• Home
  • Adotante poderá escolher animal ‘parecido’ com seus traços físicos, na Nova Zelândia

Adotante poderá escolher animal ‘parecido’ com seus traços físicos, na Nova Zelândia

1 comments

Imagem: Reprodução

Foi lançada, na Nova Zelândia, uma campanha de adoção de animais no mínimo original. Através de uma aplicação disponível no site Doggelganger, quem pretende adotar um cão pode encontrar o focinho que mais se parece com a sua própria cara entre os animais disponíveis para adoção… Mas apenas na Nova Zelândia.

O site “Doggelganger” tem disponíveis, logo à entrada, duas ferramentas para início da pesquisa, oferecendo a possibilidade de tirar uma foto de rosto com a webcam ou fazer o upload de uma fotografia.

Cumprido este passo, a aplicação realiza uma busca na base de dados de animais abandonados e procura o perfil que mais “se encaixa” ao possível tutor, de acordo com os traços físicos do participante.

Uma vez encontrado o cão que mais “se parece” com o candidato, o site envia uma mensagem com foto do animal e dados como localização, idade, sexo, raça e descrição da personalidade do bicho. Se a opção não agradar, a ferramenta pode realizar nova busca.

Para além da campanha, o site explica os benefícios da adoção de animais, dos quais a maior parte deles segue para a morte. Por outro lado sugere uma série de conselhos para quem pensa em adotar.

O objetivo é aumentar o número de adoções de cães de rua registrados no sistema, já que todos os anos milhares de cães são abandonados na Nova Zelândia e outros perdem-se dos seus tutores.

Clique aqui para visitar o Doggelganger.

Clique aqui para conhecer algumas histórias.

Fonte: Boas Notícias

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. eu acredito que esta seja uma boa noticia sim que poderia ajudar na adoção feita em abrigos, pois o índice de re-abandono seria menor. sou leigo nisso, mas acho que isso tem conexão com o exposto por uma filósofa colunista do Anda, quando fala sobre “somatofobia”.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>