• Home
  • PRF e Ibama fecham campeonato nacional de rinha de galo em João Pessoa

PRF e Ibama fecham campeonato nacional de rinha de galo em João Pessoa

0 comments

O Ibama, junto com a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Florestal, apreendeu 23 galos numa rinha no bairro do Rangel, em João Pessoa (PB), na noite deste sábado (21). Além dos animais, 23 gaiolas de viagem foram apreendidas com selos de transporte aéreo, sugerindo que as aves tenham sido transportadas do Rio de Janeiro para Recife de avião. A operação foi chamada de Gladiadores 2.

De acordo com informações levantadas pelo serviço de investigação da PRF, em João Pessoa acontecia o Campeonato Brasileiro de Galismo com participação de “competidores” e apostadores dos estados de Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e Brasília, além receber argentinos e urugaios. As apostas chegavam a R$ 300 e a entrada para assistir as lutas custava R$ 30.

Apesar das várias informações, a operação não efetuou prisões. A agente Keyla da PRF, chefe da sessão de policiamento e fiscalização, acredita que a informação de que haveria prisões “vazou” e que os envolvidos fugiram. “Chegamos a filmar as rinhas um dia antes, mas quando chegamos com as viaturas não tinha mais ninguém. O local estava abandonado. Todos fugiram deixando tudo para trás”, revelou.

O local é o mesmo onde foram presos os acusados da Operação Gladiadores em agosto do ano passado. “Este local está interditado pela Justiça, mas mesmo assim estava todo reformado, com ar-condicionado e estrutura de luxo”, contou a agente. O que mais chamou a atenção foram os valores investidos neste crime. O grande vencedor do campeonato receberia um carro zero km.

Cerca de 80 pessoas, entre policiais rodoviários da Paraíba e do Rio Grande do Norte, policiais florestais e fiscais do Ibama trabalharam nesta operação em João Pessoa. Além deles, uma ação aconteceu, ao mesmo tempo, em Alagoas, onde outros 80 agentes da PRF fecharam sete rinhas.

Uma decisão da juíza da 5ª Vara da Fazenda da Capital, Maria de Fátima Lúcia Ramalho, liberou a prática das rinhas de galo por entender a violenta disputa como um esporte. Mesmo assim, a superintendência do Ibama na Paraíba informou que, apesar da liminar, o Instituto continuará o trabalho para combater essa prática.
Segundo o Ibama-PB, a liminar concedida pela juíza prevê que apenas a Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) se abstenha de proibir e coibir as rinhas de galo no estado.

Fonte: Paraiba.com.br

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Não foram mulheres que fizeram a constiutuição, não costumam ser mulheres que fiscalizam, nem mulheres que julgam os seus crimes de maus tratos. Ou seja, os poderes executivo, legislativo e judiciário por trás dos combates as rinhas são quase totalmente MASCULINOS. É completamente despropositado transformar sua “luta” em uma rixa com as mulheres.

    Então refaço o pedido: “apresente as fontes (de mínima credibilidade) que afirmam que 70% dos países toleram (e praticam, é claro) as rinhas. os países onde a rinha é liberada são os mais civilizados, os mais respeitadores dos direitos humanos?”
    Me apresente os artigos ou a compilação de textos legais que atestem o fato de que em 70% dos países a rinha de galo é tolerada, pela lei ou pela jurisprudência, e é prática relativamente corriqueira. Se provada a alegação, passaríamos a discutir se estes países seriam bons modelos, se devemos desistir de ter a Europa e os Estados Unidos como parâmetro e passar a ter principalmente países de terceiro mundo e de democracia mais frágil, menos respeitadores dos direitos humanos, como referência.

  2. Lucio

    Aconstituição não proibe rinhas de galos, e por trás de um homem geralmente há uma mulher,exemplo; se um homem é neutro no assunto, através da opinião de uma mulher ele con certeza passará a ser contra, é o caso dos políticos e autoridades que não conhecem galos combatentes nem rinhas, não tem idéia de como funciona, porém eles acabam ouvindo sempre as mulheres, seja a própria esposa, seja nos protestos, seja nas entrevistas das líderes ambientalistas e acabam tendo uma visão equivoca da coisa.

