• Home
  • Descartes – “A razão sem razão[1]” – Crítica ao automatismo animal

Descartes – “A razão sem razão[1]” – Crítica ao automatismo animal

3 comments

“O Homem não é o único animal que pensa!
É o único animal que pensa, que não é animal.”
(Pascal)

 

Penso, então existo – Je pense, donc je suis –  para pensar é preciso primeiro existir; este era o princípio de toda a filosofia racional de René Descartes. Para ele, o conhecimento era algo incontestável, e ele desenvolveu seu método baseado numa dúvida metodológica de onde se partia do duvidoso, para se atingir o “conhecimento” e a “verdade”. Em sua busca rumo à “sua verdade”, tanto em seu “Discurso do Método” como em “Meditações Metafísicas” ele, de certa forma, exige que abandonemos todo o conhecimento que obtivemos até então e sobre os quais poderíamos levantar qualquer questão ou qualquer dúvida, principalmente as que fossem ligadas a parte da sensibilidade – os sentidos nos enganam, pois podemos pensar as mesmas coisas, estejamos acordados ou dormindo -.

Desta forma, segundo Descartes, não podemos aceitar nada que não seja evidente, nada que nos traga qualquer sinal de dúvida, será preciso reanalisar os problemas, estudá-los como se fossem vistos pela primeira vez, partindo da parte mais simples para a mais complexa; essa toda a base que o filosofo defendia, uma base racionalista. Seu objetivo principal era encontrar fundamentos para todo o conhecimento, sendo que seu método buscava as causas primeiras, por isso a “reforma” do conhecimento a partir de bases, para ele, mais sólidas. Através dessa metodologia, Descartes chegaria ao cogito Penso, Logo existo, que lhe permitiu discernir as ideias verdadeiras das falsas:

(…) percebi que, enquanto eu queria pensar assim que tudo era falso, convinha necessariamente que eu,que pensava, fosse alguma coisa. Ao notar que essa verdade, penso, logo existo, era tão sólida e tão correta que todas as mais extravagantes suposições dos céticos não seriam capazes de abalá-la, julguei que podia acatá-la sem escrúpulo como o primeiro princípio da filosofia que eu procurava. (Discurso do Método)

Após aceitar o cogito como ideia clara e irrefutável, Descartes necessitava de outra garantia, um “outro” alicerce onde pudesse construir e estruturar sua teoria, e encontrou esse alicerce na prova da existência de Deus. Todo o conhecimento de Descartes que o levou ao Cogito “Penso, logo existo”, ou seja, para poder existir como SER era necessário pensar, e desse racionalismo cartesiano, nasceu um problema que durante anos, e ainda hoje, tem causado inúmeros tormentos aos animais. Encontramos uma descrição desses problemas causados pela razão cartesiana no dicionário Descartes de John Cottingham:

“Com efeito, no século subseqüente ao da morte de Descartes, seus seguidores celebrizaram-se pelo tratamento cruel que davam aos animais no curso da pesquisa experimental em fisiologia; sabemos que o próprio Descartes praticava a vivissecção com aparente serenidade”.

Ao separar a alma do corpo, Descartes chegou a conclusão, segundo ele racional, de que o pensamento sim era a essência da alma, sua razão então o levou a dizer que tudo o que não possuísse alma e uma linguagem inteligível, seria autômato. Sendo estes corpos desprovidos de pensamentos racionais nada poderiam sentir, e essa linha de pensamento foi o que o fez dizer que os animais – para ele irracionais, desprovidos de uma alma e de linguagem intelegível – não passariam de máquinas, já que para o filósofo a linguagem era a prova de que um ser é capaz de pensar, ter uma alma e sentir ; podemos notar aqui seu inegável antropocentrismo, ao colocar que a linguagem utilizada pelos animais para se comunicarem é apenas um sistema “fechado”, o qual o homem não compreende e por não compreender o desconsidera, ou seja, mais uma vez é escolhido apenas o Ser social, aquele que se relaciona com outros iguais a ele através de palavras e gestos, mas que não consegue se relacionar bem com o Planeta onde vive nem com as criaturas com as quais divide esse pequeno espaço. Os animais, não fazendo parte desse pequeno círculo social da fala, na visão racionalista de Descartes, igualmente não pensavam e não pensando, não passavam de corpos mecânicos. Havia algo inconstante no pensamento cartesiano, pois ele alegava que apesar serem, seres não pensantes e desprovidos de linguagem, não deixavam, contudo, de ter “vida” e uma determinada “sensibilidade”, que ele equiparava com alguns fenômenos inteiramente físicos. Para ele os “movimentos” e “gestos” dos animais eram processos mecânicos, totalmente materiais e desprovidos, devido a isso, de qualquer sensibilidade e autoconsciência, para ele não importava o que fosse animal ou vegetal, todos eram seres autômatos.

