• Home
  • Sexo com animais: pesquisa inédita

Sexo com animais: pesquisa inédita

47 comments

Chama-se zoofilia o ato de se praticar sexo com outros animais. É um fato que sempre existiu na História (como mostra esta milenar escultura abaixo).

Hoje esse tipo de comportamento sexual se divide em dois tipos básicos, um “público” e outro “clandestino”. Quem procurar na internet (ou em lojas especializadas em DVDs pornôs) vai achar este lado mais exposto. São vídeos e fotos onde mulheres são penetradas ou praticam sexo oral com cães, cavalos, porcos, etc.

Foto: Divulgação

Se você acha isso grotesco, o lado “clandestino” é pior. Aí temos homens praticando estupro em cães, éguas, etc. Para quem pratica, é “natural”. Para uma galinha que tem o ânus penetrado por um macho da espécie humana, é tudo menos natural.

Mesmo assim, homens continuam se satisfazendo sexualmente com quem não pode dizer “não”. A prática é levada para o terreno da piada, que nunca inclui o arrependimento. Leia por exemplo esta declaração: “Um moleque, naquele tempo, com 10, 12 anos, já tinha experiência sexual com animais… A gente fazia muito mais sacanagem do que a molecada faz hoje. O mundo era mais livre…”

A declaração foi feita à revista Playboy em 1979 pelo ex-presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva. Sua noção de um mundo “mais livre” continua valendo, especialmente nas regiões rurais do Brasil.

Sem entrar no mérito da questão, a repórter Cristiane Segatto publicou uma matéria muito interessante na revista Época. Ela cita um estudo inédito no mundo realizado com 492 homens de todas as idades criados na zona rural. Nada menos que 59 por cento dos entrevistados declarou ter tido algum tipo de relação sexual com animais a partir da adolescência. (Alguns, todos os dias). Entre os animais citados estão “éguas, mulas, vacas, cabras, ovelhas, porcas e cadelas”.

A matéria revela que segundo uma pesquisa inédita no mundo, o urologista Stênio de Cássio Zequi descobriu que o homem que penetra outro animal tem o dobro do risco desenvolver câncer no pênis. É uma pesquisa que precisa ser muito divulgada pelo bem dos homens. E das éguas, mulas, vacas, cabras, etc.

Para ler a matéria da revista Época clique aqui.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Sei que não dá para geralizar , mas muitas vezes prefiro o amor dos animais ao dos humanos . Eles Sào muito melhores,
    fico na dúvida de quem é mais irracional .
    Que venha essa lei pesada quanto àqueles que maltratam de qualquer nmaneira um animal,seja domético ou não .
    Mas só vou acreditar nessa lei quando a vir em prática …To cansada de blá , blá ,blá .Quero ação !!!!
    Enquanto isso não acontece que apodreçam todos os orgãos genitais e outros …..

  2. se fossem só alguns homens tava baum, mais algumas mulheres tbm praticam isso…( Será que é solidão, ou falta de companhia?) hehehe…tamos aki mulheres!

  3. Acho um absurdo este tipo de coisa. o incrivel é que apos ler todos os comentarios constatei que a maioria são mulheres e parece que elas não sabem que as maiores praticantes desse ato bizarro são as proprias mulheres. Vi num site um sem numeros de mulheres fazendo sexo com cães e digo que se eu não tivese visto com meus proprios olhos eu não acreditaria. Olha, não sei onde esse mundo vai parar não hein!!!

  4. Considero isso um estupro, o animal não tem como se defender, alem de ficar totalmente machucado, em certas situações com os órgãos dilacerados… Acredito que deveria ter uma pena para estes ridículos que fazem isso, pq p mim isso é crime….e quanto aos órgãos destes imbecis melhor mesmo se caísse de vez!!!!

  5. Olha, já estou cansado de tanta babaquice. É errado, sim é errado mas precisamos reconhecer que existe e, portanto, se está nesse pé é porque o mundo em geral é omisso quanto ao assunto. Governos sim, outros não às vezes levantam a questão e tomam algumas medidas para coibir ou pelo menos diminuir essa prática. Nos EUA por exemplo alguns estados não toleram e se o esperto(a) for pego(a), se lasca na cadeia. No Brasil as coisas são bem simplórias em se tratando de leis (como sempre) e desde que me entendo por gente sei que no meio rural desde o principio do país essas coisas acontecem com bastante frequência. Mas não se enganem; tanto homens como mulheres em grande número praticam esses atos pelo mundo afora. As pouquíssimas estatísticas existentes de países que toleram como a Holanda e Dinamarca vem mostrando um aumento absurdo entre as mulheres. Se nada for feito, a prática um dia será tão comum quanto beber água num copo de vidro.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>