• Home
  • Protetores se unem para reduzir abandono em Porto Alegre

Protetores se unem para reduzir abandono em Porto Alegre

10 comments

Sara dedica boa parte de seu tempo para cuidar dos animais (Foto: Arquivo pessoal)

Basta caminhar pelas ruas de Porto Alegre para perceber um dos problemas da cidade: os animais abandonados. São pelo menos 500 mil. De acordo com estimativa da Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda) e ONGs, para cada três moradores da capital gaúcha, há um cão ou gato sem lar. Para reduzir esses números, amantes dos bichos se unem e criam diversos abrigos independentes.

O G1 conversou com três grupos de protetoras. Duas abrigam animais abandonados em seus sítios, próximos a Porto Alegre. Juntas, elas somam, entre cachorros, gatos e até um cavalo, 638 animais. “Já chegou ao limite. Por falta de espaço, tenho cerca de 20 cães em casas de passagem”, explica Paula Lopes, do Projeto Adoradores de Vira-Latas.

Na ânsia de ajudar, algumas chegam a se endividar. É o caso de Sara Vieira, da ONG Anjos de Patas. Até o início de dezembro, ela acumulava uma dívida de R$ 12 mil na distribuidora de ração. “Levo R$ 3 mil, e compro mais. Faz uns seis meses que não consigo baixar. Já vendi meu carro para comprar o sítio que tenho e que é a casa deles”, conta a protetora, que trabalha em uma empresa de gesso. Apesar das dificuldades, ela dá um jeito de seguir com o projeto: “Jamais tiraria dinheiro dos ‘cuscos’, muito ao contrário, parte do meu eu dou a eles”, completa.

Táxi-dog e hospedagem para garantir ração aos cães

A ajuda que vem de fora é sempre bem-vinda. As protetoras se mantêm com o apoio de pessoas que também lutam pela causa. Recebem doações de ração e até de dinheiro. Outra forma de arrecadação é a organização de brechós e feiras para venda de artigos para animais.

Diferente de Sara, que tem um trabalho paralelo, Paula se dedica integralmente à proteção dos animais. Para amenizar as dificuldades, além das vendas que também promove nas feirinhas, ela criou outros meios para se manter, como o táxi-dog. “Não tenho como ter outro trabalho. Para ter uma renda extra faço hospedagem e táxi-dog, um serviço para quem precisa transportar algum animal machucado que é encontrado nas ruas, por exemplo, e não tem como levá-lo a alguma clínica”, conta.

Paula recebe doações para manter o sítio (Foto: Arquivo pessoal)

O trabalho da Seda

Pelo lado da Prefeitura, a Seda encaminha para atendimento cerca de 70 animais por semana a uma clínica veterinária licitada, localizada na Zona Norte da cidade. Um veículo doado pela Associação de Transportadores de Passageiros (ATP) visita comunidades de Porto Alegre e recolhe os bichinhos. “O ônibus tem capacidade para 31 cães e gatos. Funciona com pré-agendamento. Nas segundas e quartas recolhemos, e terças e quintas devolvemos os animais”, explica a coordenadora da área de medicina veterinária da secretaria, Márcia Gemerasca.

Ônibus da Prefeitura transporta animais para cuidados especiais (Foto: Guerreiro/Divulgação PMPA)

É no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) que os animais sem lar são abrigados. Estão no local 60 cães e 12 gatos que foram abandonados. Assim como muitos outros, eles esperam por adoção. “Não podemos virar um depósito de animais. Eles recuperam-se e voltam aos seus tutores e lares, ou para quem os resgatou. Se não puderem ficar com o animal, eles permanecem aqui, mas sempre procuramos o encaminhamento”, diz Gemerasca.

Para evitar o aumento de animais nas ruas, a Seda investe na castração e na identificação por microchip. Quando um cão ou um gato é adotado, seus dados ficam gravados na internet. Se ele se perder ou for abandonado, é possível fazer a localização. O procedimento também é adotado por clínicas veterinárias.

Internet como aliada

É por meio das redes sociais que as protetoras encontram o principal canal de divulgação da causa e, consequentemente, conseguem mais ajuda. Fotos e informações enviadas por qualquer pessoa que tenha algum animal para adoção, por exemplo, são publicadas nas páginas de blogs e Facebook.

