• Home
  • Moradora do RS pede que Ibama investigue caça e morte de tamanduá-mirim na região

Moradora do RS pede que Ibama investigue caça e morte de tamanduá-mirim na região

1 comments

Ao encontrar um tamanduá-mirim morto, com um grande corte na cabeça, dentro de sua propriedade rural, em Sentinela do Sul, no sul do Estado, a empresária Ivana Cardoso Bueno, 38 anos, sentiu que precisava fazer algo para proteger os animais da região.

Chocada com a crueldade, a moradora de Porto Alegre escreveu um e-mail para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), pedindo que investigasse a caça irregular na área. A solicitação foi feita em 24 de junho. Para a indignação de Ivana, passados quase 40 dias, ela não obteve resposta.

– A gente fica frustrada, porque, enquanto isso, continuam as matanças. Todo mundo sabe que existem caçadores na região. Eles andam com cachorros e armas de fogo, dando tiros em propriedades alheias, matando animais por pura crueldade – afirma, destacando que o animal encontrado também estava sem uma das unhas.

Segundo o gabinete da Superintendência do Ibama no Estado, a demora na resposta está longe de ser indiferença. Em média, o órgão recebe, diariamente, 600 mensagens como a de Ivana, o que exige tempo para a apuração dos casos. Todas as informações são repassadas à Linha Verde do Ibama, que só costuma responder ao usuário depois de obter algum retorno de órgãos situados no município onde ocorreu o caso. O procedimento demora em torno de um mês.

Órgão aguarda retorno da Brigada Militar

Com relação à morte do tamanduá- mirim, o e-mail foi encaminhado pela Linha Verde do Ibama à 2ª Companhia (2ª CIA) do 1º Batalhão Ambiental da Brigada Militar em 26 de junho, por meio do ofício 683/2009.

– Ainda não obtivemos retorno, porque eles precisam investigar. Essa denúncia foi encaminhada num ofício com nove ocorrências no total. Quando tivermos o retorno, vamos responder – diz a coordenadora da Linha Verde da Superintendência do Ibama no Estado, Denise Mazzocco.

Mas tudo indica que Ivana terá de esperar ainda mais. Embora não lembre do caso específico, o capitão Rodrigo Gonçalves, comandante da 2ª CIA, afirma que Sentinela do Sul não faz parte da sua área de atuação:

– Eles mandaram errado, não é da nossa área.

Denise diz que aguarda a comunicação via ofício da Brigada Militar:

– O Ibama não manda errado, a gente manda para a fiscalização. Se houver qualquer coisa, ele tem de mandar o ofício avisando, aí o Ibama encaminhará.

Fonte: Zero Hora

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Ivana, fiquei feliz ao ler a reportagem “Caso à espera de punição” publicado em Zero Hora do dia 2/8/2009. Eu também penso o que fazer numa situação envolvendo animais, só que infelizmente, só funciona o recolhimento de cadáveres. A Zoonoses, apenas responsável pelo recolhimento de animais raivosos ou doentes, no caso de abandono as ONG divulgam as fotos desses animais, mas enquanto o “novo dono” não chega” a onde fica o animal, e pior, o que acontece se o “novo dono” não aparece ? No caso de punição a agressores, é um horror, você liga para o 1º batalhão ambiental, fazem a ocorrência e depois disso dizem que não sabem quando vão resolver o problema, devido a muitas ocorrências?
    Digo isso, pois já passei por todas essas situações, durante anos eu trabalho com animais abandonados e me sinto que os órgãos públicos não levam a sério ou as falta de recursos tornam esses órgãos impotentes. Mas isso não me fez parar, decidir ajudar uma ONG de cães abandonados, aonde um grupo de pessoas trabalham e sustentam esse sitio. Devido a minha saúde debilitada não pude mais trabalhar nesse sitio, mas hoje presto trabalho voluntário numa clinica que faz preços populares para castração e tratamento de animais.
    Gostaria de dizer que gostei muito de sua reportagem e da sua preocupação com os animais, mas tambem queria registrar que, a maioria dos órgãos não agem com eficiências .

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>