• Home
  • Teste de DNA feito em animal ajuda na condenação de criminosos que atearam fogo em gato

Teste de DNA feito em animal ajuda na condenação de criminosos que atearam fogo em gato

9 comments

Por Daniel Marques  (da Redação)

Na foto, o gatinho Scruffy, antes de ser eutanasiado (Reprodução/ASPCA)

Este é o primeiro caso na cidade de Nova York, nos EUA, envolvendo crueldade contra animais em que o teste de DNA em um animal serviu como prova para condenar um homem de 20 anos, conforme informou o New York Times. Ele foi condenado a uma pena entre dois a seis anos de prisão por ter atacado um gato com líquido inflamável em um apartamento vazio.

O acusado, Angelo Monderoy, de acordo com a promotoria,  queimou o gato alegando que estaria “entediado”. Há também a possibilidade de ser deportado para seu país de origem, Trinidad.

Em outubro de 2008, um gato de 1 ano de idade, esfarrapado e desalinhado,  também conhecido como Tommy duas vezes, foi encontrado por um porteiro em Crown Heights com boa parte de seus pelos e da pele queimada, vindo a ser sacrificado posteriormente.

Pesquisadores da Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os Animais (ASPCA) encontraram  tecidos animais queimados presos ao chão em um quarto vago do prédio e os enviaram  para um laboratório, juntamente com uma amostra do corpo do gato.  O resultado confirmou a suspeita.

Na foto, o assassino e torturador do animal, Angelo Monderoy (Foto: Reprodução/ NY Daily News)

Enquanto isso, o Sr. Monderoy, então com 18, e outro adolescente, Matthew Cooper, diziam  às autoridades que haviam levado um gato para o mesmo apartamento, onde um segurava, enquanto o outro encharcava o gato com fluido de  isqueiro. Os promotores disseram que o exame de  DNA reforçou o seu caso, permitindo-lhes ligar os fatos ao gato, cujos danos, no ataque dentro do apartamento,  foram documentados em detalhes dolorosos.

Matthew Cooper declarou-se culpado – ele recebeu sete anos por um pacote de crimes, incluindo assalto a um homem – mas o Sr. Monderoy optou por um julgamento e foi condenado por crueldade agravada com animais, incêndios e roubos em março deste ano, sendo condenado a 15 anos de prisão.

Na sentença desta quarta-feira (1), o juiz Michael A. Gary, da Suprema Corte do Estado de Nova York, observou que o ataque, longe de ser espontâneo e impulsivo, foi feito com algum planejamento, e que o Sr. Monderoy teve muitas oportunidades de cessar a violência. A ASPCA afirmou. “O mundo inteiro precisa saber o que o essas pessoas fizeram”.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. O NOSSO PAIS PRECISA DE MEDIDAS ASSIM PRA DEFESA DOS ANIMAIS, QUE CONFIANDO NO HOMEM NUNCA SABEM O QUE LHES ESPERA
    A JUSTIÇA NESSE CASO ACIMA ESTÁ DE PARABENS!

  2. O gatinho tão lindo. O estado era assim tão sério que foi necessário eutanaziar ou eles não queriam gastar tempo e dinheiro com o tratamento?
    Enfim, essas pessoas precisam ser punidas mesmo!

  3. Estela,
    ainda que o bicho não fosse lindo, a crueldade contra ele seria da mesma gravidade. Pessoas bonitas sofrem dores fortes quando são queimadas, e as feias sofrem do mesmo modo. Nossa compaixão não pode estar atrelada a critérios estéticos tão fugazes quanto os da beleza plástica. Os neurônios responsáveis pelo circuito da dor estão igualmente presentes nos feios e nos bonitos. E, para dizer a verdade, feio e bonito são critérios muito, mas muito subjetivos e relativos. Os bichos não precisam ser bonitos para merecerem nosso respeito por sua vida. Eles não nascem para nossa contemplação. Eles vivem para passarem pela existência misteriosa que sua espécie de vida lhes presenteou.
    sonia t.

  4. Esse é o retrato da juventude perdida desse mundo de hoje cada dia que passa piora mais são apenas produtinhos desse sistema cruel que é o capitalismo jovens vazios que nada tem em mente que vvem uma vidinha medíocre e sem sentido mais aí no caso eles deveriam fazer algo com eles mesmos e não com os animais seria mais proveitoso para eles mesmos porque eles não se mataram não se suicidaram seria melhor não fariam falta nenhuma ao mundo muito pelo contrario estariam fazendo um favor quanto menos humanos imprestáveis no mundo melhor!

  5. Esse é o retrato da juventude perdida desse mundo de hoje cada dia que passa piora mais são apenas produtinhos desse sistema cruel que é o capitalismo jovens vazios que nada tem em mente que vivem uma vidinha medíocre e sem sentido mais aí no caso eles deveriam fazer algo com eles mesmos por estarem entediados e não com os animais seria mais proveitoso para eles mesmos porque eles não se mataram não se suicidaram seria melhor não fariam falta nenhuma ao mundo muito pelo contrario estariam fazendo um favor quanto menos humanos imprestáveis no mundo melhor!

  6. Pobre bichinho. Paz para ele e castigo para os seus torturadores. Seria bom que os países começarem a olhar para estes casos como verdadeiros homicídios que têm e devem ser punidos duramente. Não é possível que continuemos a viver calmamente quando estas situações acontecem nas nossas barbas. Estas crueldades são indicadores sérios que algo não está bem nas sociedades e que tem de ser alterado. Começa a ser insustentável conviver com isto.

  7. Pobre bichinho. Paz para ele. Seria bom que estes casos, verdadeiros homicídios, fossem punidos duramente. Não é possível que continuemos a viver calmamente quando estas situações acontecem nas nossas barbas. Estas crueldades são indicadores sérios que algo não está bem nas sociedades e que tem de ser alterado. Começa a ser insustentável conviver com isto.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>