• Home
  • Antílopes conseguem novo lar

Antílopes conseguem novo lar

0 comments

Por Scott Sandsberry
Tradução por Natalie DeSouza (da Redação)

Se os antílopes pronghorn já foram nativos de Washington é um debate.

Lewis e Clark os viram em Columbia Basin, mas alguns pesquisadores acreditam que a aparência exótica, capazes de alcançar velocidades altíssimas, nunca foram nativos do estado. A pequena população foi introduzida pelos jogos oficiais do estado em 1938, mas desapareceu rapidamente, provavelmente por causa da caça.

Tudo isso é ma história a ser debatida. Isto não é: Antílopes pronghorn estão aqui agora.

Cem deles foram soltos no meio da noite de 15 de janeiro na Yakama Reservation depois de serem capturados naquela manhã pelo time tribal e biólogos do estado e voluntários, em Nevada.

Os animais foram soltos nas montanhas Horse Heaven sudoeste de Mabton. Planos anteriores de soltá-los mais ao Oeste foram arruinados pela forte chuva que impossibilitava a passagem de caminhões e de trailers lotados de antílopes.

“É uma experiência excitante e interessante”, diz Glenn Rasmussen de Wapato.

A operação de captura e transporte do último final de semana foi o resultado de anos de esforço do Rasmussen e de outros de Central Washington capítulo do Safari Club International. O capítulo e o outro grupo, Shikar Safari Club International, tem trabalhado para reintroduzir os antílopes em Washington há mais de cinco anos.

“Nós tentamos por anos até conseguir ultrapassar o estado (departamento da vida selvagem)”, diz Ramussen, “mas nós nunca conseguimos tirar do papel. E quando nós escutamos (tribo oficial de Yakama) estavam querendo que eles retornassem para a reserva, nós jogamos com eles”.

“Eles são animais únicos”.

Em alguns estados no Oeste, especialmente aqueles que cruzam as Grandes Planícies, de qualquer forma, pronghorn são únicos.

Os Estados Unidos têm mais ou menos 1 milhão de antílopes pronghorn, metade deles nas planícies e em Wyoming.

“É provável que haja 1 pronghorn por pessoa”, diz Rich Guenzel, um menbro e biólogo do Wyoming Game and Fish Department do grupo estadual que trabalha com os pronghorn.

“Sou de Dakota do Sul, e lá eles são como lebres”, diz Joe Doucette, um educador conservador do Departamento da Vida Selvagem de Nevada, com quem os oficiais de Yakama conseguiram o transporte.

O transplante de pronghorn como o da semana passada tornou-se rotina nas planícies dos estados onde os animais são predominantes. E os peritos dizem que os antílopes representam um pouco das preocupações inerentes à transferência de doença muitas vezes associadas a outras espécies, como carneiros selvagens que podem transportar patógenos, como a brucelose.
“Sempre ocorrem preocupações”, Guenzel disse, “mas elas estão provavelmente mínimas com esses animais. Pronghorns tendem a ter menos (saúde) preocupações que um monte de outras espécies, especialmente os ungulados. A doença crônica de desperdício não é um problema com pronghorns “.

“Nós movimentamos os antílope em todo o estado de Nevada por alguns anos, e não há indicações – que eu saiba. – de todas as doenças que estão lá. Nós também trouxemos antílopes de outros estados sem efeitos nocivos”, disse Doucette.

“Nós levamos os animais do rebanho (perto de Elko, onde os animais de Yakama foram levados) e os movemos por todo o estado, mais uma vez sem qualquer efeito negativo. Este rebanho, por qualquer motivo, está muito bem”.

Mas, ele acrescentou, o plano de Yakama para começar uma população na reserva veio em um momento oportuno. O início frio de inverno de Nevada tinha deixado as forrageiras de inverno um prêmio aos pronghorns, aumentando a possibilidade de que muitos dos animais descessem da serra para a periferia urbana.

“Nesse ponto”, diz Doucette, “a remoção de 100 animais é algo que queríamos fazer.”

O processo de captura de 100 animais capazes de correr de 55 a 60 mph pode parecer assustador, mas aparentemente não é tão difícil. Os animais são agrupados por helicóptero para caminhões que estão com voluntários, e no momento certo, um atirador do helicóptero dispara uma “arma rede” (net gun) – que é exatamente o que parece – uma rede que cai sobre os animais em fuga.

“Essa foi uma das partes mais interessantes, observar o trabalho do helicóptero,” disse Rasmussen. “Aquele cara de pé com metade do corpo para fora do helicóptero com a arma rede, atirando sobre eles. E eles fazer isso novamente.”

A idéia era “conseguir de três a sete antílopes em uma rede”, explicou Doucette, depois os voluntários correram para a rede, vendou os animais para minimizar sua luta e em seguida prenderam suas pernas. Os animais então foram levados para um local próximo onde as amostras de sangue foram feitas, marcações nas orelhas foram aplicadas em cada animal, cada animal dói avaliado para determinar a idade e sexo e, finalmente, foram colocados  colares de rádio-telemetria.

Então, sem demora, eles receberam um anestésico suave – “para não derrubá-los, mas apenas para estarem calmos”, disse Doucette – foram colocados em trailers e levados imediatamente para a Reserva Yakama.
E o tempo foi essencial.

“Eles estão muito nervosos, e um animal verdadeiramente nervoso. Você não pode colocá-los em cativeiro por muito tempo”, disse Bill Shields de Yakima, que dirigiu um dos trailers cheios de antílope como voluntário representante  Shikar Safari Club. “A emergência foi colocá-los no chão, cuidar dos exames de sangue e dos colares, levá-los sedados e depois levá-los imediatamente para a  Yakama Nation e levá-los novamente.

“Eles podem morrer rapidamente em cativeiro, por isso foi importante fazer tudo rápido.”

O que não foi feito com rapidez após a operação foi a divulgação de informações por pessoas associadas a ele, e foi por causa de um entendimento por parte dos membros do conselho do Safari Club International que o comunicado à imprensa foi feito em primeiro lugar pelos funcionários da Yakama Nation. Na tarde de sexta-feira, a libertação ainda não estava  disponível.

http://www.yakima-herald.com/stories/2011/01/22/pronghorn-antelopes-get-a-new-home

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>