• Home
  • Fauna urbana e fragmentos florestais estão ameaçados pela ação humana

Fauna urbana e fragmentos florestais estão ameaçados pela ação humana

0 comments

Os constantes desmatamentos das áreas verdes em Fortaleza (CE) comprometem a fauna urbana e fragmentos florestais no perímetro urbano, que correm o risco de desaparecimento. Tudo em nome da especulação imobiliária e contando com aval do poder público.

Na Capital cearense há cerca de 250 tipos de vertebrados, sem contar com insetos e peixes. São 133 espécies de aves, 39 mamíferos, 40 répteis, 20 anfíbios, segundo dados do Programa de Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e do wiki aves.

Muçuã (Kinosternon Scorpioides)

Temos ainda 21 tipos diferentes de serpentes, 12 de lagartos, três de tartarugas terrestres, 20 de morcegos, 12 de roedores, um primata, um tatu e três marsupiais.

O grave, segundo ambientalistas, é que a maioria está ameaçada, porque ao se derrubar árvores, especialmente as frutíferas, a reposição de mudas não permite a transferência da fauna para as novas plantas.

Cassaco (Didelphis Albiventris)

Comprometimento

Segundo o biólogo e consultor ambiental Thieres Pinto, os espaços verdes estão diminuindo cada vez mais na cidade. A urbanização está passando por cima de tudo. “Nossas áreas verdes têm que ser consideradas pelos órgãos públicos, pela iniciativa privada e incorporadas aos espaços urbanos. Afinal, elas são importantes para a preservação da flora, já que contêm espécies exóticas e nativas. Além de conservar a diversidade da fauna”.

Catita (Micoureus Demerarae)

A preocupação do biólogo é quanto ao desconhecimento da população sobre a importância da fauna e flora e, portanto, da necessidade de preservá-los. Thieres Pinto alerta para o mapeamento urgente de todas as áreas públicas da cidade pela Prefeitura, identificando os espaços prioritários para serem conservados no Município.

“Aí poderia se estipular a inclusão dessas áreas no planejamento urbano de Fortaleza e aproveitá-las para a promoção do lazer e do turismo”, argumentou o biólogo. “A iniciativa privada também teria sua participação, contribuindo para conservação dos equipamentos e parques para que a população pudesse usar para fazer trilha, caminhada e exercícios.

Guaxinim (Procyon Cancrivorus)

O vigilante Aldemir da Silva Alves, 26 anos, residente na Lagoa Redonda, afirma ser comum encontrar em sua área de trabalho, no entorno de dois terrenos localizados em seu bairro, guaxinim, raposa, galinha-d´água, gavião, preá, tejo e camaleão. Na madrugada, alguns desses animais vêm para o córrego e depois retornam.

Conservação

“Nossas áreas verdes têm que ser consideradas pelos órgãos públicos e iniciativa privada”

Jia (Leptodactylus Vastus)
Cobra-Cipó (Leptophis Ahaetulla)
Rã-de-Bananeira (Hypsiboas Raniceps)
Raposa (Cerdocyon Thous)
Morcego (Carollia Perspicillata)

Fonte: Diário do Nordeste

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>