• Home
  • Pesquisador reúne 50 anos de estudo sobre pássaros em fotos

Pesquisador reúne 50 anos de estudo sobre pássaros em fotos

0 comments

O colhereiro rosado quase se extinguiu um século atrás devido à caça excessiva (Imagem: New York Times/ Terra)
O colhereiro rosado quase se extinguiu um século atrás devido à caça excessiva (Imagem: New York Times/ Terra)

Vinte anos atrás, o observador de pássaros americano Theodore Cross fez uma viagem que o levou a atravessar 16 fusos horário e o transportou de Nova York a Moscou, Irkutsk e Yakutsk, na Rússia, antes de se encerrar na tundra, no delta de Kolyma, nordeste da Sibéria. Seu objetivo era a muito almejada observação de uma ave ártica, a gaivota de Ross. Cross conseguiu avistar uma dessas gaivotas, mas o ninho da ave foi ocupado por um mandrião ártico parasitário antes que o pesquisador pudesse retornar com sua teleobjetiva. A viagem terminou em fracasso.

Passadas duas semanas, algo de completamente inesperado aconteceu: uma gaivota de Ross apareceu em Baltimore. Milhares de observadores de pássaros convergiram imediatamente no local, em busca da oportunidade de observar um espécime raríssimo.

“É o pássaro que atraiu 20 mil binóculos”, diz Cross. Waterbirds, o livro de 344 páginas que ele está lançando, é uma mistura de enciclopédia visual e de suas memórias de quase meio século de observação de pássaros. Em retratos íntimos de pequenas aves como a seixoeira ou de pássaros “grandes como vagões de trem”, a exemplo do maçarico-de-bico-direito, e em relatos de suas experiências pessoais como observador de pássaros, Cross, 85, descreve a maneira pela qual passou a primeira metade de sua vida completamente desatento às aves, apenas para se tornar um de seus mais ardorosos fotógrafos e defensores já depois dos 40 anos de idade. Agora, escreve o autor, “as lembranças que tenho deles me ajudam a aceitar a brevidade do tempo que ainda me resta”.

Entre os pássaros favoritos de Cross está o colhereiro rosado, que quase se extinguiu um século atrás devido à caça excessiva, motivada por suas penas rosadas que eram usadas para adornar chapéus femininos. A espécie está em recuperação. O rabo-de-palha da ilha Christmas é conhecido por seu voo acrobático. Ao meio-dia, conta Cross, “eles sobem ao céu e se dedicam a piruetas inacreditáveis, e praticam cambalhotas aéreas fazendo um barulhão ensurdecedor”.

O maçarico-de-bico-direito realiza uma travessia anual de 10,9 mil quilômetros, do Alasca à Nova Zelândia, sem comida, água ou repouso, uma façanha que Cross define como “um dos milagres da natureza”. E o pilrito-semipalmado, um pássaro pequeno o bastante para caber em uma xícara de chá, migra da América do Sul ao Ártico, “atravessando tempestades e furacões, montanhas e oceanos”.

O trinta-réis-branco é uma ave incrivelmente amistosa. “Se você visitar qualquer ilha do Pacífico Sul”, ele afirma, “logo se verá cercado por uma dúzia ou mais dessas pequenas aves, que se aproximam para cumprimentá-lo”. Cross espera que um dia ainda seja capaz de capturar a foto perfeita, que ele descreve como “duas garças avermelhadas praticando o seu ritual de cortejo, com suas fantásticas penas distendidas e apontadas para o céu”.

Fonte: Terra

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>