“Só posso agradecer pela ajuda na internet, além de sempre conseguir bons adotantes, todos os dias aparecem pessoas querendo doar R$ 10, doar ração… Tudo ajuda muito”, diz Sara.

A internet também é a melhor amiga de pessoas que se uniram para ajudar a encontrar lares para animais abandonados. É o caso de três amigas que fundaram o projeto Animal é tri!, em Porto Alegre. Ao contrário de Paula e Sara, elas não têm um sítio para abrigo e adoção, por isso mantêm cães e gatos nas próprias casas, em protetoras ou em casas de passagem, que cobram cerca de R$ 120 por mês por animal.

“Hoje temos mais de 20 esperando adoção”, conta Tathiana Jaeger, que é professora estadual e dá aula de artes visuais em duas escolas. Além dela, Cláudia Cantagalo e Marcela Mourão estão no projeto. “Pela nossa página já conseguimos muitas coisas, a internet forma uma corrente do bem muito grande”, acrescenta.

Em um ano de trabalho, o Animal é tri! contabiliza 40 adoções. A página do projeto no Facebook também divulga casos de outras protetoras. Por isso, recebeu o nome de Mural dos Bichos RS. Em quatro meses no ar, já soma mais de 2.700 fãs. Em breve, as amigas pretendem fazer do projeto uma ONG.

Fonte: G1

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta para sara vieira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Somente a uniao e o trabalho serio de pessoas dedicadas, mudarao o retrato do abandono nas cidades, e somente a educacao das pessoas mudarao o futuro dos nossos animais domesticos ou nao, a castracao e urgente e precisa ser facilitada.

  2. Muito bacana a iniciativa delas e o andamento de seus projetos mesmo abrindo mão de tanta coisa… Se mais gente seguisse esse exemplo abrigando e cuidando de 1 ou 2 animaizinhos (que seja) até a adoção, já faria uma diferença bruta!

  3. Pouco me importa se é o G1… Vigaristas são vigaristas e protetoras são protetoras… Ainda ficam fazendo campanha pra esse tipo de gente ganhar mais doações e encher mais ainda o bolso de $$$. Informem-se melhor a respeito da proteção animal pra não cair em furada e acabar dando $$$ pra quem não respeita os animais, apenas finge que sim!!!

  4. Renata , vc esta amarga ou muito me engano ? olha conheço o trabalho da paula , conheço mais ainda o meu , pois faço proteção aos animais a mais de 10 anos , tambem conheço o onibus da Seda , pois vou toda a semana na mesma clinica onde eles levam muitos animais de Porto Alegre , entaum não estou entendo do vc esta falando , ou vc esta falando de si mesma , ou não conhece nenhum desses 3 trabalhos ….

  5. Mas deixo aqui minha mensagem para não colocar o q essa pessoa deixa em duvida aqui , todos esses trabalhos são serios e precisam de ajuda , hoje eu cuido de 400 cachorro , todos q sairam das ruas de Porto Alegre , Viamão e região metropolitana , a Paula tem hoje mais de 200 cachorros , e Seda faz esse trabalho fantastico q é castrar , pois nada vai acabar com abrigos senão a castração , mas envés de ficarem em duvida se nosso trabalho é serio ou não , pois a Renata esta colocando esses trabalhos como vigaristas , sugiro aos amigos , conheçam esses trabalhos e verao a seriedade de cada 1 dos 3 trabalhos ….fica dica coneheçam e vejam a oportunidade de centenas de animais tiveram atraves desses trabalhos …..

  6. Deixo tambem uma dica para vc Renata , conheça , pois falar de quem vc não conhece pode prejudicar vidas q precisam de ajuda !

  7. Querida Sara Vieira, tem gente que além de não ajudar ainda atrapalha!!!!!!! Falar do que não se conhece é pura ignorância!!!!! Se não tem alguma coisa boa para falar, deve ser porque não tem nada ra fazer, então, enfia essa lingua imunda em qualquer lugar e fica de boca calada Sra.Renata!!!! Quero também te dar uma dica Sra. Renata! Ser protetora de animais é uma dadiva de DEUS o
    que infelizmente vc ainda não teve a oportunidade de experimentar!!!!!

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>