• Home
  • Casal argentino desiste de voar da Itália para Argentina para poupar cão de estresse

Casal argentino desiste de voar da Itália para Argentina para poupar cão de estresse

3 comments

Monica e Marcelo improvisaram abrigo no aeroporto de Fortaleza. (Foto: Kid Júnior/Agência Diário)

Um casal de argentinos permaneceu “acampado” da última sexta-feira (2) até esta madrugada no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. Berta Monica Denis e Marcelo Soccoccio disseram estar sem dinheiro para voltar para o país de origem e o cartão de crédito deles não era aceito no Brasil. Eles moravam na Itália há 13 anos e resolveram voltar para a Argentina, mas optaram por não fazer o voo direto, por causa do cachorro que acompanha o casal, Nalruel. Depois da ajuda de um amigo, eles conseguiram embarcar às 3h20 para Buenos Aires, com conexão em Guarulhos (SP).

No Brasil, a ideia do casal era ir de Fortaleza para Buenos Aires de trem ou de ônibus. “Foi um choque quando chegamos aqui e vimos que não conseguiríamos ir para casa porque não existe a mesma estrutura de transporte que há na Europa (de trêm e ônibus, em que se vai de um país a outro por terra)”. De acordo com Monica, além da carência de transporte terrestre, como o trem, a passagem aérea é muito cara. “O dobro do que gastamos lá (na Europa)”, reclamou.

Na tarde desta terça-feira (6), apenas Monica permanecia no aeroporto, pois Marcelo havia saído em busca de um contato com um amigo da Argentina, que prometeu comprar a passagem no cartão de crédito. De acordo com Monica, o amigo ia ajudar os dois a comprar um bilhete para São Paulo e depois, para Buenos Aires.

Sem conforto

Monica e Marcelo improvisam uma esteira de borracha na calçada do aeroporto. Por cinco dias, o alimento dos dois foi lanches, como biscoitos, e água, comprados com ajudas e com o que sobrou do dinheiro que trouxeram. “A gente já não compra comida no aeroporto, porque é muito caro. Nós compramos nos mercados aqui perto”. Na bagagem, alguns pertences pessoais e um cachorro, o motivo de todo o impasse.

“Só perguntaram porque estávamos aqui, mas não foi feito nada para nos ajudar”, disse Monica, quando questionada se eles haviam pedido intervenção da embaixada da Argentina. A Infraero disse que o órgão não vai se manifestar sobre o caso, mas que não poderia haver restrição porque o aeroporto é uma área pública.

Tentativa de voltar há dois anos

Morando há 13 anos na Itália, Monica e Marcelo decidiram voltar para a Argentina há dois anos, após um período sem emprego fixo. Ela não quis dar detalhes do trabalho do companheiro, mas disse que é assistente social por formação e chegou a trabalhar cuidando de crianças e idosos na Europa. Ainda na Itália, ela disse ter pedido ajuda ao consulado da Argentina no país, mas alega não ter tido retorno. “Não há nenhum representante da Argentina em Fortaleza, assim como fomos abandonada na Itália”, disse.

Então, com a ajuda dos amigos, fizeram uma “vaquinha” para arrecadar dinheiro para seguir da Itália para a Argentina. Por conta do cachorro, tentaram voltar de navio, mas não é permitido animais a bordo. Daí, decidiram pegar um voo de Lisboa para Fortaleza, o menor percurso entre os dois continentes. Dessa forma, reduziram o tempo de viagem, de cerca de 15 horas, para sete horas. “Seria muito sacrificante para o nosso cachorro passar tanto tempo na bagagem, sem oxigênio direito. Ele poderia ficar estressado, até morrer”, disse.

Fonte: G1

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta para Marisa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. é mesmo estressante para os caes viajarem no porao do aviao, se nao estiver bem pressurizado, além da altitude tem o ar condicionado que pode afetar a saude do cao o que aconteceu num voo que tive do Rio de Janeiro para Lisboa com a TAP que esqueceram de pressurizar onde ia o animal e deu edema pulmonar.
    Foi um ato muito nobre o de voces fazerem a viagem mais curta possível para o beneficio do seu cao. Eu moro à 12 anos na Espanha e também quero voltar pro Brasil com os meus bixinhos mas para nao faze-los sofrer ficamos por aqui mesmo.
    Espero que contatem com alguma alma caritativa que possa ayuda-los nessa longa viagem. O importante é que estao juntos.
    Quem sabe o destino nao os levou a dar uma paradinha por ahí mesmo?

  2. Será possível que nos dias de hoje e com internet esse casal não pesquisou a viagem e meios de transporte no Brasil? É muita inocência embarcarem nessa ainda mais sem meios financeiros!

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>