• Home
  • Processo de adaptação de cão com novo bebê deve começar ainda na gravidez

Processo de adaptação de cão com novo bebê deve começar ainda na gravidez

1 comments

Ele era tratado como filho pelos tutores, até que um dia é surpreendido com a chegada de um bebê na família. Esse momento tão especial na vida de qualquer ser humano pode ser também sinônimo de problema para cachorros acostumados a reinar sozinhos em seus lares.

Segundo a adestradora Hetyene Borges, o impacto da chegada de um bebê na vida de um pet que vive nessa situação é grande. “A maioria deles pode ter problemas comportamentais como: ciúmes, ansiedade, compulsões, agressividade, depressão, entre outros distúrbios emocionais”, afirmou.

A adestradora, que já foi contratada para socorrer vários casais nessa situação, orienta que o melhor a fazer é começar a preparar o cachorro antes mesmo da chegada do bebê. “A partir do momento em que a mulher descobre a gravidez, ela deve começar a diminuir a atenção dada ao animal e passar a ignorá-lo algumas vezes. Desta forma, ele não vai estranhar tanto quando não receber atenção dos futuros pais”, disse.

Caso o casal não queira que o cachorro entre no quarto da criança é preciso também começar a educá-lo antes da chegada do filho para que ele não relacione a criança às coisas negativas. “O ideal é que os futuros papais peguem uma boneca e simulem com ela as atitudes que terão quando o bebê nascer. Só assim será possível observar o comportamento do pet e, caso ele reaja de forma agressiva, será possível corrigir”, afirmou Hetyene Borges.

Toquinho

A jornalista Luciana Tibúrcio tutora do shitzu Toquinho está grávida de sete meses. Em breve, o cão terá que se acostumar com a presença da pequena Ana Laura, que tomará boa parte do tempo da jornalista.

A futura mamãe acredita que no início o shitzu vai sentir a falta do seu colo “O Toquinho foi o centro das atenções da casa desde que nos casamos, há cinco anos”, disse.

Para que Toquinho não sofra com a chegada da Ana Laura, a jornalista deixa que ele fique deitado debaixo do berço enquanto ela organiza o quarto da filha. “Eu também deixo que ele cheire o enxoval da neném e coloco a cabecinha e a patinha dele na minha barriga para que ele possa sentir a Ana Laura se mexer. O mais engraçado é que, quando ela escuta o latido dele, ela chuta”, disse.

A jornalista acredita que, mesmo com essas atitudes, o cão ficará enciumado com a chegada de Ana Laura. “Ele adora ficar no meu colo e agora não vai poder ficar mais sempre que quiser. Já falei para meu marido não deixar de dar atenção para ele, pois é só isso que o Toquinho quer.”

Tutores também correm o risco de falhar

De acordo com adestradora Hetyene Borges, o trabalho de educação do cão não termina com a chegada do bebê. “É importante que os tutores façam várias associações positivas entre a criança e o cachorro. Por exemplo, quando a mãe estiver com o filho no colo, outra pessoa deve dar um petisco e carinho para o animal. Outra dica que funciona é colocar uma fralda com o cheiro da criança nos locais onde o cachorro costuma dormir e debaixo do seu comedouro. Desta forma, o cheiro do bebê estará associado a duas coisas que os animais adoram fazer, comer e dormir”, afirmou.

Hetyene Borges afirma que, se os responsáveis seguirem todos esses passos, será difícil que o cão estranhe o bebê. Mas, se mesmo assim isso acontecer, ainda é possível contornar a situação e evitar que o cão seja doado. “Todo animal está preparado para mudanças, mas estas devem respeitar o nível de entendimento do animal. Caso o processo de adaptação seja demorado ou não ocorra, um especialista em comportamento canino (não um adestrador), depois de verificar em quais pontos os responsáveis falharam, pode conseguir bons resultados”, disse a adestradora.

O que deve ser feito para que o cachorro não estranhe o bebê

Realizar mudanças gradativas na vida do animal.

O casal deve diminuir a atenção dada ao cão e ignorá-lo em alguns momentos nas semanas antes da chegada do bebê.

É muito importante que o cachorro associe a criança a coisas positivas, como petisco e carinho.

Colocar uma fralda com o cheiro do bebê nos locais em que o animal dorme e come também ajudam a reforçar a associação positiva do cão com a chegada da criança.

Fonte: Correio de Uberlândia


About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. bom dia, adotei uma cadelinha cocker e com a chegada dela minha antiga cachorrinha, também cocker não quer mais comer, gostaria de saber o por quê?. as duas são adultas. muito obrigado.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>