Vejamos a razão de Descartes para onde o levou, e aos seus seguidores:

• 1-Os animais não possuem uma linguagem inteligível que seja universal

• 2-Os animais não possuem consciência de si mesmos nem do mundo que os cerca – nem tampouco faculdades cognitivas

• 3-Não pensam, sendo assim não possuem alma, seus corpos se movem de forma mecânica e eles buscam alimentos tal como a carroça necessita de graxa ou um relógio necessita de corda, sendo assim não são mais ou menos sensíveis que estes

• 4-Não há qualquer necessidade de ética para com eles

Muitos mergulharam nessa teoria deixando a verdadeira Razão e o Conhecimento de lado, pois não notaram que ela deixava muitas questões em aberto em relação à sensibilidade animal:

• 1-Qual a certeza que poderia levar alguém a atestar que um animal não possuía alma?

• 2-Como ele poderia explicar a diferença existente entre um ser vivo , ou seja o animal, de algo sem vida , que seria o relógio, para com o qual Descartes comparava os animais?

• 3-Como explicar que a sensibilidade – nesse caso corporal- provenha unicamente do ato de pensar?

• 4-Por que a linguagem deveria ser a linha divisória entre um ser senciente e outro, para ele, desprovido de senciência?

A serenidade com a qual tanto Descartes quanto seus seguidores abriram animais vivos sem qualquer preocupação com o que poderiam ou não sentir, demonstrou claramente que nosso ego sobre o nosso “conhecimento” torna-se algo muito perigoso quando usado sem a Razão; tal conhecimento ou pseudo-conhecimento, pode nos fazer enveredar por caminhos que acabem por causar mais mal do que bem, e temos que ter dentro de nós que a Filosofia aliada a Ciência, em meio a tudo que faz, precisa ser a condutora do Bem, jamais o contrário. Não importa apenas saber se o conhecimento é possível ou não, o importante é direcioná-lo bem, não importa apenas se o homem atingirá a plena Razão, mas sim o que fará com ela se porventura vier a atingi-la, por isso a necessidade do uso correto da Razão com o auxilio da sensibilidade e da ética, diante de qualquer conhecimento.

Ainda hoje assistimos a uma imensa legião de seguidores cartesianos que acreditam que os animais, por não possuírem uma linguagem social compreensível a nossa, são inferiores e devam, segundo a razão deles, serem usados em experimentos sem qualquer escrúpulo, e vamos esclarecer aqui, que nem a analgesia é desculpa para que se permita o uso de animais em experimentos.. Hoje a própria ciência quebra seus paradigmas ao dizer que o número de neurônios do cérebro humano são compatíveis com os de um primata de nosso porte . O que isso prova? Prova que somos todos primatas, desde o animal que é ignorado e usado como cobaia, até o vivissector que se orgulha do que faz, não há como escapar, somos todos primatas, só que com uma diferença : nós, os primatas-humanos não somos capazes de nos respeitar como seres vivos.

Não importa aí se nosso cérebro tem um tamanho significativamente maior ou não, “o cérebro humano continua sendo o cérebro de um primata em escala maior”, diante disso demonstramos que não somos especiais, que não somos seres a parte na criação.

