• Home
  • Mudança climática pode deixar pinguins no escuro

Mudança climática pode deixar pinguins no escuro

0 comments

Poucos animais podem viver totalmente no escuro, e os pinguins não são exceção. Uma nova pesquisa mostra que a mudança climática poderia fazer com que a luz solar não chegasse aos pinguins-de-adélia (Pygoscelis adeliae) levando-os à extinção.

O problema vem do derretimento do gelo do mar, de acordo com o relatório na edição de julho de Ecology. Com as mudanças climáticas, as calotas polares estão derretendo cada vez mais rapidamente e forçando os pinguins-de-adélia para mais interior da Antártida. Isso fará com que as aves caminhem para os locais com pequena quantidade de luz durante certas partes do ano, deixando-as incapazes de ver, caçar ou resistir.

Durante três anos, os pesquisadores estudaram duas colônias de pinguins na Ilha de Ross, Antártica. Com a aproximação do inverno, os pesquisadores descobriram que os pinguins sempre iam para as áreas onde havia uma alta concentração de gelo do mar e onde viam pelo menos duas horas de crepúsculo num dia. Os pesquisadores então utilizaram padrões de migração e perceberam que padrões mudaram ao longo dos últimos 12 mil anos e como isso poderia mudar no futuro.

“Como a extensão do gelo marinho diminuiu, num futuro próximo, como previsto por modelos climáticos, podemos esperar mais mudanças nos padrões de migração dos pinguins do mar de Ross”, segundo o resumo do artigo.

“Em última análise, os pinguins ao redor da Antártida terão de enfrentar a escuridão ou a falta de gelo”, diz o autor Grant Ballard, especialista em ciência da conservação.

“A partir do estudo da história em longo prazo da espécie na Antártida, sabemos que os animais são realmente muito bons na adaptação às flutuações das condições no ambiente”, afirma Ballard. “Eles fazem isso alterando suas rotas de migração ou a alterando os comportamentos de alimentação. Nesse caso, porém, condições de gelo estão mudando tão rapidamente que os pinguins não podem ser capazes de se adaptar a tempo”.


Fonte: Scientific American

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>