• Home
  • Colar permitirá saber localização de onça pelo menos por quatro vezes ao dia, no MS

Colar permitirá saber localização de onça pelo menos por quatro vezes ao dia, no MS

1 comments

Veterinários falaram sobre como será a readaptação do animal (Foto: Valdenir Rezende)

Após ser recapturada há seis meses, a onça-pintada fêmea que ficou famosa pelas suas fugas e que estava a mais de um ano no Centro de Reabilitação de Animais (Cras) em Campo Grande (MS) foi devolvida ao seu habitat natural, na manhã desta terça-feira (30). Agora por meio de um colar colocado no animal será possível verificar sua localização por pelo menos quatro vezes por dia.

O transporte do felino começou na noite de ontem (29) com a participação de técnicos do Cras e do Cenap de São Paulo.

Depois de ser sedada, a onça-pintada foi pesada e teve suas medidas corporais e dentárias registradas. Em seguida, os técnicos colocaram na onça-pintada a coleira para o monitoramento e depois teve as suas medidas da arcada dentária e corporal registradas pelos técnicos.

Já no início da manhã de hoje, as equipes chegaram até o local de soltura, uma área de mata ciliar, onde o seu primeiro contato com o habitat natural foi um descanso sob uma árvore, próxima à jaula. Horas depois, ainda sob efeito do sedativo, a onça se levantou e seguiu para dentro da mata. Inicialmente, o felino seria solto na região do pantanal, porém testes de DNA do animal, apontaram incompatibilidade com a região.

Monitoramento de última geração

De acordo com o biólogo do Cenap, Peter Krawshaw Júnior, que acompanhou o transporte do felino desde o início, o colar colocado no animal será primordial para acompanhar o processo readaptação da onça, onde o principal objetivo é que a onça consiga se reproduzir. “O monitoramento feito através desse colar é um procedimento inédito através de telemetria. O equipamento envia sinais UHF e VHF além da localização via GPS, quatro vezes por dia, que são direcionados via satélite a uma base de dados americana, que os reenviará para o Cenap e para o Cras”, informou o biólogo.

“Temos uma grande esperança de que este animal consiga se readaptar, principalmente porque ela nos provou durante o período de fuga, que conseguiu sobreviver em uma área urbana durante três meses, chegando a ganhar peso. O colar está em um processo de teste para verificarmos se é possível a conservação da espécie e a readaptação do animal. Acredito que daqui a três ou quatro meses já teremos dados suficientes para saber se houve a readaptação e a reprodução, o qual é nosso objetivo”, disse Peter.

Histórico de fugas

A onça-pintada fêmea, hoje com um ano e pesando 57 quilos foi encontrada quando tinha aproximadamente dois meses em uma pastagem na região de Água Clara. O felino foi encaminhado para o Cras e no dia 29 de outubro do ano passado fugiu pela primeira vez do centro.

Após dois meses, no dia 28 de dezembro, foi recapturada e encaminhada novamente para o Cras, mas desta vez para uma jaula nova, construída para abrigá-la. Dois dias depois, o animal conseguiu fugir novamente.

A segunda recaptura ocorreu no dia 12 de fevereiro deste ano, quando a onça caiu em uma das armadilhas espalhadas pela reserva ao redor do Cras. Desta vez, o animal foi encaminhado para uma jaula que antes chegou a ser usada por um leão, e que teve toda sua estrutura metálica reforçada para evitar mais uma fuga.

Fonte: Correio do Estado

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>