• Home
  • Cadela que vive amarrada em corrente em cima de laje precisa ser resgatada em SP

Cadela que vive amarrada em corrente em cima de laje precisa ser resgatada em SP

11 comments

Nirley Silva
nirleya@gmail.com

Esta cachorrinha vive em uma laje há 2 anos. Os tutores colocam água e comida uma vez por semana, e ela fica amarrada o tempo todo. Ela está presa em uma cordinha que não alcança o alimento.

A cadela já caiu da laje, quebrou a patinha e foi medicada, mas assim que melhorou, a colocaram lá novamente.
Não é uma família estruturada, inclusive os filhos são dependentes químicos, é cada um por si, um dos irmãos tem uns 20 anos e tem um cachorro macho que ele cuida, tem onde dormir, fica no quintal, apesar de ficar a maior parte do tempo preso em uma corrente.

O outro irmão com mais de 20 anos, é tutor da cadela. Quando a colocaram lá na primeira vez, tentei impdir, mas quando o CCZ veio verificar não fizeram nada, pois alegaram que ela não sofria maus-tratos. Quando acinei a UIPA, não deram atenção e ainda sombaram de mim. Como fui ameaçada por eles, meu marido achou melhor não mexer mais.

Não sei mais o que fazer, pois tenho medode que façam mal às minhas cadelas, que trato com tanto carinho.
Para eles é natural deixarem um cachorro em cima de uma laje, passando frio, tomando chuva e passando fome.

Caso alguém possa resgatar esta cachorra peço que entrem em contato comigo, pois não posso aparecer em momento algum, afim de evitar mais transtornos, eles são vizinhos e proprietários da casa.

Teria de ser de forma casual, por exemplo, dizer que veio passear numa casa vizinha e viu a cachorra presa, ou que foi informada pela Uipa do problema.

Contato: Maria (11) 2091-3540.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Nirley, não desista em denunciar esse crime de manter um animal preso dia e noite….por favor alguém ajude a interferir nesse caso, pois as vezes um susto já basta para os tutores tomarem uma providência, mande carta ameaçando, telefonemas só não deixe a pobrezinha nesta situação….agora eu pergunto que tIpo de amor que é esse que APRISIONA um animal deste jeito, isso é coisa de gente doente!!!!!

  2. CASO COMPLICADO MARIA …Mas se alguem quiser adotar será que eles vão querer ???
    E se vc enviar e-mail para Rede Record … mas peça para não dizer seu nome .. pois se eles são perigosos com certeza poderão se vingar >>>!!!!!

  3. É necessário que todos nós denunciemos à IMPRENSA, acredito que só assim esse povo vai se preocupar com o cuidado com os animais, quando envolve gente grande na mídia, logo as coisas acontecem, parece que todo mundo faz corpo mole quando se trata de animais, esse CCZ é uma precariedade, assim como tantos irgãos que dizem cuidar dos animais, se realmente se importassem, fariam uma ação conjunta com o governo para controle efetivo de animais nas ruas e fiscalização dos mesmos por seus respectivos tutores, mas parecem que não estão nem aí….PRECISAMOS AGIR E INFORMAR A IMPRENSA>….

  4. NÃO faça amaeaças aos donos como te aconselharam aqui!!!!nem com carta,nem com telefonema! Quem vai pagar” o pato” por isso È O ANIMAL!
    Já fiz isso e as pessoas,com raiva,descontaram no cão!
    Se o deixavam amarrado no quintal,após “ameaças” o transferiram para o fundo da casa.Ou seja:se antes ele via a rua,movimento,e nós(quem passava por lá) dávamos água ou algo de comer,depois tudo isso foi perdido e ele passou a ficar acorrentado da mesma maneira,mas no fundo da casa,olhando “para as paredes” o dia todo e em uma situação pior,muito pior que antes.E isso foi com uns três animais.três casos diferentes com o “mesmo efeito”.
    Se o dono do animal ficar com raiva da “intromissão na vida dele” quem vai pagar é o cão!

