Redação)

Independente da companhia aérea, devemos evitar ao máximo transportar animais pelas cargas dos aviões. Fazer isso coloca o animal em situação de grande risco. É muito perigoso para sua saúde. Ele pode acabar perdido, traumatizado e na pior das hipóteses, até morto.

Gato Freddy

Cintia e o gato Freddy, que escapou da gaiola e ficou perdido por 3 horas após voo. (Foto: Reprodução)

Na última sexta-feira, um gato ficou perdido por 3 horas após um vôo dos Estados Unidos ao Brasil. O caso foi narrado essa semana em uma postagem na Funpage Backpackers Adventure, da tutora Cintia Cavalcanti da Costa.

Segundo o texto, depois de uma viagem (vôo 963, de Dallas a São Paulo) feita pela companhia American Airlines, Cintia recebeu a gaiola que deveria conter seu gato de estimação Freddy, sem o animal. Questionados sobre o paradeiro do gato, os funcionários do aeroporto de Guarulhos (SP) não conseguiram explicar porque a gaiola contendo o adesivo dizendo “Live Animal” foi entregue vazia.

A American Airlines não foi encontrada no aeroporto para fornecer informações sobre o gato. Cintia pediu insistentemente para voltar à aeronave para procurar seu gato, mas teve o pedido negado. Até a Polícia Federal (PF) foi acionada.

Três horas depois da chegada do avião, Freddy foi encontrado solto e assustado dentro da aeronave onde havia sido transportado. Por sorte estava vivo. Fora da gaiola, ele poderia ter sido esmagado pelas pesadas bagagens que se movem com o avião em movimento, ou ter sido congelado pelas baixas temperaturas durante o vôo. De acordo com o texto postado segunda-feira no Facebook, a Airlines ainda não havia se manifestado sobre o assunto.

O gato Freddy foi resgatado das ruas do Texas e adotado pela tutora em 2011. Ninguém sabe como ele escapou da gaiola, que estava de acordo com o regulamento da Polícia Federal para viagens em aeronaves. “Talvez maiores cuidados deveriam ser tomados pela American Airlines para que todas as gaiolas sejam propriamente lacradas antes dos vôos, de forma a impedir que os animais escapem da mesma, já que o comportamento deles diante situações de perigo pode ser sempre uma surpresa”, lê-se ao final da postagem.

Em fevereiro, outro caso parecido. O cachorro Lion, da raça Dachshund, desapareceu durante um voo da TAM em conexão em Brasília. Sua gaiola também foi encontrada aberta, sem o animal. O primeiro caso de desaparecimento de um cão durante um embarque foi publicado em primeira mão pela ANDA e repercutiu em toda a imprensa brasileira. Pinpoo, que iria embarcar num voo da Gol,  foi encontrado 14 dias depois do seu desaparecimento.

Viagem de risco

Há uma série de procedimentos para embarcar com os animais em aviões. Mas temos visto que elas não garantem a segurança real dos bichinhos. As regras e taxas variam de acordo com a companhia aérea. Dependendo do tamanho, o animal viaja no porão da aeronave ou com os passageiros. Segundo reportagem da Rede Globo, entre os documentos obrigatórios estão atestado de sanidade e condições físicas assinado por veterinário, além da carteira de vacinação atualizada.

Existem restrições ao embarque de animais que demonstrem reações forte, de filhotes em geral e de felinos de raças braquicéfalas (focinho curto) como persa, burmês, exótico e himalaio e caninos de raças braquicéfalas como buldogue americano, boston terrier, boxer, griffin de Bruxelas, pug chinês, chow chow, pug holandês, pug, pequinês, buldogue inglês, cavalier king charles spaniel, buldogue francês, dogue de bordeaux , lhasa apso e shih tzu. O transporte deste tipo de animais, quando permitido, está condicionado a algumas condições específicas, a serem verificadas com a companhia.

Mesmo com as normas, são muitos casos de animais perdidos e traumatizados. A vítima, que fora o stress da viagem está passiva de acabar perdida ou até morta, é o animal. Assim, é preciso avaliar a real necessidade do deslocamento antes de submetê-lo a uma viagem de avião.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Fico feliz por tudo ter acabado bem!
    Freddy foi adotado em outro país, teve a possibilidade de uma longa vida com quem se dispôs a cuidar dele, não foi abandonado na hora da mudança…
    Nenhuma Cia Aérea tem o direito de mudar esta história, de interromper este convívio.
    Estas 3 horas devem ter sido as piores da vida dele.
    Desejo que Freddy e Cíntia nunca mais se separem!

