• Home
  • Galinha presa com barbante vira caso de polícia em Maringá (PR)

Galinha presa com barbante vira caso de polícia em Maringá (PR)

2 comments

Um caso inusitado envolvendo acusações de maus-tratos contra animais foi denunciado nesta semana na 9ª Subdivisão Policial (SDP) de Maringá. De acordo com a polícia, uma representante da ONG Olha o Cão compareceu à delegacia no último dia 12, para denunciar um homem de 61 anos que estaria maltratando animais que mantém em sua residência – entre eles, um galináceo mantido em cárcere privado, amarrado pelos pés com um barbante.

A representante da ONG disse à polícia que o idoso deixa um galo amarrado o dia inteiro com um barbante de cerca de 20 cm, em uma casa na Zona 7. Além disso, no local há uma criação de coelhos – também mantidos em cativeiro – e quatro cães. Um dos cachorros estaria sofrendo com “bicheiras”, que já teriam atacado até os órgãos genitais do animal.

Outro lado

Nesta quarta-feira (14), o idoso compareceu à delegacia para dar sua versão do caso. Segundo ele, não é um galo que está amarrado no quintal, mas uma galinha de granja.

“O nome dela é ‘Branquinha’ e ela é muito sabidinha e amorosa”, disse o idoso em seu depoimento. “Ela fica presa só uma parte do dia. Quando eu volto para casa, solto a ‘Branquinha’ e ela me segue pela casa toda”, explicou. Na hora de dormir, o galináceo é novamente amarrado na casinha, para que não fuja ou se torne vítima de predadores.

O acusado confirmou que possui também um casal de coelhos. “Eles ficam numa caixa grande”, garantiu. Disse possuir também três cães, sendo um deles uma cadela da raça Pit Bull. “Um dos cachorros nasceu com um defeito no pênis, mas o tratamento custa muito caro e eu não tenho dinheiro”, justificou o idoso, negando que o animal tenha “bicheiras”.

O idoso disse que não é verídica a informação de que maltrata os animais, mas se comprometeu a cuidar melhor deles.

A polícia, com base nas fotos dos animais tiradas pela ONG, investiga o caso, que deve seguir para o juizado especial criminal para decidir se há crime ou não.

Fonte: O Diário

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Já vi muita gente simples ser acusada de maus tratos. Protetores: vamos diminuir o julgamento e investigar melhor os casos que chegam aos nossos ouvidos. Sei que quando sabemos de casos de maus tratos dá um ódio louco, mas temos que buscar informações e aí sim cobrar atitudes. De repente é uma pessoa simples, amorosa mas que não tem dinheiro para cuidar das doenças dos animaizinhos, é muito melhor ajudar com ração, veterinário, do que deixar esses animais no CCZ. Existe vínculo afetivo também.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>