• Home
  • CBN debate a falsa compaixão por trás do abate ‘humanitário’ de animais

CBN debate a falsa compaixão por trás do abate ‘humanitário’ de animais

39 comments

André Trigueiro

Por Lobo Pasolini (da Redação)

O jornalista e ambientalista André Trigueiro recentemente esteve debatendo  na rádio CBN sobre abate humanitário.

Logo no início do debate ele disse que ouviu de uma de suas leitoras que o termo ‘abate humanitário’ é um oximoro tão absurdo quanto o termo ‘guerra santa’. Em ambos os casos substantivo e adjetivo sentam desconfortavelmente lado a lado por serem conceitos incompatíveis.

Humanitário alude ao melhor do espírito humano, ou seja, à compaixão e à ética. No entanto, matar jamais pode ser considerado como algo ético, principalmente para satisfazer o prazer de outro ser.

Para crédito de Trigueiro, ele descreveu o abate humanitário como algo horrível. O que me leva à crítica: se é tão horrível, para que defendê-lo ou mesmo considerá-lo como remotamente ético? Ele cita que alguns médicos dizem que a proteína da carne é necessária. Mas com certeza ele deve saber que esses médicos estão errados.

Por que não apresentar a visão correta de que a carne é uma escolha, e não uma necessidade? Essa é a posição oficial da American Dietetic Association. Além disso, os milhões de vegetarianos no mundo que vivem sem carne são provas vivas deste fato simples. Eu não sei se Trigueiro é vegano (eu espero que sim, já que ele é ambientalista), mas ele perdeu uma oportunidade de apresentar uma verdade em um momento em que ela se fazia necessária.

Essa verdade não é para satisfazer o ego dos veganos que esperam ter seu ponto de vista representado, mas sim pelos 29 milhões de bovinos, 32 milhões de suínos e cinco bilhões de frangos que foram assassinados no Brasil em 2010, segundo dados apresentados durante o programa pelo próprio jornalista. Será que tanto sofrimento não merece mais indignação da parte daqueles que já tem essa consciência?

O programa encerrou concluindo que a humanidade não está preparada para parar de comer carne. Mas o que isso quer dizer exatamente? A humanidade nunca está preparada para nada: ela  tem que ser preparada para qualquer mudança. Mas isso não vai acontecer se nos determos em falsas medidas de proteção animal adotadas como anestesia moral.

Ao invés de perdermos tempo com abate humanitário, vamos conversar sobre veganismo e educar as massas sobre o tema.  Isso sim vai fazer uma diferença para os animais e o planeta.

Ouça o programa, clicando aqui.

About the Author

Follow me

Blogger, jornalista, videomaker, ativista vegano.


Deixe uma resposta para mateus Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Vem cá, os leoes que comem gazelas também são criminosos só porque comem carne? todo mundo morre, os animais também vão morrer mais cedo ou mais tarde, quer que paremos de comer carne?
    o.O
    esse alessandro deve ser msm um “irracional”, pra dizer uma barbaridade dessa, e se comparar a tal…

  2. Melhor começar por algum lugar do que não começar nunca. Também não me sinto confortável com a expressão abate humanitário, mas já q a população vai demorar muuuuuito para ter a consciência necessária para entender que comer carne é uma escolha e não uma necessidade, como diz o próprio artigo, então que os animais sofram menos do que mais. E que um dia eles não tenham q morrer apenas pra satisfazer o homem.

  3. “abate humanitario”, infelizmente eh igual a uma “guerra santa” sim!!, pq matar n pode ser etico, mas e dai, que seja uma guerra santa entao, tanto faz o nome, o importante eh o significado, sedaçao jah!! pq se for esperar o mundo virar vegetariano, eh muita dor.

  4. Mas será que seria mesmo assim? Quem iria fiscalizar se todos os animais estariam sedados, ainda mais sabendo a larga escala que isso tem?

  5. COMENTÁRIO 7

    A peta oferece 1 milhão de dólares para quem conseguir produzir em “escala industrial” a carne de laboratório. quem conseguir essa proeza, vai achar 1 milhão de dólares risível.

  6. comentário 7. se o único alimento na face da terra fosse carne e água, teria que comer a carne ou morrer. então o abate humanitário — independente de ser um paradoxo — ia ter que ser utilizado. acontece que esse tipo de abate é um vernis em cima de uma vida miserável não humanitária. se quiser insistir em ter abate humanitário, então vai ter que oferecer uma vida também humanitária, por exemplo, deixar as galinhas viverem alguns anos, soltas, tomando sol, em vez de um mes confinadas e absolutamente doentes — o que só não compromete a saude dos humanos por elas receberem antibioticos.

