• Home
  • Ressarcimento de gastos decorrentes do tratamento de animais resgatados é direito do protetor

Ressarcimento de gastos decorrentes do tratamento de animais resgatados é direito do protetor

5 comments

Elisabete de Mello
elisabetedemello@yahoo.com.br

Repassso o artigo a seguir, que acredito ser de utilidade pública e muito importante para o conhecimento dos protetores de animais:

Considerando a Constituição Federal, Art, 225, § 1º, inciso VII, Lei Ordinária Federal nº 9.605, 12 de fevereiro de 1998, Artigos 32 e 79, Lei Ordinária Federal nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, Artigo 186, Código Penal que deve ser aplicado subsidiariamente, Arts. 4º, 6º, 13, 69 a 71, 135 e 136, os protetores independentes e as associações que atuam em defesa dos animais têm o direito de ressarcimento de todo e qualquer gasto decorrente com tratamento médico – veterinário, medicamentos e outras despesas de transportes, et cetera e tal.

Recomendo que se solicite aos médicos-veterinários o recibo de pagamento dos préstimos e dos demais gastos com medicamentos, notas fiscais em farmácias, bem como outras formas de comprovação de que o animal esteve aos seus cuidados  (dano material).

O dano moral também se faz presente e está representado pelos esforços dos ativistas ao se exporem publicamente buscando doações em espécie monetária da população em geral para ajuda no custo do tratamento médico, além dos transtornos psíquicos e emocionais que decorrem da situação a que sujeitos os animais e os seus tutores, quando é o Estado que tem o dever de propiciar o socorro e arcar com o ônus decorrente.

Neste caso, cópias de mensagens eletrônicas enviadas aos grupos de proteção animal terão força probatória.

Portanto, é perfeitamente cabível a propositura de ação de cobrança e/ou indenizatória contra o Município, Estado e União Federal, pois, todos os entes da Federação têm o dever de disponibilizar formas que possibilitem o imediato socorro da espécie ameaçada ou em risco (Art. 225, da CF).

De se orientar, então, que os ativistas que buscam por socorro no Grupo Em Defesa dos Animais ou nos demais que inscritos para obterem ajuda no custeio dos respectivos tratamentos que, paralelamente, procurem o defensor público da sua cidade ou profissional de sua confiança para mais informações.

A ação popular também pode ser proposta pelo próprio ativista ou associação em defesa dos animais para o fim de se determinar que os entes da Federação (Município, Estado e União) viabilizem o imediato atendimento médico-veterinário, bem como disponibilizem formas de amparo do animal em sofrimento e em risco.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Ainda não existe uma palavra para quando o cidadão começa a assumir os deveres do estado. Seria algo assim como cidadania ao cubo!

    @>—>—-

  2. Vamos começar a guardar todas as notas fiscais e recibos dos gastos com os animais abandonados que resgatamos e tratamos, e quem sabe mover uma ação pública. Não podemos ficar sozinhos para resolver os problemas de milhares de animais abandonados pela sociedade e que através dos impostos poderiam ser minimizados.

  3. Sou de Curitiba e protetora dos animais tenho sob minha tutela 27 cães em hotél gerando um custo de dois mil reais por mes, fora gastos com castração, vacinas, veterinário etc…se alguém for entrar com esse processo por favor me avise que quero entrar tb…

  4. Não me considero exatamente uma protetora, mas ajudo sempre quando posso com ração e remédios os protetores.Com certeza o estado deveria ser responsabilizado, pois este serviço é de dever do estado. Começando com um trabalho de conscientização à população sobre a guarda responsável!

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>