• Home
  • Cavalo explorado por carroceiro é encontrado com grave deficiência na coluna

Cavalo explorado por carroceiro é encontrado com grave deficiência na coluna

13 comments

Deficiência na coluna provavelmente causada pelos anos de exploração. Foto: Divulgação/GS

Dois anos após a apresentação de um projeto de lei elaborado por populares com a proposta de proibição do uso de carroças com tração animal na área urbana de Santa Cruz do Sul, os casos de maus-tratos a cavalos ainda fazem parte da rotina de atendimentos da Vigilância Sanitária. Segundo o coordenador do departamento, o veterinário Paulo Rutkowski, a equipe recebe, em média, 15 denúncias por dia.

Ontem, a situação de um cavalo às margens da BR–471, no Bairro Bom Jesus, motivou o comunicado por parte de populares que circularam pelo local. Com uma saliente deficiência na coluna, o animal, amarrado próximo às casas, causou suspeitas de abuso.

Conforme averiguação realizada pela Vigilância, o cavalo pertence a um carroceiro que alega não utilizá-lo mais para fins de serviço. “Ele comprovou que mantém o animal alimentado com ração e milho”, afirma Rutkowski. Segundo o veterinário, o problema lombar provavelmente é consequência de um excesso de peso ao qual o cavalo foi submetido quando ainda pequeno. “Infelizmente não existe uma lei que preveja a punição por possíveis irregularidades que ocorreram no passado. O que nos interessa é o presente”, alega Rutkowski.

Em casos como esse, a Vigilância trabalha a fim de orientar os trabalhadores que dependem da tração animal. “Reforçamos a importância de manter o animal afastado do serviço. O recolhimento se justifica somente quando o bicho está machucado ou desnutrido. É como uma família em situação de vulnerabilidade. Os filhos não podem ser tirados dos pais sem mais nem menos”, compara.

Rutkowski acredita que o município careça de uma legislação específica para regular a atividade dos carroceiros. “Seria necessário padronizar as carroças, controlar o peso utilizado e cadastrar tanto os carroceiros quanto seus cavalos, o que facilitaria o controle de vacinação”, sugere.

Discussão

O problema já foi discutido na Câmara de Vereadores. Em 2008, um grupo de seis cidadãos – entre veterinários, representantes de empresas e entidades –, apresentou ao Legislativo um projeto de lei de oito páginas com a sugestão de proibir o uso de carroças com tração animal no Centro da cidade. O projeto extinguia cavalos e veículos de tração animal do Exército, da Brigada Militar ou que estivessem participando de eventos oficiais, como o desfile da Semana Farroupilha.

Em caso de descumprimento, os órgãos de fiscalização da Prefeitura ou a BM poderiam recolher a carroça e o cavalo para um depósito. Os animais passariam por exames clínicos e os proprietários poderiam resgatar o cavalo e a carroça em um prazo de até cinco dias úteis, mediante apresentação de documentos, pagamento de taxas entre R$ 30,00 e R$ 500,00, e comprovação de que o animal seria levado para o interior. Se o proprietário não aparecesse, o cavalo poderia ser destinado à doação. Em caso de doenças graves, seria submetido à eutanásia.

O pedido contou com o apoio de um abaixo-assinado com mais de 2 mil adesões e foi encaminhado à Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Câmara. Segundo uma das autoras do projeto, a veterinária Fernanda Ruschel, o caso caiu no esquecimento. “Ficamos no vácuo, sem nenhum respaldo por parte dos vereadores. É lamentável, pois estávamos dispostos a sentar para discutir e avaliar possíveis soluções para os carroceiros, pois não estamos contra eles”, frisa.

O atual secretário de Transportes e Serviços Públicos, André Scheibler, na época presidente da comissão, alega que a falta de alternativas para os trabalhadores que utilizam a tração animal tornou o projeto inviável. “Não podemos simplesmente proibir se existem pessoas que dependem disso. Foi uma decisão conjunta entre os vereadores”, explica. Contudo, Scheibler não descarta a possibilidade de retomar a discussão na Câmara. “Para isso será necessária a participação de todo o município, pois não é só um problema de saúde, tem também o lado social”, aponta.

Para o coordenador da Cooperativa dos Catadores, proibir o uso de carroças não é a melhor solução. “Sabemos que existem casos isolados de maus-tratos, mas não podemos generalizar. Deveria haver uma proposta de inclusão social para os carroceiros, disponibilizando auxílio veterinário, porque para muitos esse é o ganha pão”, acredita.

