• Home
  • Cavalos morrem e outros passam mal durante Cavalgada do Mar no RS

Cavalos morrem e outros passam mal durante Cavalgada do Mar no RS

5 comments

(da Redação)

Mais uma vez, a tradição explora e mata animais no Rio Grande do Sul. A 26ª Cavalgada do Mar iniciada no dia 20 de fevereiro vai percorrer 240 quilômetros até o próximo sábado, 27.

Oficialmente, dois cavalos já morreram devido ao estresse, mas esse número pode ser ainda maior. Cerca de seis cavalos teriam morrido nos dois primeiros dias do trajeto.

Uma fonte do Governo do Estado, que pediu para não ser identificada, explicou que normalmente os três mil cavalarianos iniciam o percurso pela praia de Torres, mas neste ano decidiram fazer o trajeto inverso.

“No dia 19, saíram da fazenda de João Luis Correa – um conhecido músico local, no distrito de Bacopari. A saída já foi difícil, e os animais penaram bastante para atravessar uma zona de pinhais. Depois, foram 30 quilômetros abrangendo as praias de Quintão, Pinhal e Cidreira”, revela.

A mudança de trajeto teria ocorrido apenas para encontrar a governadora do Estado, Yeda Crusius. “Ao invés de saírem de Palmares do Sul e irem direto para o litoral, conforme programado, foram até a tal fazenda para que a governadora montasse por 5 minutos um cavalo, fosse fotografada e recebesse um troféu”.

Os dois maiores jornais gaúchos, Zero Hora e Correio do Povo, noticiaram a morte de apenas dois animais. Entretanto, o jornal Correio do Povo informou ainda que dez outros animais passaram mal “e estão em tratamento”. Segundo o veterinário oficial do evento, Alexandre Monteverde, três fatores contribuíram para a morte dos equinos – calor excessivo, distância percorrida, e falta de preparação física prévia para os animais.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Bom dia, Gostaria de saber se já foram tomadas as devidas providências em relação desse noticiado, pois fiquei muito preocupada e horrorizada com esse noticiado.Aguardo retorno.

  2. Foi uma barbeiragem sim de quem conduzia os cavalos, mas seguramente foi um acidente!
    Tanta gritaria é bem papo de quem não tem pelo que lutar!
    Ninguém grita pelas pessoas mortos nas estradas! (quantos foram no fim de semana?)
    Ninguém grita pelos mortos por bandidos! (quantos foram no mes?)
    Um acidente em 12 anos (que claro deve servir de alerta para os cuidados necesarios e proteção aos animais) e ha uma grita geral dos falsos politizados.

  3. Gente, não dá pra acreditar sobre a Cavalgada do Mar, como pode a RAÇA QUE SE DIZ A MAIS INTELIGENTE DA TERRA, não conseguir SAIR DA ERA DAS CAVERNAS???? Deveríamos sim ENGROSSAR A LISTA DE ASSOCIAÇÕES DE PROTEÇÃO PELO BRASIL TODO. Faço parte da ANOÉ – Assoc. de Prot. aos Animais de MATINHOS – LITORAL DO PARANÁ. Gostaria muito de ver nossa Associação na LISTA DO PROTESTO. Fazemos nossa parte, mesmo que seja pela net.
    Fiquem com Deus, e que tenham FORÇAS PARA DIGERIR MAIS ESSE ABSURDO.
    Abraços
    Regina ANOÉ

  4. Amigo Evaldo, sobre o seu comentário….AS PESSOAS MORTAS NAS ESTRADAS E OS MORTOS POR BANDIDOS são frutos DA PRÓPRIA IGNORANCIA E BURRICE HUMANA, EM NADA OS ANIMAIS TEM A VER COM ISSO. Lhe garanto que, se tivesse como dar aos cavalos O LIVRE ARBITRIO, POSSO AFIRMAR QUE NENHUM DELES OPTARIAM POR ESSA CAVALGADA ARCAICA E EXAUSTIVA.
    Os acidentes acontecem por IMPERÍCIA HUMANA.
    Os bandidos estão Á VONTADE, PELA IMPERÍCIA HUMANA. Pq vc mesmo não faz a “CAVALGADA” á pé, ao lado do seu cavalo e SENTE NA CARNE O PESO DO CANSAÇO???? Ou só os cavalos que tem o DEVER DE SOFRER??? Pq????
    Só por Deus mesmo viu.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>