• Home
  • Muriquis continuam ameaçados pela fragmentação de florestas

Muriquis continuam ameaçados pela fragmentação de florestas

0 comments

O sério trabalho desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa da Mata Atlântica (Ipema), no estado do ES, em busca do manejo e da conservação do muriqui, aumentou a possibilidade de vida da espécie. Entretanto, a preservação das florestas – ameaçada pelas novas mudanças no Código Florestal que estão em votação em Brasília – continua sendo um problema para a espécie, que se arrisca entre um fragmento e outro para acasalar.

A informação foi publicada pelo Informa do Projeto Corredores Ecológicos, outro forte parceiro na luta pela reconstrução de corredores florestais no ES.

O alerta, segundo o informe, vale principalmente para as regiões serrana e de relevo acidentado, freqüentadas por estas espécies. No Estado, a espécie se concentra principalmente nas regiões do Caparão,  Santa Teresa e Santa Maria de Jetibá.

“Acredita-se que a colonização pomerana foi fundamental para a manutenção da espécie em Santa Maria do Jetibá. Apesar de o município não possuir nenhuma unidade de conservação, ele ainda abriga um número relativamente alto de indivíduos, o que é explicado pela falta de tradição de caça na cultura dos pomeranos”.

A informação é que os animais se tornam vulneráveis a partir dos seis anos de idade, quando as fêmeas se tornam adolescentes e deixam o grupo em busca de outros parceiros para a reprodução. E é neste momento que a fragmentação os deixa vulneráveis.

“Quando a fêmea do muriqui não consegue chegar até outros grupos, ela tem duas opções: ou fica sozinha, isolada, ou volta para o seu grupo”.

É neste contexto que a ela pode ser caçada ou sofrer algum acidente.

Segundo os especialistas, ambos os casos são prejudiciais à continuidade da espécie, já que no primeiro não há reprodução e no segundo a reprodução ocorre, mas com membros da mesma família, o que pode trazer problemas genéticos que dificultarão a sobrevivência da espécie.

Para ambientalistas, esta espécie sobrevive graças à falta de cultura de caça do povo pomerano e pelo empenho de projetos como o Corredor Ecológico, que, além de efetuar o plantio de mata atlântica, buscando a formação de corredores que se conectem, contribuem para a sobrevivência de inúmeras espécies.

No estado, a espécie que se alimenta de folhas e frutos e tem hábitos diurnos. Cada indivíduo pode chegar a até um metro de altura. Isso sem contar a cauda, considerada longa e tida como uma das suas principais características.

A espécie vem sendo acompanhada em Santa Maria de Jetibá, onde já se mostrou resistente por sobreviver em uma área consideravelmente pequena para permitir sua permanência.

Dos cerca de 1 milhão de muriquis que existiam na época da chegada dos portugueses ao Brasil restaram apenas mil.

No mundo, 29% das 394 espécies conhecidas de primatas estão sob o risco de extinção. As principais ameaças aos macacos são a destruição das florestas tropicais, especialmente na Ásia – em parte para a produção de biodiesel, como no caso na Indonésia e da Malásia -, o comércio de animais silvestres e a carne de caça, especialmente na África.

Fonte: Século Diário

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>