• Home
  • Família deixa cães vivendo sozinhos em casa atingida por tsunami, no Japão

Família deixa cães vivendo sozinhos em casa atingida por tsunami, no Japão

10 comments

Por Daisuke Wakabayashi e Eric Bellman
Tradução por Vanessa Perez (da Redação)

Um enorme tsunami destruiu a maior parte do bairro de Sendai, onde Kayo Kikuchi e seu pai viviam. Os dois cães, Towa e Melody, foram deixados para trás pela família mas acabaram sobrevivendo por um milagre.

Foto: Reprodução/The Wall Street Journal

Quando o alerta de tsunami soou após o terremoto que assolou o Japão na sexta-feira (11), Masaki Kikuchi correu pelas escadas para pegar sua filha de 12 anos de idade, que estava dormindo, antes da corrida para escapar da correnteza.

No quintal amarrado, a um pequeno barracão, o Sr. Kikuchi deixou dois cães: Towa, um sheltie dois anos de idade e Melody,uma golden retriver de um ano de idade. O Sr. Kikuchi acreditou que o gigante tsunami que destruiu casas de seus vizinhos e levou para longe os seus carros, provavelmente matara Towa e Melody também.

Kaya Kikuchi, a filha de 20 anos de idade do Sr. Kikuchi, estava em um ponto de ônibus, indo para casa, vindo de seu emprego em um restaurante local. Quando ocorreu o terremoto, uma linha de energia caiu na frente do ônibus e os passageiros começaram a fugir.

Ela correu para a casa de sua prima, que estava nas proximidades. Ela pediu à prima para levá-la de volta para casa porque queria ir salvar os cães que ela pedira ao seu pai para pegar. A um quilômetro de sua casa, a polícia parou o carro. Disseram a Sra. Kikuchi que um tsunami estava vindo e ela não podia ir mais longe.

“Eu disse a minha prima que eu iria a pé. Ela me disse que eu morreria se eu fosse”, disse Kikuchi. “Eu fiquei arrasada. Eu pensei que eles estivessem mortos”.

Na foto, os dois cães recebendo a visita dos tutores (Imagem: Reprodução/The Wall Street Journal)

Mas Towa e Melody tinha outras planos. Eles, de alguma forma, se soltaram das cordas para o galpão e correram até as escadas ao ar livre para o segundo andar da casa do Sr. Kikuchi. E então eles esperaram e esperaram. “Eu não sei como eles sobreviveram”, disse Kikuchi.

Dois dias depois do terremoto, o Sr. Kikuchi se aventurou para fora do centro de evacuação onde sua família se reunia ilesa. Ele andava com botas de borracha nas estradas cobertas de escombros ainda coberto com água da enchente, com os pés afundando na lama espessa.

Quando ele finalmente chegou a sua casa, driblando um carro que estava bloqueando a entrada da garagem, ele podia ouvir os latidos.

“Fiquei feliz de vê-los, porque eu tinha me sentido mal por ter deixado eles para trás”, disse Kikuchi. Deu-lhes água, comida e trouxe-os para dentro depois de limpá-los.

Sr. Kikuchi sabia que sua filha Kayo gostaria de ver Towa e Melody, então na segunda-feira os dois decidiram fazer o mesmo percurso por estradas cobertas de lama grossa. “Aqui é onde eu costumava andar todos os dias”, disse ela.

Olhando à sua esquerda, há o telhado de uma casa achatada lançada no meio do que tinha sido um dos plantios de arroz.

Seu pai, usando um capacete e macacão de sua empresa de construção civil, caminha à frente carregando uma lata vermelha em uma sacola da Hello Kitty vermelha. Ele disse que quer ver se algum dos carros tem gasolina, que está em falta na área de Sendai.

“Não vá pela direita, porque você vai afundar e não serei capaz de tirá-lo”, disse Kikuchi disse. Ele apontou as marcas no peito de alto nível da água.

“Eu vivi aqui toda a minha vida, todos os 49 anos, e isso não é algo que eu jamais poderia ter imaginado”, disse Kikuchi, escalando os montes de escombros, enquanto a lama espessa cobria a estrada.

