• Home
  • Sobre o Mercadão das Almas

Sobre o Mercadão das Almas

6 comments

Em fins de 2004, no site da Vegan Pride, Adriana Bernardino escreveu uma crônica contundente falando dos horrores sofridos pelos animais expostos à venda no mercado municipal Kenji Yamamoto, na Cantareira, em São Paulo. Até então nenhuma autoridade municipal se importava com esse assunto, apesar dos protestos das entidades protetoras e dos sucessivos pedidos de providências protocolados pelo combativo advogado Rogério S. F. Gonçalves. Os animais, adultos e filhotes, vivos ou mortos, ou mortos-vivos, se preferirem, ali nada mais representavam que simples objetos de consumo: para abate, para alimentação, para rituais religiosos. Retalhados nos açougues ou paralisados de medo nas gaiolas, como bem definiu a autora, eles eram tratados como máquinas insensíveis, peças descartáveis, instrumentos para uso e gozo de seus algozes. Um campo de concentração zootécnico, aberto aos olhos de quem quisesse ver. E o poder público permanecia cego diante das evidências de crueldade.

O texto “Mercadão das Almas”, que ela ilustrou com fotografias da barbárie, fala por si. Imagens que traduziam toda a dor do mundo contida na expressão suspensa dos porcos decapitados, no olhar acuado de galos, coelhos, bodes e cabritos. Olhos que em vão pediam socorro, que em vão imploravam misericórdia. Prefiro não mais usar as fotografias, em homenagem à memória desses animais torturados e mortos. Prefiro me valer, tão somente, da força indestrutível das palavras de Adriana Bernardino. Mas houve um momento, conforme admitido pela própria autora, em que ela fraquejou: quis comprar um coelho que lhe lambera os dedos, em súplica, e, assim, salvá-lo da morte. Foi desaconselhada, todavia, a não fazê-lo, sob a justificativa de que tal atitude, embora compassiva, representaria um estímulo ao comércio perverso no mercado das almas.  De qualquer modo, com o coração partido, a autora resolveu escrever sobre o que viu. Seu texto, certamente, contribuiu para que as coisas começassem a mudar.

É impressionante como o poder das palavras é capaz de ensejar transformações. Ativismo literário que desperta consciências, que pugna por justiça, que abre gaiolas, que liberta.  A divulgação desse texto, pela internet, mexeu com a opinião pública, tanto que alguns meses depois as autoridades administrativas decidiram proibir a venda de animais vivos naquele estabelecimento. É claro que a medida restritiva é apenas um passo no ideal abolicionista, mas, convenhamos, um importante passo. Há centenas de mercados das almas no Brasil, com milhares de animais transfigurados pelo medo e pela dor – exatamente com ela descreveu -, bichos empalhados e que ainda respiram. Não fosse a iniciativa de algumas poucas pessoas que se indignaram com a situação, ninguém, absolutamente ninguém, intercederia em defesa das vítimas indefesas. E pensar que nosso país possui legislação proibitiva de abusos, de maus-tratos e de crueldade para com animais. Como pode…?

Melhor não dizer mais nada. Que os leitores, ao menos aqueles que ainda não conhecem o texto de Adriana Bernardino, tirem suas próprias conclusões com a leitura de “Mercadão das Almas”, que considero uma das mais belas páginas literárias que já li em favor dos animais. Crônica ativista, eu torno a dizer, porque escrita com todo o sentimento aflorado de uma alma sensível e inconformada. São ações como essas que fazem a diferença, que nos devolvem a esperança, que resgatam a crença na justiça e que nos permitem seguir em frente, na busca de tempos melhores para todos. Deixo-lhes, a partir de agora, com Adriana Bernardino:

 

MERCADÃO DAS ALMAS

“Porque os anjos têm asas como as aves.
Porque os homens têm pelos como os bichos.
E todos nós temos alma como Deus!”
(São Francisco de Assis)


Há homens morrendo em todos os cantos do planeta. Mortes horrendas, desnecessárias. E há homens que, enquanto não morrem, assistem ao espetáculo da violência, faces da morte distribuídas por canais de TV, pedaços de corpos disputados por jornais e revistas. É este o programa da família. Crianças acostumadas, desde a mais tenra idade, ao sadismo de seu semelhante.