    EUA e Europa como parâmetro. voca acha que um pais de terceiro mundo, com tanta corrupção, pobreza, costumes muito diferentes, baixos salários,tem como viver o cotidiano de países ricos? excluido-se é claro a França, espanha,alemanha que tem as rinhas liberadas.
    Estamos falando de direitos humanos ou direitor animais?
    mais da metade desses países pode não ser os mais respeitadores dos direitos Humanos(pra não dizer animal), porém mais respeitador que o brasil com certeza é.
    Na américa latina é permitido as rinhas; na Argentina, peru, bolivia, venesuela, uruguai.

  3. eles.[6]

    Nicarágua, Venezuela, Colômbia, Equador, França, México, República Dominicana, Filipinas, Peru, Panamá, Porto Rico, Ilhas CanáriasE Guam tem arenas com bancos ou arquibancadas para os espectadores em torno do anel. Em muitos países, o espetáculo de briga de galos é tão popular como baseball e Futebol americano estão no Estados Unidos.[esclarecimentos necessários] Entre os concorrentes que criam galos de briga, não há grande orgulho no talento de seus pássaros e na conquista de um campeonato.

    Briga de galo é comum em toda a Sudeste da Ásia, Onde ela está implicada na disseminação gripe aviária.[8] Alguns termos locais para galos:

    Tailândia, Tailandês: ตีไก่ Ti kai;
    O Filipinas, Sabong.
    Vietnã, Đá gà.
    Indonésia e Malásia, Sabung Ayam

    Sudeste da Ásia (ou Sudeste Asiático) É uma sub-região de Ásia, Composto pelos países que estão geograficamente ao sul de China, A leste de Índia e norte de Austrália. A região situa-se na intersecção das placas geológicas, com a atividade sísmica e vulcânica pesada.

    Sudeste asiático consiste de duas regiões geográficas: o continente asiático (aka. Indochina), E arcos insulares e arquipélagos a leste e sudeste. A parte continental secção é constituída por Mianmar (Burma), Camboja, Laos, Tailândia, Vietnã e Malásia Peninsular enquanto a secção marítima consiste Brunei, Malásia Oriental, Timor Leste, Indonésia, Papua Nova Guiné, O FilipinasE Cingapura.[1]

    Geograficamente sul da China, Taiwan, Hong Kong e Macau são por vezes agrupados no sub-região sudeste da Ásia,[carece de fontes?] Embora politicamente raramente são agrupados como tal.[carece de fontes?] O Vietnã é culturalmente e historicamente ligada à East Asia ao invés de sudeste da Ásia.[carece de fontes?]

    Briga de galo é muito popular em Paquistão.[carece de fontes?] Apostar é ilegal, mas a polícia muitas vezes fecham os olhos para ele. No Rio de Janeiro (um dos 4 principais províncias),

    Em Guam o esporte de briga de galo foi aceite como uma tradição cultural que remonta ao domínio espanhol. Cockfighting se tornou mais popular com um afluxo de imigrantes filipinos na ilha antes e depois da Segunda Guerra Mundial. Cockfighting eventos são realizados durante toda a semana em um governo licenciado poço na vila de Dededo e em outras aldeias durante festas onde um santo padroeiro da aldeia, que é comemorado. Importado galos e galinhas de os E.U. buscar um preço pesado. Na ilha de Saipan, Ao norte de Guam, briga de galo também é aceite como uma tradição cultural. Cockfighting jurídica ocorre várias vezes por semana em uma arena chamada de “cúpula”, na aldeia de Gualo Rai.

    Galos Holding é um crime em França, Mas existe uma isenção nos termos do parágrafo 3 º do artigo 521-1 do código penal francês de galos e touradas em locais onde existe uma tradição ininterrupta para eles. Assim, a briga de galo é permitido no Nord-Pas de Calais região, em França Metropolitana, Onde ela ocorre em um pequeno número de cidades, incluindo Raimbeaucourt, La Bistade[21] e outras aldeias ao redor Lille.[22] Ligado Réunion Island, Há cinco oficialmente autorizado gallodromes (ou seja, arenas de briga de galos).

