• Home
  • Homem enfrenta 44 acusações por crueldade contra animais

Homem enfrenta 44 acusações por crueldade contra animais

8 comments

Por Cassio Mosqueira  (da Redação – Canadá)

Foto: Reprodução/CTV News

Um homem da província de Manitoba, no Canadá, está enfrentando mais de 40 acusações de crueldade animal depois que a polícia invadiu uma fazenda e encontrou dezenas de cães, cavalos e jumentos doentes e negligenciados.

No final de novembro, a RCMP (Polícia Montada Real) de Manitoba recebeu uma denúncia de um morador local sobre uma fazenda no município rural de Swan River. Em 1 de dezembro, a polícia, juntamente com funcionários do escritório do veterinário chefe de Manitoba e oficiais locais de controle animal, invadiram a fazenda e removeram 27 cães, 15 cavalos e dois jumentos da propriedade.

Foto: Reprodução/CTV News

Segundo informações do jornal canadense “CTV News”, os animais estavam todos em estados de saúde precários, negligenciados e recebendo assistência inadequada, segundo a polícia. Cavalos mal nutridos foram encontrados do lado de fora em pilhas de estrume congelado.

Criminoso Walter de Goba, 68, responde por 44 acusações de crueldade contra aimais (Foto: Reprodução/CTV News)

Os cães, a maioria deles pastores alemães, foram encontrados em um celeiro onde haviam sido amarrados durante tanto tempo que suas peles haviam crescido por cima das correntes. Equipes de resgate dizem que os cães eram forçados a comer as próprias fezes, empilhadas até um metro de altura em alguns lugares.

“Eles estavam cobertos de esterco”, disse o socorrista voluntário Debbie Peterson.”Eles estavam apavorados, ficaram aterrorizados.”

Bonnie Riddell, do grupo e resgate equino, disse que parecia que os cavalos teriam sido abandonados durante vários anos, e havia evidência de “inanição grave.”

Os animais resgatados no dia 1 de dezembro estão agora sob os cuidados da prefeitura de Swan River. Jeff Blythe, que está ajudando a cuidar dos animais, diz que alguns “ainda não estão fora de perigo”, mas muitos estão melhorando.

“Eu posso dizer que eles estão felizes”, disse Blythe à emissora CTV de Winnipeg. “Isso é como eu posso resumir tudo.”

Em 7 de dezembro, a polícia indiciou Walter de Goba, 68 anos, com 44 acusações de causar danos ou ferimentos a animais. Ele está programado para aparecer no tribunal em 5 de janeiro. Se condenado, Goba pode enfrentar multa e até seis meses de prisão.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. TODA notícia deve ser lida com espírito crítico, coloco-me sempre na postura de defensor dos animais; não obstante, as fotografias em que vemos alguns dos animais não indicam que eles estivessem tão esfaimados.
    OS CÃES mostrados nas fotos não estão magros como costuma ocorrer com animais que ficaram com fome durante tanto tempo.
    O MESMO diga-se do burrinho.
    O TEXTO informa que os cães estavam amarrados a tanto tempo que a pele cresceu sobre as coleiras, mas pergunto, os cães estavam com coleiras tão apertadas assim? Não seriam asfixiados?
    ATENTEMOS para um fato, animais se movimentam.
    SERIA mais provável que no local houvessem feridas.
    NAS ÁRVORES é comum crescer tecidos em torno de coisas amarradas porque os vegetais não têm movimentos, senão ínfimos, mas em animais isto seria mais difícil de ocorrer.
    SOLICITO a algum veterinário, leitor da ANDA que se manifeste sobre a possibilidade deste fenômeno.
    SOU VEGANO defensor dos animais, porém costumo ser crítico com leituras jornalísticas, as quais às vezes faltam com a verdade por descuido ou por posição ideológica.
    AS ACUSAÇÕES contra este homem são graves, condenamos veemntemente tais comportamentos.
    PORÉM seria também o caso de perguntarmos se esta pessoa não está sendo vítima de uma reportagem arranjada, mesmo tendo a presença de veterinários que atestaram as crueldades.
    COM 40 acusações de crueldade, poderiam ser colocadas fotos que mostrassem de maneira mais clara tais crueldades, será que estas são as mais eloquentes?
    RECORDO-ME de reportagens levadas ao ar no Brasil, acusando pessoas de maltratar animais, porque em terrenos ou suas propriedades mantinham muitos cães e gatos, mas analisando melhor a questão, muitas vezes são pessoas compassivas que acolheram os bichos abandonados, pelos que são veradeiramente frios.
    ENTÃO os vizinhos incomodados, que nunca tentaram ajudar chamam a zoonose, os jornais e TV vêm ao local e transformam aquela pessoa que apenas precisaria de ajuda um bandida.
    NÃO ESTOU afirmando que seja em tela seja deste tipo, mas parece-me que há algum exagero no caso.
    O CANADÁ é um pais, cujos militantes pelos direitos animais merecem louvor, no entanto a persistência da focas bebês constituem um dos mais emblemáticos casos de crueldade contra animais.