Será esse o motivo? Eu procuro um motivo que justifique a frieza do homem diante do sofrimento do outro, seja lá que outro for. Foi assim com Sócrates, Cristo, Zumbi, Gandhi, Martin Luter King, Tiradentes, Lennon, garotos arremessados de um trem em movimento e tantos outros que, a seu modo, exerciam ou lutavam pela liberdade e pela paz, mas foram premiados com a cruz, com a faca, com a bala, com a bomba, com a tortura, carentes de inteligência e de sanidade.

Quais são mesmo os motivos? Ainda não sei. Ser humano sem humanidade? É um triste paradoxo. Como se um peixe que não soubesse nadar, como uma águia que se recusasse a voar. Estou perplexa.

Aqui, no Mercado da Cantareira, em São Paulo, acompanhada de meu amigo Christopher, essas interrogações me invadem. Esses porquês.

Como é que esses homens, sem humanidade, vão-se comover com animais amontoados em gaiolas, implorando por socorro, por misericórdia?

Há, por exemplo, um box especializado em venda de animais para rituais religiosos. Há pequenos bodes, cabritos e galos pretos à espera do sacrifício. Os primeiros nem lutam mais pela vida. Chegaram a lutar antes de entrar num caminhão, a milhares de quilômetros daqui. Chegaram a lutar dentro do caminhão – com berros, com chifradas – por ar, por água, por comida. Agora, presos numa cela de azulejos brancos, eles se ferem um aos outros.

Estão cegos, paralisados pelo medo e pela dor. Acaricio a cabeça de um deles, que não reage. Parece um animal empalhado. Só sei que está vivo porque o corpo esquelético respira.

Uma pessoa se aproxima. Olha os galos pretos, que gritam inconformados. Eles são valentes. Ela escolhe um. O dono do box – um homem branco, gordo, com uma expressão tão fria quanto a de um manequim de loja (terá filhos? terá um amor?) – o dono do box abre a gaiola e agarra o animal pelas pernas. O galo bem que tenta reagir: grita, bate as asas, imponente. O dono, então, levanta-o e, com precisão, arremessa sua cabeça contra a parede. Não, o bicho não morre. O homem é “bom” no que faz. Deixa-o em estado de choque, entre a vida e a morte. Porque seu novo dono o quer vivo: o ritual exige seu sangue quente.

O funcionário do box, mais falante, diz que tem dó dos bichos. Mas o que se há de fazer? “Nós cuidamos deles, passamos remédio nos olhos feridos. Mas eles se ferem novamente”, explica o rapaz, o erro dos bichos.

Chega? Não. Há também os coelhos. Um deles, cujo valor foi estabelecido em trinta reais, lambeu meus dedos quando o peguei no colo. Nunca tinha visto isso. Queria levá-lo comigo; entretanto, Christopher me disse que seria um incentivo à continuidade daquele comércio. Não levei. Hoje, sinceramente, arrependo-me.

Eu não queria ver mais nada. Mas ninguém entra num local desses impunemente. É preciso ir ao Mercado Municipal, próximo ao da Cantareira, onde também há animais. Estes, por sua vez, estão todos mortos. São exibidas cabeças de porcos dentro de um freezer transparente com o nome de “Porco Feliz”. E um anúncio grande num outro box, com os dizeres: “temos filhotes de javali”. Sim, tem gente que faz sua ceia de Natal com filhote de javali.

