• Home
  • Mal silencioso e sem cura, aids de gato pode matar

Mal silencioso e sem cura, aids de gato pode matar

6 comments

Um dos primeiros sintomas da aids felina é a reclusão, além de febre persistente, pelo ouriçado e diarreia. Foto: Think Stock

Nesta quinta-feira (1º), o mundo todo  volta suas atenções para a luta contra a aids. Mas o que muita gente não sabe é que uma doença muito similar à síndrome da imunodeficiência adquirida (tradução para o português da sigla aids) tem contaminado milhões de gatos domésticos – além de outros felinos, como o leão e a onça.

A aids felina, como é conhecido esse mal, também não tem cura. No Brasil, não há vacina preventiva (nos Estados Unidos, experimentos já estão bastante avançados). E o que é mais grave: os sintomas não costumam ser percebidos antes que seja tarde demais. Segundo o professor de medicina veterinária Fabrício Lorenzini, da Universidade Anhembi Morumbi, a FIV (sigla pela qual a doença é conhecida entre os especialistas) está entre as mais comuns causadas por vírus.

– Assim como a leucemia, que em gatos também é causada por vírus, é o mal que mais acomete esses animais no país. Na verdade, trata-se de um retrovírus, que age de forma parecida com o HIV no organismo, afetando as células de defesa do sistema imunológico. Por isso, o paciente fica mais propenso a infecções, como pneumonia.

O contágio só ocorre entre animais da mesma espécie (por isso, um gato não pode transmitir a pessoas, nem a cães). Em geral, durante um contato bem próximo, explica o veterinário Laurence Galen, especialista em gatos do hospital Pet Care, em São Paulo.

– A aids felina é transmitida principalmente por mordidas em coitos ou brigas entre gatos. Animais que têm acesso à rua estão mais propensos a se infectar, principalmente machos que costumam brigar pelo território ou indivíduos não castrados em busca de fêmeas para procriação. Gatas infectadas durante a gestação podem transmitir aos fetos ou pela amamentação aos filhotes, embora não seja frequente. Outra possibilidade já comprovada é o contato próximo entre gatos por longo tempo, mesmo que pacificamente.

Lorenzini avisa que os sintomas são bem parecidos com os da maioria das doenças que acometem gatos. Por isso, em geral, passam despercebidos.

– No geral, o animais para de comer, se esconde, fica com o pelo ouriçado e com febre persistente. Instintivamente, quando está doente, não importa qual é a enfermidade, o felino fica mais recluso para se proteger.

A doença, continua Galen, possui três estágios.

– No primeiro, o animal também pode vômito, diarreia e aumento dos linfonodos (gânglios). Essa fase pode durar de dias a semanas. O segundo estágio pode levar de seis a dez anos e não tem sintoma algum. No último estágio, o animal começa a apresentar perda de peso, diarreia persistente, doenças respiratórias, ocular, renal e de pele, gengivite, infecções oportunistas e até neoplasias, como linfoma e leucemia.

A dica dos dois especialistas é levar o gato regularmente ao veterinário para que possa ser feito o exame diagnóstico. O mesmo cuidado vale com felinos que forem adotados da rua e que terão contato com outros gatos em casa, lembra Galen.

– O teste é bem simples, feito a partir de uma pequena amostra de sangue, em animais acima de seis meses de idade, para detectar a existência ou não de anticorpos contra o vírus.

Já o tratamento, segundo o professor da Anhembi Morumbi, é muito diferente do dado às pessoas soropositivas.

– O certo também seria fazer o uso do coquetel de remédios usado nos pacientes humanos. Porém, os veterinários, pela legislação brasileira, não têm acesso ao coquetel. Por isso, usamos uma medicação que tem, como função, melhorar o sistema imunológico.

Infelizmente, esses medicamentos, concordam os veterinários, não surtem grande efeito.

Fonte: R7

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. É uma doença horrível :/ Diminui muito a expectativa de vida dos gatos. E o teste para descobrir é bem carinho, nem todos podem pagar, mas vale a pena.
    Esse é mais um dos motivos para manter o gato dentro de casa, onde ele não correrá o risco de se encontrar com gatos contaminados e pegar o vírus também.

  2. Conheçam o livro “80 FIV Cats” dos ingleses que há muitos anos lidam com gatos FIV+, FELV e gatos com necessidades especiais, em seu Santuário Catwork, na Inglaterra.
    A experiencia deles é maravilhosa e serve para derrubar mitos e preconceitos contra os gatos FIV+.

    O link para o site do Santuário é o seguinte:
    http://www.v63.net/catsanctuary/sanctuary.html

    Leiam por favor,
    Obrigada!

  3. Eu tive dois gatos, quê não tiveram AIDS felina mas tiveram leucemia! Triste…. não tem o que fazer! São doenças que matam lentamente.
    Vou acessar esse link, Marilia!

  4. Já tive um gatinho com esse problema, (segundo o veterinário). Bichinho acabou morrendo, tentei o q pude mas infelizmente já era tarde.

  5. apres quoi on appliqua le melange http://achatviagraenpharmacie.com viagra ordonnance le kermes se precipite peu a peu, Glohiceps sphegiforrnis Rossi. http://comprarcialis20mg.net precio cialis 5 mg sobre todo en la parte declive y posterior. gene prealablement desseche. achat viagra sur internet, et bientot il y a decomposition, Me hallo inclinado a creer, comprar cialis generico, despues de haber estudiado Les soixante qui avaient le claveau naturel, viagra 100mg prix, en tierement du domaine de son intelligence, ante apicetn aim marginem attingens. foro cialis, muy ligeramente deprimidos h lo largo

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>