• Home
  • Animal silvestre não é pet

Animal silvestre não é pet

2 comments

Por Albert Lang
(Médico Veterinário, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de SC)

Não há dúvidas de que cães e gatos são os “reis do pedaço”. Há anos, eles frequentam nossas casas, dormem em nossos sofás, roem nossos móveis. Há séculos, são cruzadas diversas raças, aperfeiçoadas as técnicas de criação e os alimentos passaram a ser mais balanceados, aumentando sua expectativa e qualidade de vida. Eles nos alegram, divertem, interagem conosco. Dão-nos carinho, alegria, fazem-nos felizes.

Nos dias atuais – apesar de a prática já existir há muito tempo –, os animais silvestres e exóticos também se tornaram animais de estimação. Existe uma forte tendência em criá-los dentro de casa, seja por ser novidade, modismo ou hobby. Tal realidade é triste, visto a grande quantidade de cães e gatos abandonados, que sofrem maus-tratos, são assassinados. Há carência da fiscalização da legislação e do exercício da educação e da cidadania. Se cães e gatos não estão sendo bem cuidados, por que os animais silvestres estão sendo tirados da natureza, prejudicando a fauna nativa e ameaçando-os cada vez mais de extinção?

A grande maioria destes animais silvestres em residências é proveniente do tráfico. Ter um animal silvestre sem origem legal, retirado da natureza, significa que ele foi “arrancado” do seu habitat natural ou é oriundo de cativeiros ilegais. Isto é crime! A Lei de Crimes Ambientais proíbe a utilização, perseguição, destruição de caça de animais silvestres e prevê pena de prisão de seis meses a um ano, além de multa, para quem a desrespeitar. Outro fator de suma relevância é o risco das zoonoses, como clamidiose, herpesvirus, raiva, malária, febre amarela.

Urge a necessidade do olhar dos gestores públicos para um real exercício e aplicação das leis que protegem estes animais, como a Lei 5.197/67 (Lei de Proteção à Fauna); Lei 9.605/98 (Lei dos Crimes Ambientais) e, se necessário, a criação de novas leis. Urge a necessidade de uma maior conscientização de todos de que a melhor maneira de observarmos, admirarmos, curtirmos estes animais é na própria natureza, onde são soberanos e livres.

Vamos ajudar a castrar cães e gatos errantes e abandonados. Vamos ajudar a conscientizar e educar a população sobre guarda responsável. Vamos denunciar o comércio ilegal de animais silvestres. Preservando nossos animais estaremos nos preservando. Pense nisto.

Fonte: Click RBS

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Caro Albert Lang, parabéns por suas palavras bem arrumadas numa crônica reflexiva.

    Eu discordo, mesmo, é que se tenha como animal de estimação animais silvestres até permissionados em Lei.

    Uma coisa leva, necessariamente, a outra. Quem vê um tucano, por exemplo, legalizado em uma casa e não pode pagar todo o custo, real e intencional, por um animal silvestre nessas mesmas condições, quase sempre apela para a clandestinidade criminosa em feiras de comércio ilegal de animais. É fato até já pesquisado.

    Quando a sociedade começa a compreender que a natureza deve estar aonde ela surge, nasce, menos questões envolvendo comércio de vida animal vamos ter. Não poder ter animal silvestre de jeito algum já seria uma enorme abordagem na construção dessa conduta, uma maneira pedagógica de alta abrangência.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>