Estou cansada. Não aguento mais ver essas fotos nem escrever sobre o que vi. Eu só espero que as pessoas – nas festas de Natal e Ano Novo – valorizem mais o amor do que cadáveres sobre a mesa, façam mais amor do que rituais sangrentos. Porque a vida nos dá o que damos a ela. Só teremos um ano melhor se plantarmos, uma a uma, as sementes dos frutos que queremos colher.

Eu desejo a todos vocês que saibam semear com sabedoria.

Adriana Bernardino

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. acho errado, erradíssimo que até os vegans adotem a postura stalinista de que os fins justificam os meios. agem como os velhos e ultrapassados comunistas. Em vez de salvar uma vida se omitiu, deixou o pobre coelho lá, para “defender idéias”. Uma vida, qualquer vida, vale muito mais que tudo.

  2. Leila,
    Você acredita, então, que a autora do texto deveria ter comprado todos os animais que seu dinheiro pudesse pagar, a fim de salvá-los?
    Todos os dias nós passamos por pet shops e tantos outros locais horríveis que vendem vidas, e todos os dias ficamos tentados a pagar para acabar com o sofrimento de um animal. Ver um ser inocente enjaulado, virar as costas e ir embora é algo horrível e muito difícil; porém, é certo salvar a vida de um e ajudar a financiar o comércio de tantos?
    Eu não consigo acusar alguém que, em um desses momentos angustiantes, decide levar um animalzinho para casa, socorrendo-o e tendo algum alívio (mesmo que momentâneo..). Agora, te pergunto: o que seria se, a cada vez que estivéssemos diante desses animais nos implorando por ajuda, os comprássemos? Nós, ‘protetores’, seríamos os primeiros a dar lucro certo aos mercados de almas de todo o mundo!
    Acredito que comprar não pode se tornar uma opção.

  3. Infelizmente, aquele nao era o ultimo coelho em sofrimento do mundo. Compra-lo estaria alimentando o comercio e o sofrimento de mais coelhos. Compra-lo faria a compradora se sentir melhor mas seria pior para os animais em seu conjunto. Imagine que varias pessoas se deparam com animais, ficam com do e compram. Esse comportamento estimula a venda. Assim, nunca tem fim. O ideal seria que o coelho fosse adotado, resgatado, ao inves de comprado. Assim, beneficiariamos o coelho sem beneficiarmos o vendedor.

  4. Fala-se em agravar a pena para os crimes hediondos cometidos… contra pessoas. Quando alguém ouviu falar de um assassino que matasse arremessando a cabeça de um pequeno contra a parede? Sou olhada certamente como uma chata porque sempre que posso, onde quer que se apresente oportunidade, falo sobre o inaceitável ato de matar um ser vivo pra satisfazer a gula humana. Digo sempre: há trinta anos não como cadáver… Choco? Sim, a intenção é esta. Talvez o choque faça as pessoas se abalarem. Reconhecendo-me radical, lembro a frase atribuída a Kalil Gibran “Sou extremista porque quem é moderado na proclamação da verdade,
    proclama somente a metade da verdade
    e deixa a outra metade velada
    por medo do que o mundo dirá.”

    Ou há uma forma delicada de expressar tamanha indignidade? Todos os dias lembro que, a toda hora, animais passam por isso. O coração aperta, os pés gelam. Imagino seus pés e seus corações. Não podemos permitir que isso continue, calados. Faço “trabalho de formiga”. Se adianta, espero que sim, de alguma forma. Se eu parar de acreditar que coisas assim mudem, eu não conseguirei levar a vida adiante, na sua total acepção.
    Rogério, Levai, em nome dos pequenos, agradeço de coração.

    1. Ana Lúcia, essas cenas de escravidão, tortura e crueldade contra vitimas inocentes me doem profunfamente na alma. Ao vêr essas criaturas sendo massacradas, tenho suadeira, ânsia de vômito, desespero.
      E há uma frase de uma atriz que resume muito bem esse sentimento: “NÃO COMO ANIMAIS, NÃO CONSIGO DIGERIR A AGONIA”.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>