  2. ADENDANDO comentário anterior, na última sentença, era minha intenção dizer, um país em que a caça às focas bebês, constituem um dos mais emblemáticos casos de crueldade contra animais.

  3. Caro Lorival, é possível, sim, que coleiras apertadas a ponto de não matar o animal asfixiado, causar lesões no tecido seja por pequeno atrito, principalmente por tentar se soltar desesperadamente por fome sede e medo, essa lesões facilitam o surgimento de fungos e bactérias devido a falta de higiene do ambiente e do animal por negligêcia, o machucado tende a cicatrizar mas com a coleira bem aperta, isso se torna fácil, é mais comum acontecer em coleiras finas, fios ou qlq outra cosia que se use como uma coleira, é mais comum do que você imagina, creio que não tenha uma vida de ativisma, caso contrário vc iria se deparar muito com essas situações, tenho uma cachorra que era de um carroceiro, ela demoru uns 3 anos pra recuperar os pelos do pescoço, pois era amarrada com um fio de varal que estava dentro do pescoço dela já, quanto mais força vc faz, mais apertado fica, machuca, incomoda e vc tenta cada vez mais se soltar em vão.

    As imagens não são brasileiras, infelizmente, é o que fora divulgado, mas as informações foram fornecidas pelos voluntários, polícia local, veterinários além de quem denunciou, acho que são várias pessoas envolvidas de áreas distintas fazendo afirmando maus tratos.

    Na imagem é possível ver o pastor da direita bem magro, vc vê pela região traseira dele, indica que alimentava-se mal, facilitando diversas doenças ….um animal pode estar doente sem estar magro e vice e versa ….. se um centro de controle de zoonoses recolheu isso tudo de animal , acredite, ELES estavam péssimos, ninguém resgata animais em boas condições, caso contrário, no máximo, ele levaria uma advertência para mudar a situação o que não foi o caso.

    Existem vários casos de pessoas que adoram animais, resgatam e e não doam pq não confiam nos outros ou pq não conseguem por falta de suporte ou outras coisas, a renda acaba não sendo suficiente e essa pessoa se torna tão vítima quanto os animais o que não deixa de ser maus tratos, por mais amor que essa pessoa possa ter. Não tem condições, não faça. Muitas vezes o animal fica pior do que se estivesse na rua.

    Outra coisa, uma acusação ou mil acusações, a pena pra crueldade contra animais é ridícula, então não faz a menor diferença nesse caso.

    Não vejo exagero. se vc bater seu carro num cruzamento e atropelar alguém vc pode ser enquadrado em diversas acusações, falta de atenção, direção perigosa, atropelamento da vítima, danos morais, e por ai vai ….. sao vários animais, nesse caso foi até branda pq é uma acusação pro animal 27 cães + 15 cavalos + jumentos = 44

    Sou biólogo, vegano, ativista e já presenciei vários casos assim.

  4. DANIEL muito obrigado!
    SEU comentário foi uma contrapartida excelente ao que escrevi e era o que realmente gostaria que alguém dissesse.
    CONCORDO também com sua crítica às pessoas que colecionam número maior de animais do que têm condições de cuidar.
    A AÇÃO de acordo com normas éticas e fundada em conhecimento objetivo evitaria tal comportamento.
    NÃO OBSTANTE, em comunidades constituidas por pessoas insensíveis em maior número do que aquelas que se preocupam ocorre de a compaixão ser punida, mas é claro, a ação deve ter equilíbrio entre a razão e o sentimento.
    QUERO dizer também que minha atividade em socorro e proteção aos animais tem sido sempre individual.
    JÁ SOCORRI um número incalculável de animais e interferi muitíssimas vezes nas relações entre pessoas e animais, porém não atuei de modo sistemático.
    QUANDO ocorre casos mais complexos sempre me socorro de veterinários.
    POIS é mesmo verdade, as penas, na maioria dos paises, por maltratos contra animais são prá lá de ridículas.
    VALEU daniel, sabe sou estudioso de Filosofia e gosto de fazer colocações e perguntas que gerem reflexões e respostas boas.
    AS SUAS foram excelentes!
    ELAS esclarecerão sobremaneira aos que lerem esta reportagem, respondendo às dúvidas que suas lacunas suscitam.
    VEJO que entre nós, veganos, há pessoas com formação em numerosos campos do conhecimento e a biologia, como é o seu caso traz os fundamentos mais importantes para nossa causa.
    Grande Abraço.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>