• Home
  • Cão abandonado em apartamento desespera vizinhança, em Portugal

Cão abandonado em apartamento desespera vizinhança, em Portugal

7 comments

Moradores da Rua da Junqueira, em Cacia (frente à fábrica da Renault), em Portugal, garantem que no primeiro andar de um prédio se encontra um cão, sozinho, há quase um mês.

A situação já foi comunicada à Proteção Civil e à Guarda Nacional Republicana (GNR), que já tomou conta da ocorrência e visitou o local várias vezes, mas pouco ou nada pode fazer por se tratar de propriedade privada. Ao assobio de quem por ali passa, o pastor alemão aparece de imediato na marquise, espreitando por uma abertura da janela, com um olhar triste e meigo.

O alerta foi dado pelos proprietários de um café instalado no rés-do-chão do prédio e que, garantem, “têm sido dias e dias a ouvir o cão a ladrar a toda a hora, sem que nada possamos fazer”, explicou Alegria Frade ao Diário de Aveiro.

Em seu entender, esta é uma questão “de respeito pelos animais, de humanidade e até de saúde pública”, referindo-se à “imundice que deve estar no apartamento (ou, pelo menos, no espaço a que o cão tem acesso), tendo em conta os dias que já passaram”.

Ao que o Diário de Aveiro apurou, os tutores do pastor alemão alugaram o apartamento, um casal de Sever do Vouga, através de uma agência imobiliária. “Durante quatro ou cinco meses tudo correu bem. Eles pagaram a renda, viviam a sua vida com toda a normalidade e até traziam o cão à rua, praticamente todos os dias”, comentou Manuel Frade.

Mas, a situação sofreu um revés quando, alegadamente, os arrendatários deixaram de pagar a renda. “Ainda estiveram uns meses sem pagar a renda, até que desapareceram, por altura do Natal, mas deixaram o cão no apartamento. Nós acreditamos que alguém vem dar comida e água ao animal, senão nem ele aguentava tanto tempo vivo e ativo. Mas quando o fazem é de forma bem discreta e sempre em horas tardias”, refere.

“É impossível ficar indiferente”

O ladrar contínuo do cão tem motivado inúmeras queixas, quer de vizinhos, quer dos proprietários do bar, quer, mesmo, dos clientes que, estando no interior do estabelecimento, “são obrigados a ouvir o latir do animal. Dias e dias seguidos. É impossível ficar indiferente e não é agradável para ninguém”, reforça Alegria Frade, algo desapontada com a “impotência” das autoridades em intervir. “A GNR justifica-se, dizendo que não pode invadir a propriedade privada. Pediram-me para lhes ligar assim que me aperceber de movimentos estranhos no prédio e garantiram que vão reforçar o policiamento nesta zona”, mas o que gostava, realmente, era que o animal fosse retirado do apartamento e colocado num local seguro e com condições.

Igualmente “impotente”, afirma-se a proprietária do apartamento, dizendo-se “de pés e mãos atadas” para pôr fim a esta situação. “Tomara eu ver este problema resolvido, mas os inquilinos deixaram de atender o telefone e não temos forma de falar com eles”, explica ao Diário de Aveiro, acrescentando que “nem nós, os donos da casa, podemos lá entrar, por ser invasão de propriedade. Só o tribunal nos pode dar esse direito e já estamos a tratar do assunto de forma oficial, com o apoio de um advogado”.

Fonte: Diário de Aveiro

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta para Débora Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Meu Deus! Aqui nós temos ESTADO DE NECESSIDADE: art. 24: “Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.” Raramente é usado por aqui. Mas será que lá não existe algo parecido? Não é possível!

  2. ué,mas os donos que alugaram o apartamento não podem fazer nada?
    Então alugaram o apto e por isso não é mais deles?vai apodrecer lá junto com o cachorro?faça-me o favor,já passou da hora de tomar uma providencia,se fosse aqui no Brasil uma providencia já teria sido tomada

  3. #Cristina: Existe sim. O problema é que as autoridades policiais não estão bem informados sobre a legislação (muito pouca) e em caso de maus tratos de animais a maioria não sabe o que fazer e outros tantos não querem saber.

  4. Caramba que absurdo é este?????????Ué não há uma “VIDA” lá??? E se fosse uma criança??? Ainda assim não poderiam invadir uma “propriedade particular”???? Meu Deus onde o ser humano vai parar com tanta maldade e burrice??? É simplesmente REVOLTANTE, se estivesse lá eu invadia escondida e libertava o pobrezinho de lá…. e isto é a europa, onde são considerados civilizados, aquí no país “tupiniquim” isto já teria sido resolvido!!

  5. Juro que não entendo essas coisas. Ninguém toma uma atitude! Mas se fosse uma criança, aí sim.
    Não é toda Europa que é civilizada.

  6. Meu Deus se os inquilinos deixou de pagar o imovel, os dono tem todos os direitos de entrar no imovel sim, isso é burrice e maldade contra o animal, como foi dito ai, e se fosse uma criança? ou um idoso, ficaria tanto tempo pra se tomarem as providencia?, voa resgatar o animail logo por favor, ele esta pedindo ajuda pra sair de la, por favor.

  7. Aqui em Portugal a lei não é assim. Ainda temos muito que aprender com o Brasil.
    Infelizmente a nossa lei não protege quase nada os animais que se encontram neste ou noutros casos.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>