• Home
  • Músico compõe álbum baseado no ciclo de vida dos porcos explorados pela indústria de carne

Músico compõe álbum baseado no ciclo de vida dos porcos explorados pela indústria de carne

1 comments

O músico inglês Matthew Herbert está compondo um álbum baseado no ciclo de vida de um porco. O álbum será lançado ainda este ano com o título de One Pig e trará gravações de som de todas as etapas da vida do animal, desde seu nascimento até o momento da morte, em um abatedouro.

Foto: Reprodução/Território da Música
Foto: Reprodução/Território da Música

O projeto começou em agosto do ano passado, quando Herbert registrou todo o trabalho de parto da mamãe porca. O músico está publicando anotações, fotos e vídeos sobre o andamento do processo na internet no endereço thisisapig.blogspot.com.

Um dos momentos mais importantes do trabalho de Herbert, a morte do porquinho protagonista, estava marcado para acontecer na última segunda-feira, 8. Porém o músico não teve permissão do abatedouro para acompanhar e gravar os momentos finais da vida do bicho.

Foto: The Herbert Pig
Foto: The Herbert Pig

“É um pouco frustrante e, apesar de muitos telefonemas, não foi possível encontrar um matadouro que nos permitisse registrar a morte do porco. Encontramos um fazendeiro disposto a nos deixar registrar, mas depois foi vetado”, escreveu o músico.

“Para mim, a morte foi sempre uma parte fundamental do projeto. Era a parte que eu estava mais ansioso, mas era a parte que eu sentia ser a mais pertinente na minha compreensão da vida. Escreverei mais sobre este processo em uma data posterior”.

Apesar da proibição em registrar a morte do porco, o animal foi abatido, segundo o blog de Matthew Herbert.

Fonte: Território da Música

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. É triste saber que ainda existe em nosso planeta este termo abatedouro(o animal foi abatido…), que coisa horrível MEU DEUS,quanto sangue, quanta morte, a violencia cresce assustadoramente em todo o planeta e ninguém sabe da onde vem, estou com 56 anos e ainda não me acostumei, não consegui me adptar com os hábitos terraqueos, MEU DEUS…

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>