É preciso realmente que partamos da dúvida para alcançar a verdade, não podemos mais viver presos a antigos paradigmas que não se sustentam a não ser através de mentiras, pois a própria ciência hoje nos aproxima dos animais, exigindo que tomemos uma postura Ética diante de tanto sofrimento, se não o fazemos é somente por vaidade e orgulho:

Perguntem aos vivissectores por que fazem experiências em animais, e a resposta é: “Porque os animais são como nós”. Perguntem aos vivissectores por que é moralmente correto fazer experiências em animais, e a resposta é: “Porque os animais não são como nós”. A experimentação animal se assenta numa contradição lógica.
Charles R. Magel

Diante dessa anomalia lógica, criada pela própria incoerência humana, qualquer conhecimento a respeito da senciência animal que não leve em consideração seu sofrimento, é colocado em dúvida, e faz surgir daí, novas anomalias. Os animais sofrem?Somos ou não iguais aos animais?Poderíamos levantar uma centena de questões, mas vamos relembrar algumas palavras de Voltaire, um discurso longo, mas que se encaixa perfeitamente ainda hoje, dentro do campo cientifico e filosófico, e que nos mostra quantas anomalias a ciência de hoje ainda precisa investigar, repensar e mudar seus paradigmas:

” Os filósofos dizem-me: Não vos enganeis, o homem é inteiramente diferente dos outros animais, tem uma alma espiritual e imortal (…). Escuto esses mestres e lhes respondo, sempre desconfiando de mim mesmo, mas nem por isso confiando neles. Se o homem tem uma alma, tal como assegurais, devo crer que este cão e esta toupeira têm uma semelhante. Todos me juram que não. Pergunto-lhes qual a diferença que existe entre este cão e eles. Uns respondem este cão é uma forma substancial; outros me dizem: Não acrediteis nisso, as formas substanciais são quimeras; este cão é uma maquina como uma manivela. Pergunto ainda aos inventores das formas substanciais o que entendem por essa expressão, e como só me respondem com galimatias, volto-me para os inventores das manivelas e lhes digo: se estes animais são puras maquinas, certamente sereis em comparação com eles, apenas como um relógio de repetição em comparação com a manivela que falais; ou, se tendes a honra de possuir uma alma espiritual, os animais terão uma também, pois são tudo o que vós sois. Possuem os mesmos órgãos com os quais tendes sensações, e se não lhes servirem para a mesma finalidade, dando-lhes tais órgãos Deus terá feito uma obra inútil.”

E nos lembramos que Descartes apoiou seu cogito na ideia da existência de um ser perfeito que seria Deus, sendo assim como poderia Ele, errar tanto em relação aos animais?Mas Voltaire continua, trazendo um pouco mais de luz as mentes sem “razão”:

“Mas de acordo com vossa própria opinião, Deus nada faz em vão. Escolhei, portanto: ou atribuís uma alma espiritual a uma pulga, a um verme, a um bicho do queijo, ou sois autômato como eles. (…) Portanto, esses órgãos dos sentidos são dados apenas para o sentimento, donde se conclui que os animais sentem como nós e, assim, só um excesso de vaidade ridícula pode levar os homens a se atribuírem uma alma de uma espécie diferente daquela que anima os brutos.”

Só um excesso de vaidade ridícula pode permitir que a ciência permaneça acomodada onde está, nesse modelo atual de matar para conhecer, nessa ciência de morte e não de vida.

Partamos então do duvidoso e do que nos é já é mais do que evidente; Antes acreditávamos que os animais eram diferentes de nós, e que era “ético” usá-los em experimentações, porém, os inúmeros estudos, levantaram inúmeras anomalias que nos obrigaram a mudar esses antigos paradigmas e hoje, reconhecendo que os animais são iguais a nós, reconhecendo que sofrem, torna-se totalmente antiético qualquer método que lhes inflija sofrimento, qualquer método que a nós, primatas humanos cause desconforto, também não poderá ser exercido sobre eles. Temos o conhecimento de sua senciência, temos o reconhecimento de seus neurônios, de seu DNA e a cada conquista que a ciência faz em seu campo, mais e mais ela mesma nos aproxima desses animais, tantas anomalias assim obrigam a ciência a se revolucionar, a buscar e a encontrar outros caminhos, a realmente se humanizar. É impossível a continuidade dessa contradição lógica sobre o qual a ciência caminha, ela não pode mais se calar e fechar seus olhos para essas anomalias que surgem a cada dia, anomalias que ela mesmo levanta e tenta esconder .

