• Home
  • A linguiça e o porco

A linguiça e o porco

0 comments

Você já assistiu a ‘pegadinha’ feita pelo SBT no último fim de semana de outubro (http://www.sbt.com.br/sbtvideos/media/?id=2c9f94b6332bbfdd01335ad32bc62796)? , o vídeo apresenta um “conteúdo altamente educativo e (in)formativo”. A maioria dos onívoros ao comer carne não faz ligação entre o produto e o animal, mas ao vê-lo sendo ‘morto’ a situação muda.

Já ouvi em diversas ocasiões pessoas afirmando que não conseguiriam comer uma carne se visse a morte daquele animal. Para elas, existe uma separação do que é consumido e da sua origem. O programa analisado ilustra bem esse fato.

Mesmo não sendo o objetivo do SBT mostrar como funciona a produção de linguiça de suínos ou a reeducar a sociedade, a emissora apresentou o assunto de forma bem criativa. É interessante observar o estilo do programa em que foi veiculado o vídeo e o público a quem ele é destinado. Os programas de auditório têm a finalidade, basicamente, de entreter o público; sua origem remete ao picadeiro dos circos. Entretanto, estes programas, embora não tenham essa finalidade, também informam. As pessoas recebem as informações de maneira mais receptiva nos programas de entretenimento, pois estão se divertindo, relaxando em frente ao televisor (falo detalhadamente sobre os gêneros televisivos na minha monografia que você pode conferir neste link http://josielesouza.blogspot.com/2011/01/tv-e-os-animais-monografia-disponivel.html)

Um simples quadro de programa de auditório conseguiu mostrar, de forma bem humorada, uma realidade muito cruel. Porém, não é possível chegar a conclusão de que quem assistiu o vídeo mudou sua relação com animais. Ainda há muito caminho pela frente. Acredito, entretanto, que esse simples vídeo atingiu muito mais pessoas e repercutiu o tema do que a maioria filmes produzidos para esta finalidade.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. eu achei essa “pegadinha” genial, o modo com as pessoas ficavam irritadas quando ele colocava o porco dentro da maquina, as pessoas deveriam pensar mais nisso antes de comer carne.

  2. Eu achei o máximo esta pegadinha!!! Era sarro o povo cuspindo a linguiça quando viam o porquinho…. É incrivel, ninguém associa mesmo carne com animal morto….

  3. Realmente fora de série essa pegadinha ! E é isso mesmo qdo a gente assiste filme ou tem contato com essa realidade a coisa muda e pra se tornar vegan é um passo, mas que não consegui ainda por que?

  4. Eu também assiti essa pegadinha!! Foi muito interessante mesmo a reação das pessoas.. mas tenho que dizer, me deu uma tristeza ao ver que até mudei de canal antes de terminar de ver ! :/

  5. Adorei a pegadinha e mais ainda a reação do meu filho menor, que não riu em momento algum e estava realmente muito sensibilizado com a situação do porquinho. Acho que ele não vai mais comer linguiça (eu sou vegana ha dois anos mas o resto da família não aderiu – ainda)

  6. Sempre digo que pra mim isso é como uma guerra: precisa da vanguarda, aqueles que estão adiante e fazem mais estrago, como os ativistas hardcore, os veganos abolicionistas… precisa do pessoal que vai no meio, também lutando mas em uma posição mais protegida, como os ovo-lacto-vegetarianos, os que assinam petições, vão em passeatas… e os que vão atrás, que às vezes nem atacam, às vezes nem lutam, mas que são fundamentais pra dar apoio. Gente que depois de um tempo pode avançar na sua posição, pode ir se engajando com o tempo. Sejamos realistas, o mundo não vai virar vegano abolicionista do dia pra noite… nesse contexto, até os que adotam animais abandonados ou diminuem o consumo de carne tão ajudando, ainda que de forma bem mais modesta. O importante é não ser o inimigo e saber quem são os inimigos. Esse programa, raso e com todas as suas limitações, de alguma forma tá levando uma massa muito grande a pensar, talvez pela primeira vez na vida, que linguiça = porco. Talvez depois se interessem por ver um video que explica um pouco melhor o processo… e “água mole em pedra dura”…

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>