Custos

Conforme Rutkowski, para manter as condições mínimas necessárias de sobrevivência, um cavalo necessita de 3 quilos de ração por dia. Isso equivale a cerca de três sacos de ração por mês, sendo que cada saco custa, em média, R$ 40,00, o que significa gastos mensais de cerca de R$ 120,00 somente na alimentação do animal. “Sem contar os gastos com medicamentos e outros itens eventualmente necessários”, complementa.

Fonte: Gazeta do Sul

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Deixar essa criatura nas mãos desse carroceiro,é incerteza de qualidade de vida pra ele.Um santuário e tratamento seriam as opções ideais…um pena!

  2. EU PEÇO A VCS, POR GENTILEZA, HÁ COMO PUBLICAR NO JORNAL DE VCS, O SITE ONDE E COMO SE PODE FAZER ABAIXO-ASSINADO E PETIÇÕES!?
    ASSIM QUEM SABE MUDAMOS MAIS O MUNDO!!!
    OBRIGADA, FIQUEM COM DEUS!!!!

  3. Carroceiro desgraçado!

    Tem q respeitar aqueles que NAO USAM cavalos. Os que usam, hora ou outra tratam mal, deixam de pé até altas horas.

    Fico perplexa com isso. Como q esse vagabundo deixou o bicho ficar nesse estado?

    Minha vontade é quebrar em pedacos a coluna desse maldito pra ele nao andar nunca mais. MALOQUEIRO FDP!

  4. Um cara desse tem que morrer da pior forma e sofrer muito antes da morte, pq fazer isso com um cavalo lindo, o que um sijeito desse pensa…acho que nem pensa.

  5. ou seja.. qual carroceiro que tem mais de 120 reais pra gastar por mes com um cavalo? isso é a prova de que utilizar cavalos em carroças está ultrapassado.

  6. E aiinda tem gente que acha que carroceiros sao coitados!Coitados sao esses pobres animais, que sao explorados nas maos desses monstros, essa é mais uma prova disso, pois pobreza nunca foi sinonimo de crueldade, e a justiça como sempre faz vistas grossas, para esse tipo de psicopata sem o minimo de compaixao, para com um inocente indefeso quesustenta a familia inteira eainda seus vicios.Estou estarrecida, a crueldade dessas pessoas nao tem limites!!

  7. faz menos de 1 hora que liguei p/policia por causa da crueldade de um sujeito desses dando de chicotadas por todo corpo de um frágil animal puxando uma carroça com carga e mais um casal de +ou-uns 90 kg cada em cima, no momento em que ele tinha decido da carroça dando chicotadas na cara do animal que puxava sua cria,e voltando pra cima da carroça,com mais o casal,não pude me controlar,discuti com ele e liguei p a policia; mas lá não apareceu. a viatura estava em outra ocorrência…

  8. aqui na minha rua tem um carroceiro que espanca muito seu cavalo……………..um dia por volta de 6hs da manha quando esse carroceiro estava de saida para o trabalho o seu cavalo empancou sem querer sair na porta de sua residencia e entao esse carroceiro de nome ribamar comecou a espancar esse cavalo utilizando um chicote feito de cabo de fio eletrico as pancada eram tao fortes que o cavalo faltava respiraçao e a sua filha em pé na calçada de nome eliane com expressao de riso pediu a seu pai que batesse no cavalo utilizando o cabo do chicote em sua coluna vertebral e assim o carroceiro passou a esapancar utilizando esse meio……….sem sucesso a sua filha chamou seu marido que tambem mora na mesma residencia e que estava tomando café no momento do espancamento a pegar um pedaço de pau que estava tras da porta e pediu que ajudasse o pai já que o cavalo se recusando a sair, foi quando seu marido passou a bater com esse pedaço de pau na cara do cavalo e seu pai chicoteado com o chicote foi quando o cavalo saiu………ai sua filha disse com duas força ou sai ou morre de apanhar!……disse rindo com seu marido que nao trabaha e é sustentado pelo sofrimento desse cavalo. seu marido entao entrou na residencia e foi deitar numa rede na varanda da residencia, coisa que ele só sabe fazer o dia inteiro e eliane filha do carroceiro saiu para malhar em uma academia, passou por mim e deu bom dia, como se nada tivesse acontecido………..nao entendo como uma mulher dessa tao bonita e educada que chega ser admirada por onde passa pela sua beleza seja tao pervessa! fica minha revolta

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>