  2. Tudo é errado. o descaso com que os animais são colocados nos porões, não respeitando a distância entre eles e as bagagens (circulação de ar); os donos têm q brigar para verem seus animais qd há atraso no voo ou perda de conexão, e o que mais vejo, as caixas de transpote de tamanho minúsculo que não respeita a regra básica de que o animal deve ter espaço suficiente para ficar em pé (nas 4 patas) e dar a volta em seu corpo. Economia porca do dono que quer economizar no tamanho e no peso da caixa e nota zero para a cia aérea que permite q o animal viaje nessas condições.

  3. Agradeço ao ANDA por ter atendido ao meu pedido e publicado essa história. Graças à Deus tudo acabou bem mas a minha amiga Cintia passou por um stress muito grande. Quanto ao transporte no bagageiro ou dentro do avião, acho que seria interessante uma reportagem sobre isso. Eu, particularmente, não sei quais são as regras para se transportar um animal dentro do avião, junto com o passageiro ou quando, eles tem que ser transportados no bagageiro.
    A Cintia teve que se mudar para os EUA e não exitou em nenhum momento, em deixar os seus gatos no Brasil. Levou-os para morar com ela e seu marido. Na época, eram 3 gatos. Agora, de volta ao Brasil, trouxe além dos 3 brasileirinhos, um gatinho americano, o Freddy, que perambulava pela sua casa e que ela o adotou. Nessa história, o que mais me indignou, foi o pouco caso da companhia aérea. Eles deveriam ter agido assim que foram notificados pela falta do animal!

  4. Agradeço a ANDA por me ajudar a divulgar o que aconteceu com meu gatinho Freddy. Quando o adotei, prometi a ele e a mim mesma que cuidaria dele sempre e que ele nunca passaria pelo abandono novamente.
    A viagem poderia ter sido tranquila se a American Airlines não tivesse perdido o meu gatinho durante o vôo. Ele correu riscos por irresponsabilidade da empresa. Eu viajava no mesmo vôo e tinha providenciado toda a documentação necessária e conforto para que ele ficasse bem. Meu marido e eu perguntamos inúmeras vezes ao piloto como estava a temperatura, se havia riscos, se tinha como saber se tudo estava bem. Eles me garatiram que havia diversos procedimentos e que ele chegaria bem. Era isso que eu esperava de uma empresa que exige documentação mais do que necessária, e cobra caro pelo transporte. Mas não foi isso que aconteceu. Foi um milagre Freddy ter sobrevivido fora do lugar apropriado.
    Eu acredito que o problema não está em evitar o transporte porque o animal corre risco, mas sim eliminar estes riscos, já que o avião é preparado para o transporte de animais, os empregados das companias aereas e do aeroporto deveriam estar melhor preparados para que eles viajassem com segurança e fossem entregues de volta para seus donos com segurança e responsabilidade.
    A irresponsabilidade causou o risco, não o transporte.
    Carin, Lu, vocês são pessoas maravilhosas e entendem o que é realmente adotar e amar um animal.

  5. ANDA está equivocada quando diz que colocamos os animais em risco quando viajamos com eles. O risco vem da irresposabilidade da cia aerea e não pelo vôo em si. Stress sim, risco: não deveria ter, já que os animais viajam em compartimento separada e supostamente aclimatizado. Os riscos são causados quando há irreponsabilidade das empresas aéreas.
    Riscos os animais tem até ao atravessar as ruas…

  6. De fato! É muito estressante para o animal viajar no bagageiro, sozinho, em lugar estranho, frio e impróprio.

    Infelizmente não existe nada melhor para animais acima de 5kg.

    Levar animal em viagem,;só em último caso! Se a viagem tiver volta, for a trabalho por um tempo, ou lazer, considere a hipótese de contratar uma Pet Sitter que irá cuidar do seu pet com todo amor, carinho, no conforto do seu lar e sem stress. 😉

    http://www.facebook.com/dindadepet

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>