Nas praias de Arahama, não longe de onde a família Kikuchi vive, 200 a 300 corpos foram encontrados no dia seguinte ao tsunami.

Sr. Kikuchi disse que o terremoto derrubou a energia instantaneamente e muitas pessoas não sabiam que um tsunami, que chegou 40 minutos depois do terremoto, estava por vir. 160 casa de sua vizinhança foram poupadas de maior dano.

A casa da família Kikuchi virou de cabeça para baixo com pratos, alimentos e utensílios debaixo da água barrenta no chão da cozinha.

Felizmente, disse ele, uma escola primária local resistiu ao tsunami e 400 pessoas, incluindo os alunos foram retirados de helicóptero.

Logo que a Sra. Kikuchi entrou na garagem, Towa saltou e começou a arranhar a porta. Ela abriu a porta e a cadela com os pelos ainda salpicados de lama, pulou na perna dela. Melody, que é mais reservada, latia animadamente de dentro.

“Aposto que eles estão muito cansados”, disse o Sr. Kikuchi para a filha que, silenciosamente, se limpou.

Ms. Kikuchi, com o rosto ainda vermelho de excitação, disse que ela estava tão feliz de ver os cães, um pouco de boas notícias em um evento trágico. “Quando meu pai me disse que eles estavam vivos, eu fiquei muito animada”, disse ela. “Está sendo tudo tão estressante. É tão bom vê-los”

Sr. Kikuchi e sua filha disseram que vão voltar todos os dias para cuidar dos cães, mas eles não vão trazer os cães para o abrigo.

“Há muitas pessoas mortas e é pedir demais para trazer os cães”, disse Kikuchi. “Seria falta de consideração com a tristeza das outras pessoas.”

Veja aqui o vídeo da reportagem (em inglês).

As informações são do The Wall Street Journal.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Não sei se conseguiria deixar meu cão para trás…Uma vez(começo do ano passado)eu estava passando com duas amigas e meu cachorro em baixo de um prédio em reforma, até que um tapume enorme caiu em cima da gente, só eu me machuquei, caiu no meu ombro e pescoço a um ou dois centímetros da minha jugular! Mesmo sangrando, a primeira coisa que eu fui ver era se meu bichinho tinha morrido esmagado (minhas amigas estavam bem e nem se arranharam)mas o Coronel saiu de baixo do tapume como se nada tivesse acontecido!(como bateu em mim, fez uma “cabaninha” e saiu ileso) depois fomos correndo para casa e depois para o hospital, e para a delegacia(o dia cheio!)…Mas fiquei aliviada por meu cão estar bem, depois que cheguei em casa acabei tendo uma crise de choro ao pensar no que poderia ter acontecido com a gente!felizmente não foi nada grave, mas ainda tenho um cicatriz no pescoço e o processo contra a empreiteira não deu em nada…

  2. Citação extremamente triste no Japão…pelo menos eles estão sendo tratados… e não sabemos realmente como está a situação dos abrigos… Tudo lá um caus!!!!

  3. Como é q alguém q larga o cão amarrado pra morrer num tsunami tem a cara-de-pau de dizer depois “fiquei tão feliz por ele estar vivo”? =/
    Ai gente, essas coisas não me descem, é muita HIPOCRISIA!!!!

  4. Eu creio que o tutor não tinha idéia que seria tão grave a ponto de arrasar a casa dele. As pessoas não pensam quando estão em pânico. Só depois a ficha cai.

  5. Graças a Deus estão bem,estão vivos e só quando nós passamos por algo é que sabemos como vamos reagir graças a Deus no Brasil ainda não deu terremoto nem tsunami para sabermos quantos tutores deixariam seu cães para trás na hora do pavor

  6. EH BOM SABER QUE OS CAESZINHO2 ESTAO VIVOS,MAS ATEH QUANDO SE EXISTE COTAMINAÇAO RATIOTAVA ? COITADOS,QUE s FRANCISCO OS PROTEJA ATEH QUE A SUA FAMILIA O INCORPORE EM BREVE EH O UE DESEJO A ELES E SEUS AMIGOS QUE SOFREM COM A FALTA DE UM LUGAR SEGURO.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>