  7. Depois de ouvir o comentário do André percebi que ele tem razão no uso de suas palavras e me pareceu sincero mas também pragmático porque infelizmente os seres humanos não vão parar de comer carne tão cedo.

  8. Normalmente gosto de uma boa reflexão mas como o espaço é muito limitado, limito-me tb a dizer: Alessandro, você é sem noção! Dizer que humanos precisam comer carne ou dizer que um humano que mata um animal é igual a um leão que mata uma gazela!!! É isso que dá matar tanta aula! Sou veterinária e te afirmo, leões são essencialmente carnívoros, ou seja, PRECISAM comer carne e buscam seu alimento matando um outro ser. Acontece Alessandro, que eles não têm noção, consciência do ato que estão praticando. Humanos não são carnívoros, ou seja, podem viver SIM, muito tempo e bem sem comerem cadáveres de outros animais. Além do que, existe uma coisa chamada CONSCIÊNCIA, a qual já deveria estar bem desenvolvida nos animais humanos, pra que se dessem conta de que não devem matar ninguém. Matar é matar. Com crueldade ou sem crueldade. Rápida ou demoradamente. Matar é matar e nenhum de nós, humanos têm esse direito.
    Logo, se nossos organismos sobrevivem muito bem sem carne haja visto a saúde esplêndida que vegetarianos gozam ( ou seríamos todos uns espectros e ninguém nos avisou?) continuar a matar seres indefesos, constitue-se covardia, não tem outra definição. Gente covarde é que mata ou assina procuração pra terceiros matarem, em nome seja lá do que for…pelo prazer dos sentidos então, nem se fala ! Puro atraso espiritual.

  9. anda vcs poderiam divulgar a feira no anhembi “natural tech” qua acontecerá esse final de semana? é extremamente ultil para carnívoros e não carnívoros.

  10. Nós, seres humanos, não aceitaríamos que alguém nos abatesse, mesmo que fosse “humanitariamente”. Acho que isso diz tudo.

  11. nossa meu comentario nao foi aprovado, o que eu falei demais? muito pelo contrario, com humildade trouxe informação nova sobre os 3 alimentos que falei. vou parar de comentar nesse site. acho uma pena que por exemplo no comentario do foo fighters tenha acontecido o mesmo, uma vez que provei que eles nao sao vegetarianos coisa nenhuma.

  12. a verdade nunca prejudica uma causa que é justa. o assunto veganismo abarca inumeros temas, dentre eles o abate humanitário. a não ser que o Anda queira mesmo se dirigir apenas a um publico altamente especializado, melhor seria reportar esse fato, transcrever/resumir a entrevista (nem todos tem audio ou mesmo tempo ou vontade de ouvir uma longa entrevista) e postar. pois já trazer um texto opinativo que não aceita o tema, e mesmo assim mandar ouvir a entrevista parece perda de tempo. parece mais adequado deixar as pessoas que querem falar sobre isso, e questionar se existe mesmo um abate humanitario, pois por exemplo quando cochilamos ou mesmo dormimos fora do horario biologico, nosso corpo apresenta tiques como levantar o braço involuntariamente, ou acordar em susto achando que está caindo. isso é obra de nosso cerebro que confunde repouso com morte e faz de tudo para nos acordar e garantir nossa vida. será então que a quantidade de produto (analgesico, anestesia etc) usado no abate humanitario vai mesmo induzir o corpo em repouso o suficiente inabalavel que o cerebro diante da percepção de dor não vai fazer o bicho acordar? antes de se provar se existe ou não abate humanitário não se pode passar pra uma etapa seguinte, pois justamente essa gente tem que ser questionada, pois se forem caladas, aí mesmo que vai ficar cada um em seu canto sustentando suas teses. o jornalista da cbn não duvido de sua competencia, mas será que essa entrevista foi alem, foi capaz de buscar esses dados?