    Continue a fazer o que fez:peça ajuda aos blogs,ONGs,peça para repetir e repetir o pedido nesses lugares até alguem ir resgatá-lo.Não desista!

  5. A Claudia está certa. Na cidade onde moro, por duas vezes conversei numa boa com os donos de uma cachorrinha que vive numa corrente curtíssima em meio a barro e fezes, não deram ouvidos aos meus apelos. Certo dia, após varios dias de chuva, passei por lá e o portão estava aberto, não tive dúvidas, apesar de fazer a coisa errada. Peguei a cachorrinha e levei para minha casa, mais a infeliz da dona deduziu que eu teria pego, foi na minha casa atrás da pobrezinha. Como eu peguei ilegau, tive que devolvê-la. Mais cobrei que fizessem uma casinha para ela. Resultado. Tiraram ela da vista da rua e puseram num local que eu não posso ver, só ouço os latidos dela, e não sei se fizeram abrigo.

  6. Maria, não sei o que essa gente considera maus-tratos. O animal tem que estar com os ossos a mostra? Tem que estar faltando pedaço? Tem que estar cortado ao meio? Porque se ele “só” estiver cozinhando ao sol não está sendo maltratado. Se ele passar a vida num raio 80cm onde ele come, bebe, dorme, urina e defeca, isso não é maltratar animais. Porque tem gente que tem um cachorro nessas condições não dá pra entender. Só pode ser sadismo, crueldade, prazer em torturar um inocente e indefeso animal tão querido como o cachorro.

  7. Maria, uma vizinha que mora a uns 800m da minha casa mantinha dois cães que ela adotou no canil da prefeitura, presos numa corrente grossa com 50cm. Quando chovia os coitadinhos ficavam cheios de lama, as casinhas e os potes de comida e áqua, além de estarem longes também todos enlameados. Quando vinha o sol a lama secava no corpo deles. Era um horror. É um sobrado muito bonito onde moram alemães horríveis. Eles não tinham uma sombra para se abrigar do sol nem da chuva a ser aquela casa enlameada. Achei que eu tinha que ajudar aqueles bichinhos a sair dessa vida miserável que viviam. Num dia de inspiração Divina escrevi uma carta de uma só vez, sem rasuras, sem parar, senti mesmo que saí de mim enquanto escrevia. Eu falei sobre maus-tratos a todos os animais sem tocar no assunto dos dois cachorros. Pra quem eu mostro cópia da carta diz que o que eu escrevi é uma crônica e modéstia à parte muito tocante. Coloquei na caixinha do correio da casa. A carta foi anônima. Em seguida denunciei na Sociedade Protetora dos Animais. A Presidente Soraya Simon entrou em contato com a família, que ficou insandecida com ela e com quem denunciou. Mas valeu a pena. Hoje os cães tem calçada, colocam guarda-sol quando tem sol e eles estão sempre limpinhos . Só a corrente que mesmo aumentada continua curta. Eles alegam que o alarme da cerca elétrica dispara.
    Tente fazer uma carta que mexa com o coração dessa família. Se comigo deu certo com v. também pode. E olhe que mesmo os alemães tendo esbravejado consegui sensibilizálos. Boa sorte.

  8. Desculpe gente, eu sei o quanto é perigoso tentar intimidar os tutores com ameaças, não é
    a nossa intençaõ piorar a situação com relação aos maus tratos, talves uma conversa então com os donos mexam com seus sentimentos….é uma tentativa…..

  9. Eu não entendo como as autoridades nada fazem. Além dela estar tb exposta ao sol escaldante, cade o carinho? No mínimo fica lá abandonada satisfazendo o capricho de algum sádico da família que simplesmente a quer assim. Malditos!

  10. É a segunda vez em que vejo um caso em que a UIPA se recusa a assumir a responsabilidade contra o descaso. Isso porque os animais têm dono, e por isso dizem que não podem fazer nada.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>