  4. A Constituição Federal brasileira proíbe práticas de crueldade contra animais, conforme o disposto no art. 225, inciso VII:
    VII – proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

    A rinha de galos envolve crueldade contra animais; logo, não é permitida pela nossa Constituição Brasileira.

    Quando copiamos um texto, ou parte dele, devemos citar a fonte. Do contrário, está ferindo os direitos autorais do autor.

  5. Marcos,

    O texto constituicional é suficientemente claro, não custa reforçar mais uma vez como já fez a Raquel:
    Art. 225.
    Incumbe ao Poder Público:
    VII – proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

    “Por trás de um homem há uma mulher” etc.
    Marcos, se levarmos a sério a lógica da sua argumentação e endossarmos sua misoginia, terminamos por condenar qualquer atividade até provada uma eventual “pureza” de gênero, e tal “suspeita” recai sobre o próprio galismo. Não faz sentido este tipo de defesa que está tentando.

    Marcos, o Brasil é hoje a oitava maior economia do globo (Banco Mundial, 2007), não nos equiparemos com países de outra ordem de grandeza, e sim,
    o Brasil tem uma legislação reconhecidamente respeitadora dos direitos humanos.

    Evidente que não se pode esperar de nações que desrespeitam princípios básicos como livre organização política, liberdade de expressão e integridade física de seus cidadãos, que tenha uma legislação minimamente adequada no que concerne aos direitos animais.

    Você está equivocado: Na França, as rinhas são proibidas na maior parte do território (fonte: http://www.univers-nature.com/inf/inf_actualite1.cgi?id=3041)
    Na Espanha o caso se repete: as brigas são autorizadas apenas em certos pontos da região de Andalucia e do pequeno arquipélago de Canárias. (fonte: http://es.wikipedia.org/wiki/Pelea_de_gallos#Espa.C3.B1a)
    Não tenho dados para a situação legal na Alemanha. Aguardo a apresentação de referências.

    Vamos lá: fala-se em 27 países onde as rinhas são mais ou menos legalmente realizadas em todo o mundo. (fonte: http://www.univers-nature.com/inf/inf_actualite1.cgi?id=3041).
    Faça as contas: Com 192 países no globo temos uma proporção de aproximadamente 14% em situação de relativa tolerância para a prática de rinhas de galo.

    O texto que você apresentou não menciona uma quantidade de países nem próxima de 70% do total, acho que é um contra-argumento à sua própria posição.

  6. VII – proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

    Crueldade depende da forma que cada um encherga. o resto do texto todos nós sabemos que o estado não cumpre em se tratando de galos combatentes. vc nunca ouviu falar que os galos não fazem parte da fauna brasileira? sendo este um dos argumentos usado pelo TJ mt, para declerar o IBAMA incompetente no que diz respeito aos galos combatentes.

    o Brasil é hoje a oitava maior economia do globo (Banco Mundial, 2007). desta economia 7bilhões são perdidos pela corrupção mantndo o brasil na posição de 3 mundo, e o maior culpado por isto é o STF que a 18 anos não condena ninguém por corrupção, mesmo com provas convincentes apresentadas pala PF. pra vc ver o STF não cuida do dever de casa e quer fazer o dever de casa dos Estados.

    Eu não citei todos os países, faltaram muitos.
    Sua soma deu 27 países. vc acha que há proibição na África e no oriente médio? não há, portanto é liberado na africa e no oriente médio. lá tem muitos países.
    O esporte ainda é popular na América Latina, África, Sudeste da Ásia, as Filipinas, e no Oriente Médio, e, apesar da sua ilegalidade-em grade parte dos Estados Unidos. É quase sempre o foco do jogo frenético, como o antropólogo Clifford Geertz, anotou em seu famoso estudo sobre a briga de galos balinesa (1973).

    sobre a França e Espanha vc pode ver que eles respeitam a cultura, os locais liberados é porque a prática é bem mais popular fazendo parte da cultura.