  13. sou oniviro e discordo do comentario 29. “isso que dá matar aula” coisa nenhuma pois até pouco tempo atras, não sei como é o ensino hoje em dia mas no meu tempo a biologia de 2 grau ensinava que os animais tem direito ao habitat equilibrado, e nomes em latim praquele bando de vermes sempre lhes conferiu dignidade. o que se estudava era se causam doenças ou não e por isso mata-los. cadeia alimentar smpre foi no sentido de quem come de tudo, e não uma invenção feito o meridiano de greenw. que poderia muito bem passar por qualquer lugar e não pela inglaterra. assim, qual o problema de questionar se o leão pode ser carnivoro, porque a pessoa nao pode ser? sei que muitos professores frequentam o site, com maior ou menor especialização, mas todos formados professores. porem, acho que esse discurso deva ser um pouco sufocante. algo que va interessar apenas os mais extrovertidos, estudiosos, o velho ciclo do bullying, das feiras de ciencias. o professor, na minha opinião de leigo, não pode levar ativismo pra sala de aula. ninguem é obrigado a se associar a nada. os proprios metodos de pesquisa ja mostraram que o pesquisador nao pode se envolver pessoalmente ou nao vai conseguir pesquisar e vai acabar esgotado, e apos o assistencialismo a situação volta a mesma, foi o que ocorreu num caso classico nos anos 60 na europa. alem de nao concluirem a pesquisa ficou provado que só podem interferir após conhecer bem o tema. do mesmo jeito, isso parece tudo muito pesado, isso devia ser regulado pelo governo, pelas leis. se a pessoa é vegan por questão de saude, de religião, de empatia aos bichos, tudo isso pode mudar. mas a lei justa é inquestionavel todos aceitam, empaticos ou não, é tolerancia e respeito que são imprimidos de uma forma até melhor que esses termos, que é a obrigatoriedade de cumprir a lei. alem do mais leis dão amplo conhecimento do fato muito mais efetivo do que esse enorme esforço de “concientização” de querer emoção e empatia. leis tornam tudo coercitivo, justo e leve.

  14. desculpe eu só queria falar uma coisa. as pessoas que alegam terem ficado doente com dieta vegana tem que ser ouvidas. só assim vai ser possivel investigar o que as deixou doentes. no site biblelife por exemplo uma pagina sobre vegetarian deficiences. tem muitos relatos reais. porque tantas pesssoas se prestariam a dar um testemunho falso? dizerem que fibras fazem mal é verdade sim. as vezes uma fritura limpa melhor o organismo. a agua que sai do feijão colocado de molho pra amolecer retira todo calcio e nao pode/deve ser usada no cozimento. isso talvez explique porque veganos que ficaram doentes sem calcio culpam a falta de leite erradamente. alimentos diferentes (verduras, frutas e carboidratos)não podem ser misturados ou perdem nutrientes, como dito pela nutricionista gilian mckeith do programa voce é o que come. mas geralmente os veganos achariam isso estupidez/ burrice de ver programa de tv. mas por isso que as coisas nao evoluem. essas coisas tem que ser investigadas. afinal não é justo ou plausivel pedir pra alguem virar vegan a custo de sua saude. e tambem levar em consideração a recomendação do governo dos eua: comer com parcimônia. reduzir as porções. a peta por exemplo culpa uma rede de gigante fast food e diz meet your meat, mas essa rede na india é o unico lugar que tem sanduiche vegie. basta as pessoas pedirem pra ter em seus paises. o que prejudica muito o vegetarianismo é demonizar o refrigerante, a batata frita etc. qundo o erro está nas porções grandes, no sal. é uma opinião de leigo, mas por isso talvez eu e outros leigos ainda sejam onivoro (vegetariano de ocasião,tem feijão ou torta de legumes etc da pra nao comer carne).

  15. Pela lei da natureza, vida sacrifica vida para continuar viva, isso inclusive faz parte do equilíbrio ecológico.por mais que atribuímos direito a certos animais de viver , a natureza não os poupou da predação natural, pela lei natural sobrevive somente os mais fortes, portanto essa ética que vocês tanto falam é inventada por humanos e não coisa da natureza.Quem opta por ser vegetariano ou vegano está simplesmente dando prioridade a vida animal e matando a vida vegetal, mas plantas não sentem dor ! Será? Segundo pesquisas no assunto plantas se comunicam entre si e respondem a estímulos de dor e prazer, sem falar de táticas de defesa que certas plantas adquiriu contra a predação como o veneno, espinhos e uma planta cujo nome não lembro que quem tocar nela sofre queimaduras.
    E mais se dieta vegana fosse tão natural como eles alegam eles não precisariam usar suplementos sintéticos, sem falar que a soja que eles tanto usam é uma indústria desumana que tem desmatado o meio ambiente e utilizado mão de obra escrava humana e a soja consumida em excesso não é saudável, pois ela possui antinutrientes, pois eu fiquei sabendo de muitos veganos internados em hospitais por insuficiencia de b12. Agora uma coisa que eu concordo com vocês é o trato desumano que as indústrias fazem com os animais. A confinação, os maus tratos, mas isso são coisas distintas. Matar o animal pra comer é outra coisa e é possível sim fazer um abate humanitário, ou seja o mais indolor possível.Eu não como carne de gado, porque tenho certeza que não é saudável, mas como peixes com escamas, aves e cabrito selvagem, porque são carnes saudáveis que melhor assimilam no corpo humano, Agora com relação a fisiologia humana, nosso intestino não é comprido como o dos animais herbívoros nem curto como o dos carnívoros, temos um intestino intermediário de onívoro e uma coisa que os herbívoros tem que nós não temos é uma enzima que quebra a celulose das plantas.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>