• Home
  • Bióloga recomenda que se matem pássaros cobertos por petróleo

Bióloga recomenda que se matem pássaros cobertos por petróleo

6 comments

Por Paula Rothman

O dano causado aos animais quando eles ficam encharcados no petróleo é tão grande que alguns ambientalistas dizem: seria mais “humano” sacrificá-los.

Quando li essa matéria no Discovery fiquei bem chocada: parece completamente desumano não tentar salvar uma criatura agonizante.

Mas “matar, não limpar” é a recomendação de uma respeitada bióloga marinha alemã.  Em entrevista ao jornal Der Spiegel, Silvia Gaus, diz que uma série de estudos prova que a taxa de sobrevivência e médio prazo dos pássaros que foram limpos do óleo é menos de 1%.

Além do estresse, os produtos usados para remover o óleo muitas vezes acabam sendo tão prejudiciais quanto o mesmo, e os animais acabam morrendo de problemas no fígado ou rins. Eu não sabia, mas para evitar o envenenamento pelo petróleo, os animais ingerem soluções de carvão – e isso não é desleixo dos ambientalistas: é a única forma de evitar que morram imediatamente.

Foto: Reprodução/Planeta Verde

Um dos exemplos citados é o derramamento de Exxon Valdez, em 1989. Cerca de 1.600 pássaros foram capturados, tiveram óleo removido e foram reintroduzidos na natureza. O custo dessa operação foi de US$32 mil por animal (incrível quanto dinheiro se pode gastar consertando um erro né?).

Unindo os números dos esforços, financeiros e pessoais, chega-se à conclusão de que todo o trabalho que dá para limpar um animal que irá provavelmente morrer seria mais bem empregado em outra coisa…

Enfim, por mais que a lógica aponte para isso, simplesmente não consigo concordar que “não fazer nada” seja melhor do que “tentar fazer alguma coisa”. Entendo que o dinheiro poderia ser usado para outras causas, talvez com mais resultados, mas… esse 1% de sobrevivência não sai da minha cabeça.

1% ainda é uma chance… não?

E, no fundo, será que não tem algo único do ser humano em desafiar a lógica e os números?

Fonte: Planeta Verde

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Se a bióloga tivesse 1% de chance de sobreviver, e alguém tivesse que decidir pela vida dela, será que ela iria querer que fizesse algo pela manutenção da vida dela, ou será que ela acharia um desperdício pelo 1% de chance de sobrevivência que ela teria???

  2. Infelizmente sou obrigado a concordar com aa Bióloga.
    Neste momento a prioridade numero um deve ser a contenção do derrame o desastre ambiental esse infelizmente já não pode ser evitado por isso a prioridade é evitar que mais animais sejam afectados e tentar minimizar as consequências e claro chamar às suas responsabilidades quem não fez o suficiente para evitar esta catastrofe.

  3. E se esse 1% for justamente a não extinção de uma espécie? basta lembrar que 1% de 600.000 são 6 mil animais!!!!
    Parece pouco? não! então essa bióloga esta tentando concertar um erro com outro!
    A vida é invalorável, portanto não me venham com “seria mais bem empregado em outra coisa…”
    Concordo que os animais que sejam abreviadas o sofrimento daqueles não reagem no primeiro instante, mas dai falar em que não vale a tentativa ja é demais!

  4. Claro que dá dó de pensar em todo o estresse que o animal vai passar durante o processo de limpeza, e pode até surgir o questionamento “não seria melhor poupa-lo disso?”, acredito que todo o esforço é válido para salvar uma vida, não importa a porcentagem. Nesse caso o valor não é algo a ser discutido e o importante é pensar que esse dinheiro esta sendo investido para salvar uma vida.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>