A Filosofia não quer tomar o lugar da Ciência, seu trabalho é apenas o de contestar, o de apontar as anomalias, de mostrar que elas existem e que urge essa mudança de paradigma, o trabalho filosófico é o de criar um senso crítico de modo a levar os seres humanos a eticidade e a moralidade. Somente exercendo verdadeiramente seu papel, é que tanto a Filosofia quanto a Ciência encontrarão seus verdadeiros Ethos, um Ethos de vida e não mais de morte. As anomalias existem, cabe aos primatas humanos agora, no uso de sua Razão, encontrar caminhos que Revolucionem não apenas o campo científico, mas a Razão humana, no trato com os animais não-humanos.
 
 

Simone Nardi -Escritora e estudante de filosofia, é autora do blog Consciência Humana, colunista do Site Espírita da Feal (Fundação Espírita André Luiz), e fundadora do Grupo de discussão espírita Clara Luz, que discute a alma dos animais e o respeito a eles. É editora da Anda.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Parabéns. fiquei encantada com a disposição de voces em preparar tão excelente material para a informação do povo. É isso mesmo. devemos nos preocupar com os animais e fazer valer a voz. Clamar por justiça. Amo os animais. HOje acolho em minha residencia 28 cães (moro em uma pequena chácara) e dedico a minha vida pelos c~;ães que encontro abandonados. Faço isso já há 12 anos hoje com 63 anos já não posso mais recolher e cuidar sozinha pois não sei o que será de mim amanhã. Mas já estou cuidando de dividir as tarefas com a constitu~ição de um abrigo para da continuidade ao trabalho que da nossa parte é recolher e muito bom que tenhamos essa outra parte de voces que é a FORMAÇÃO, A CONSCIENTIZAÇÃO, A CULTURA DE UM POVO EM FORMAÇÃO> diga-me como trata seus animais e direi como é o seu povo !!! bjs
    olga

  2. Excelente artigo. É muito interessante saber que este debate já era travado pelos primeiros filósofos da história.

    Silvana, onde encontro diretamente essas citações de Voltaire? você conhece alguma dele que contenha esses pensamentos?

    obrigado!

  3. Por mais que pareçam ser a palavra de pessoas exclarecidas, incluindo aí a intenção da pretensão, as teorias dos espíritas são fruto de lógica, são conclusões advindas de malabarismos da lógica formal aos quais qualquer um pode chegar, inclusive uma criança de 7 anos com razoável desenvolvimento mental e que conheça as bases dessa doutrina. Porém, dizer que os humanos e animais tem uma alma imortal que reencarna para que eles evoluam e todas as outras implicações do espiritismo ainda estão no âmbito da lógica, não da prova. E se uma teoria ainda se sustenta ainda apenas pela lógica e não pela prova, trata-se apenas de especulação.
    Vocês acham que já aprenderam tudo, e partem de um preconceito: Deus é um pré-conceito que já vem formado: de que ele exista, que seja humano, de que seja apenas bom…não se pode basear conhecimento numa teoria, e Deus é apenas uma teoria, algo inventado pelo homem para favorecer e facilitar a sua própria existência e explicar coisas que ele não entendia. Como Deus pode ser humano antes do homem existir? O homem como ele é agora só existe há 50 mil anos. Atualmente sabe-se que o DNA tem apenas 10% de correlação com o corpo material. Os outros 90% são um centro de comunicação em espaço-tempo com a totalidade do Universo.
    Isso quer dizer que o DNA por si mesmo pode fazer tudo o que atribuem ser obra de Deus. Isso quer dizer que os seres se auto-criam a partir das informações colhidas pelo DNA. E os fótons de luz num ambiente de vácuo acompanham a forma do DNA (DNA fantasma). Nóssa existência é baseada no DNA, e a dos animais também. E, provavelmente todos os seres que por acaso habitem outros planetas, também.
    Provavelmente todos os seres do Universo estão interligados através dele, portanto, seu poder de ação é imensurável.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>