  7. Bem amigos Marcos e Raquel, lendo os cometarios de vcs não pude deixar de chamar suas atenções, vocs são contra os galos combatente, elvando em seus comentaios o sofreimento desses animais e se colocam como críticos relevantes, acreditem vcs estão usando de hipocrisia, me respondam apenas uma coisa é desumanos colocalar dois galos combatente para realizarem um combate, isso segundo voces e porque não criticam com suas hipocrisia os donos de granjas que por dia abatem milhares de galos e galinhas para produzir alimentos pra vcs, isso é humano? isso é presevação? vcs alem de hipocritas sãos uns verdadeiros analfabetos de consciencia, se toquem e procurem realmente o dever de preservação, em relação aos bois (carne bovinas) vcs acham que eles entram nos matadouros e pedem para serem abatidos pra encherem as barrigas de vcs, quantos bois vcs acham que morrem por dia em todo mundo, quantos perus, quantas galinhas, quantos galos, quantos porcos, em fim, quantos animais vcs acham que são abatidos no mundo apenas para saciar a necessidade humana, especie essa egoista e mesquinha que deveriam mesmo era se preocuparem com o que está acontecendo no Congresso Nacional, roubos, venda de cargos, dinheiros em cuecas e em meias, isso sim é uma vergonha nacional.
    Galos Combatentes é Cultura Milenar. Por issom pesso que vcs analizem o âmego desta questão e procurem se preocupar com o que reaslmente afeta nossa sociedade e o mundo no todo.
    Obrigado.

  8. o Marcelo interpretou meu comentário com raquel um pouco equivocadamente.

    Em que momento eu disse que sou contra os galos combatentes? esse cara ta lendo o contrário. em tese minha opinião é de que não ha como proibir a matança nos matadouros e abatedouros e que será melhor para os galos combatentes e para a sociedade a descriminalização do galismo atraves de uma lei. Pois a Argentina, uruguai, bolívia, peru e venesuela acharam isto também.

  9. eu quero deixar aqui meu protesto, isto é uma vergonha policia que devia prender os traficantes de cocaina e maconha pois aqui em J.P e na PARAIBA tem um dos maiores trafego que eu ja tive noticias ou enves disto fica traz de briga de galo isto é um vergonha

  10. Penso q existem muitas prioridades a serem resolvivadas em nossos país para que os orgãos públicos se dediquem do que se ptrocuparem com as rinhas já que vcs tem tantos conhecimentos sobre a constituição, deveriam saber que o ex- tudo e incusive ex Presidente da República Jânio Quadros proibiu as brigas de galo no pais a pedido de uma “amiga”,sem nenhum critério e sem entender nada de galo nem tão pouco de rinha ou combate.

  11. marcelo
    assino embaixo de tudo quanto disse e acrescento enquanto o Ibama finge estar trabalhando.madeira ilegal estar sendo retirada da amazonas e o pantanal invadido por pastagem exotica para alimentar o gado.
    briga de galo não taz nenhum dano a sociedade sempre existiu e vai continuar existindo.

  12. Lendo a discussão ai de cima entre Raquel e Marcus, fique a imaginar a Raquel com dois pintos de briga em sua criação. Ela deveria fazer muito afago, carinho e outras delicadezas a mais do que ela imagina, pois comentou que os animais ficariam meunos agressivos se fossem criados desta forma. Realmente ela não imagina p que é um galo de briga mesmo. Peço para que dirija seus instintos defensivos aos animais a outros e deixe o galo de briga em paz, pois este ja tem a nós para cuidarmos e zelarmos pela espécie.

  13. O galo de Briga o faz por estinto e brigam a partie de 1 mês de idade, não com a interferência do homem, mas sim para poder ficar em seu terreno só e se possíovel com sua fêmeas. Ele não admite outro macho junto.

  14. Gostaria muito e até apoiaria a Sra. Raquel a salvar as matas e os rio de nosso país, mas creio que o negócio dela é ibop, e nada mais.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>