• Home
  • Síndrome canina pode provocar perda da visão

Síndrome canina pode provocar perda da visão

3 comments

Vólia Castelar com seu Akita inu, Kiodai. Há um ano, o cão está cego em decorrência de uma dermatite autoimune. Foto: José Leomar

Uma dermatite autoimune que pode levar o cão à perda total da visão. Assim é a Síndrome Úveo Dermatológica (SUD), doença que entre os humanos é conhecida como Síndrome Vogt-Koyanagi-Harada. É comum entre animais das raças Akita, Chow-Chow, Husk Siberiano e Samoieda. Essa doença vitimou o cão Kiodai, da raça Akita inu, da fotógrafa Vólia Andriella de Melo Castelar. Há cerca de um ano, os primeiros sintomas começaram a se manifestar e, em apenas dois meses, aproximadamente, o animal já teve a visão perdida totalmente.

Kiodai está com quatro anos de idade e, graças à guarda responsável de sua tutora, leva uma vida digna. Vólia adota todos os procedimentos possíveis para que o animal tenha uma rotina diária dentro da normalidade, mesmo sem enxergar. Acompanhado da tutora, ele caminha todos os dias no quarteirão em volta de casa, tem alimentação de qualidade e acompanhamento veterinário constante. No entanto, passará o resto da vida à base de corticoides, em comprimidos e colírio aplicado nos olhos dez vezes ao longo do dia. “Ele já está tão acostumado que, quando coloco a gotinha em um olho, ele já vira a cabeça oferecendo o outro olho”, conta Vólia Castelar.

Estas são as medidas para assegurar o controle da síndrome. Caso contrário, o cão teria dores insuportáveis e inflamação nos olhos, bem como retorno de possíveis dermatites na pele. “Em nenhum momento, penso em sacrificar o Kiodai, como outros tutores poderiam fazer. Acho uma desumanidade. O cão não é um brinquedo, é um amor que, a partir do momento em que decidi criá-lo, sei que é para o resto de sua vida”, afirma Vólia.

A síndrome tem possíveis causas genéticas, segundo a médica veterinária, Gabriella Queiroga, do Serviço de Oftalmologia do Centro de Cuidado Animal Dra. Andrea Melo. Ela acompanha o caso de Kiodai e adverte a todos os tutores que, uma vez diagnosticada a doença, o animal não pode se reproduzir.

Tecidos destruídos

Conforme explica a veterinária Gabriella Queiroga, esta dermatite autoimune canina acomete não apenas a pele do animal, mas também estruturas dos olhos. “Acontece uma destruição imunomediada da melanina ou dos tecidos com melanina, podendo até ocorrer um deslocamento da retina”, afirma – essa destruição dá-se através das células de defesa do organismo, daí ser autoimune; e com o deslocamento da retina, há a perda total a visão.

Os primeiros sintomas são os sinais de uveíte – inflamação intraocular, acompanhada de fotofobia e baixa acuidade visual. O animal passa a enxergar menos e tem dificuldades para ver em claridades.

Depois, conforme explica a médica veterinária, surgem despigmentações da pele, nariz, lábios, pálpebras, do escroto e dos coxins. Podem surgir também eritemas (vermelhidão na pele), eroões e crostas, quando o animal é exposto à luz solar. Para o diagnóstico, Gabriella Queiroz diz ser necessário descartar outras possíveis doenças de pele semelhantes, fazer uma biopsia da parte lesionada e o exame histopatológico.

Uso de corticoide

No caso do Akita Kiodai, foram verificados diversos desses sintomas, conforme atestou a médica. Ela conta que o animal já apresentou alto grau de inflamação nos olhos, o que impossibilitou a dilatação das pupilas para exame do fundo do olho.

O tratamento da síndrome consiste em altas dosagens de corticoide, tanto por via oral, com a utilização de comprimidos, como por meio tópico, com a aplicação de colírio.

A veterinária diz que o tratamento pode ser para a vida toda do cão, mas há casos em que o quadro de inflamação é reversível, possibilitando uma frequência diferenciada no uso dos medicamentos.

É possível um diagnóstico precoce, o que permite um maior controle da doença, evitando a cegueira do cão. No entanto, muitas vezes, quando o animal manifesta a inflamação, a síndrome já está em alto grau. Para todos os casos, é essencial o acompanhamento de um veterinário especializado em Oftalmologia. “Este acompanhamento pode prevenir muitos males na visão”, afirma ela. A veterinária adianta que o Centro de Cuidado Animal está aberto para esclarecer as possíveis dúvidas de criadores sobre esta síndrome canina.

Fonte: DN

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta para mateus Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. a moça deveria ter um cão guia para serem amiguinhos. ia fazer muito bem a esse akita. claro sem a dona negligenciar os cuidados a ambos.
    como pode tanto veterinário desqualificado por aí tratando dermatite sem fazer a correlação, sem prescrever os medicamentos certos.

    e não adianta solicitar que se façam cursos de reciclagem, de divulgação de material dos novos conhecimentos de ciência compulsória, explicar seu caso trágico ao conselho de medicina federal e regional da sua localidade, dizer que a exemplo da orquestra sinfônica OSB os veterinários tem sim que ser surpreendidos com testes de conhecimento e os nao apto suspensos da atividade. a exemplo da OAB. só que ninguem vai morrer com nome de recurso errado, pela instrumentalidade das formas.
    os conselhos só te respondem via telefone, para não haver provas: de que você é louco, ninguém dá importância pro que você diz e que você vá se tratar.
    que fazer então? acho preocupante e muitissimo importante essa informação nova.
    mas infelizmente os leigos dependem do profissional para esse diagnostico.
    fiquei chocado, pois vi nesse caso o possivel caso de meu cão falecido. mas que foi tratado de forma errada.

  2. Mesmo com essa doença é possível castrar (sem causar riscos de vida por baixa imunidade etc)? Ou é necessário correr riscos a cada “temporada de cios” para o cachorro/cadela não escapar?

    Posso estar enganada, mas lembro de alguma vez ter lido que a vacina anti-rábica pode causar ou piorar essa doença. Confere? (por favor, não estou querendo desvalorizar a AR, que é importantíssima para a saúde do nosso cão e até para a nossa, nem com isso alertar para que não vacinem, é somente uma dúvida!)

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>