• Home
  • Falha no projeto da Usina de Jirau leva fazendeiros a decidir exterminar onças

Falha no projeto da Usina de Jirau leva fazendeiros a decidir exterminar onças

4 comments

Onças-pintadas e vermelhas estão na mira de tiro de fazendeiros e sitiantes das regiões de Jaci Paraná e Mutum Paraná, respectivamente a 90 e 160 quilômetros de Porto Velho. Ao fugirem dos desmatamentos provocados pela construção da Usina Hidrelétrica (UHE) de Jirau, os felinos estão entrando nas propriedades rurais e onde se criam gado, carneiro e até galinhas, pois esses animais são alvos potenciais das onças em busca de alimentos.

Um fazendeiro que preferiu não se identificar disse que há um movimento entre os proprietários rurais para transformar a caçadora em caça, ou seja, eles pretendem abater os felinos a fim de diminuir seus prejuízos.

“Está claro que há uma tremenda falha no projeto ambiental dessa usina”, opina o mesmo fazendeiro. “Antes de desmatar, eles deveriam remover as onças para alguma reserva ambiental. O que eles fizeram? Simplesmente estão baixando as motosserras no habitat desses bichos e, para eles, não resta outra alternativa, a não ser buscar refúgio e alimentos nas propriedades da região. O fato é que, antes da usina, não tínhamos esse problema por aqui”.

Hábitos

Os fazendeiros dos dois distritos de Porto Velho observaram que a onça-pintada abate um animal e se alimenta até se fartar. Em seguida enterra o que sobrou e, mais tarde, volta ao local para novo banquete com a mesma presa. A onça vermelha, porém, mata quantas presas cruzarem seu caminho. “Há relatos de onça vermelha que já abateu até dez animais de uma vez numa mesma propriedade. Ela enterra os animas, se alimenta de um e os demais se perdem”, disse Almino Brasil.

Estratégia

Temendo o colapso com os prejuízos causados pelas onças nas regiões da Jaci e Mutum, já há planos para abater os felinos. Como o abate com arma de fogo poderia chamar a atenção das autoridades, uma parcela de fazendeiros pretende experimentar o envenenamento dos animais.

A ideia deles se baseia nisto: ao fazer um abate, a onça come e enterra o que sobrou, voltando posteriormente para concluir o serviço. Nesse meio tempo, os fazendeiros pretendem envenenar a carne com veneno de rato, o popular “chumbinho”. Assim, ao voltar para degustar o restante da presa, o felino seria envenenado até a morte.

“Acho legal a gente fazer essa reportagem e colocar esse problema a público, levando ao conhecimento principalmente das autoridades ambientais”, disse outro fazendeiro de Mutum Paraná que quis manter o nome em sigilo. “A questão está colocada. Agora é ver o que as autoridades vão fazer e, principalmente, o que o consórcio de Jirau vai fazer para solucionar o problema. Do contrário, vai ser muito difícil conter os ânimos desse pessoal que está tendo prejuízo por conta da onça. Vai acabar sobrando para os felinos”, concluiu.vale

Com informações de Tudo Rondônia

Nota da Redação: A interferência humana na natureza e no meio ambiente chegou a um ponto tão contraditório quanto absurdo. Ao ter seu habitat invadido, os animais não veem alternativa a não ser fugir à procura de subsistência. No entanto, deparam-se com criações imensas de animais. Estes, sim, segundo a lógica humana, devem ser protegidos do ataque das onças, mas  não porque suas vidas têm algum valor. O valor de cada um é por cabeça, e sua vida só vale se eles puderem ser mortos e consumidos pelos humanos. E por isso as onças também devem ser mortas. Porque ameaçam a vida de animais que precisam ser mortos. Esta é a ‘coerência’ humana, que, visando à manutenção do seu império, é implacável com os animais.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta para Silvana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. “uma tremenda falha no projeto ambiental dessa usina”, por esse motivo os fazendeiros falham igualmente e saem atirando nos animais.

    Se houve erros por parte do Governo e sua ausência de planejamento, falta inteligência dos fazendeiros em requerer reparos imediatos do Governo.

    Para os felinos sobrou somente a máxima infeliz: se correr o fazendeiro pega e se ficar o fazendeiro come.

  2. O gado está tomando conta do Brasil,sendo que turismo é muito mais lucrativo.Só os fazendeiros do Brasil ainda não chegaram a essa conclusão.Até na Africa muitos fazendeiros deixaram de matar os animais e agora lucram com o safári fotográfico.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>